Os dias terríveis de Kevin McCarthy: vazamentos embaraçosos e mais histórias indesejadas de Cawthorn e Marjorie Taylor Greene

Líder da minoria na Câmara é suspeito de empurrar o ex-presidente Donald Trump à renúncia.

Nicholas Reimann
Compartilhe esta publicação:

Líder da minoria na Câmara responde questões durante coletiva de imprensa (Win McNamee/Getty Images)

Acessibilidade


Fotos que surgiram na tarde de sexta-feira (22) do deputado de direita Madison Cawthorn (R-N.C.) vestindo lingerie feminina foram apenas o mais recente constrangimento para os republicanos da Câmara – e o líder da minoria Kevin McCarthy (R-Calif.) em particular – durante alguns dias notáveis, embora ainda não esteja claro se haverá consequências políticas de longo prazo.

Na terça-feira, imagens mostram Cawthorn sendo parado em uma blitz de trânsito, na qual ele acabou sendo acusado de dirigir com uma carteira de habilitação revogada – ele tem duas infrações de velocidade anteriores nos últimos seis meses.

A história mais contundente da semana veio na quinta-feira de manhã, quando o New York Times publicou um trecho do livro “This Will Not Pass”, dos repórteres Jonathan Martin e Alexander Burns, que afirmava que McCarthy inicialmente planejava empurrar o ex-presidente Donald Trump para renunciar nos dias seguintes aos distúrbios do Capitólio, em 6 de janeiro.

McCarthy rapidamente negou o relatório, chamando-o de “falso e errado”, mas na quinta à noite, a MSNBC compartilhou uma conversa de áudio vazada (fornecida pelos repórteres do Times) entre McCarthy e a Rep. Liz Cheney (R-Wyo.) confirmando que o principal republicano da Câmara discutiu pedir a renúncia de Trump.

Na sexta-feira de manhã, a CNN publicou um áudio vazado adicional (também fornecido pelos repórteres do Times), onde McCarthy disse que Trump admitiu pelo menos alguma responsabilidade por seus apoiadores invadirem o Capitólio.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Então, a deputada de extrema direita Marjorie Taylor Greene (R-Ga.) deu testemunho em um desafio à sua candidatura sobre sua suposta participação nos esforços para derrubar a eleição de 2020, alegando que ela achava que os manifestantes que invadiram o Capitólio eram membros da “antifa ou BLM”.

Na sexta-feira à tarde, o site Politico publicou fotos mostrando Cawthorn, que afirma viver de acordo com os valores cristãos tradicionais, bebendo e vestindo lingerie feminina em uma festa, que mais tarde ele defendeu como “fotos patetas de férias durante um jogo em um cruzeiro”.

Notícias ainda mais preocupantes surgiram na noite de sexta-feira, quando o comitê de 6 de janeiro apresentou trechos de depoimentos alegando que vários republicanos proeminentes da Câmara, incluindo os deputados Jim Jordan (Ohio), Louie Gohmert (Texas) e Matt Gaetz (Fla.), realizaram reuniões com o então chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, em dezembro de 2020 para traçar estratégias de como anular os resultados das eleições daquele ano.

McCarthy disse no mês passado que Cawthorn havia perdido sua confiança e instou o congressista de 26 anos a fazer escolhas de vida para “dar a volta por cima”, depois que Cawthorn alegou absurdamente que figuras políticas de DC o convidaram para orgias e usaram cocaína na frente dele.

O período turbulento para os republicanos ocorre quando a temporada de campanha para as eleições de meio de mandato de 2022 esquenta. Pesquisas sugerem que os republicanos estão fortemente posicionados para reconquistar tanto a Câmara quanto o Senado nas eleições de meio de mandato, enquanto os democratas lutam para superar a queda no índice de aprovação do presidente Joe Biden e questões como a alta inflação persistem.

McCarthy tem falado abertamente sobre suas ambições de se tornar presidente da Câmara se os republicanos retomarem, e tentou publicamente manter boas relações com a crescente ala de direita de sua convenção, apesar de supostamente expressar algumas dúvidas particulares.

A reportagem do Times de quinta-feira, por exemplo, afirmou que McCarthy disse a colegas legisladores que esperava que grandes empresas de tecnologia como Twitter e Facebook excluíssem as contas de republicanos que insistissem nas falsas alegações de Trump sobre fraude eleitoral generalizada.

Trump pode ser a graça salvadora das aspirações de McCarthy. Os dois conversaram depois que a MSNBC publicou o áudio vazado na noite de quinta-feira, mas o ex-presidente disse a McCarthy que não estava chateado com seus comentários, segundo o Washington Post. E Trump disse ao Wall Street Journal na sexta-feira que até considerou isso um “elogio”, que McCarthy e outros críticos republicanos “perceberam que estavam errados e me apoiaram”.

Compartilhe esta publicação: