Como 3 startups estão a todo vapor durante a quarentena de coronavírus

Forbes USA
Forbes USA

Fundadores da Porter Road, James Peisker e Chris Carter estão trabalhando ainda mais na época de quarentena

Toda segunda-feira, Chris Carter dirige sua GMC Sierra nove horas para o norte do Alabama (onde sua família está em quarentena) até a sede em Kentucky de sua startup de carnes Porter Road. Seu cofundador, James Peisker, também faz uma jornada cansativa, sete horas ao sul de Chicago, para ajudar a lidar com a crescente demanda por bifes gourmet, frango e carne de porco da Porter Road. “É como se estivéssemos no meio da temporada de festas”, diz Carter, 37 anos, que vende cortes de carne de primeira linha por US$ 44 o quilo. “Nossos negócios aumentaram mais de quatro vezes do que projetamos para 2021, e isso inclui a contratação, construção de infraestrutura e captação de recursos que devem acontecer ainda neste ano”.

O crescimento ocorre quando grande parte dos negócios tradicionais da Porter Road estão fechados. Antes da pandemia do novo coronavírus, 50% das vendas anuais, estimadas pela Forbes em torno de US$ 5 milhões em 2019, vinham do fornecimento a restaurantes da moda e da loja em Nashville. Os restaurantes agora estão fechados, e o açougue está limitado à retirada na calçada, mas as vendas online da Porter Road compensaram (e muito) tudo isso.

LEIA MAIS: Johnson volta pedindo a britânicos que sigam em quarentena para evitar 2ª onda

Graças à obtenção de seus animais de fazendas próximas, a inteligência digital dos proprietários (Peisker, 36, foi Forbes Under 30 em 2012) e uma estratégia de remessa otimizada para entregar carne fresca em todo o país, a Porter Road está pronta para prosperar durante a pandemia. A maioria dos norte-americanos fica presa em casa, cozinhando constantemente e procurando carne sem uma estressante viagem ao mercado. Com alguns cliques, a Porter Road entregará carne dry aged diretamente na porta dos consumidores. A startup compra seus animais criados a pasto de fazendas perto de sua sede. Em seguida, abate e envia rapidamente carne fresca diretamente aos clientes em caixas de papelão forradas com gelo e isolamento biodegradável à base de amido de milho. O maior desafio na pandemia é manter os estoques de carne de primeira qualidade. Carter diz: “Temos clientes que fazem de dois a três pedidos por dia assim que novos cortes ficam disponíveis”.

Enquanto alguns grandes frigoríficos encontram dificuldades com o fechamento de fábricas, trabalhadores doentes e dificuldades na cadeia de suprimentos, a Porter Road está contratando. Recentemente, aumentou o número de funcionários em seu centro de atendimento em um terço, de 24 para 32 pessoas. Carter e Peisker estão procurando trazer mais seis. Com relativamente poucos funcionários –a problemática fábrica de suínos Smithfield em Dakota do Sul tem quase 800 trabalhadores em comparação–, a Porter Road conseguiu se adaptar aos novos códigos de segurança com facilidade. A empresa mede a temperatura dos funcionários antes de cada turno e após os intervalos e reforça o distanciamento social durante o açougue e a embalagem, um processo já fortemente regulamentado pelos padrões de higiene da FDA. “Nosso negócio provou que é bastante resistente”, diz Carter. “[A pandemia] abriu muitas oportunidades para nós.”

A crise do coronavírus (e o isolamento social necessário para vencer a doença) abalou o setor de varejo e restaurantes no mundo todo. O Departamento de Comércio dos EUA informou que o total de vendas no varejo de março (lojas físicas e online) caiu quase 9% em relação ao mês anterior. As vendas de roupas diminuíram 50%; as receitas de restaurantes e bares mais de 25%; eletrônicos e dispositivos, 15%. E a maior parte da economia só foi fechada nos últimos 10 dias de março. Os dados de abril serão muito mais sombrios. A National Restaurant Association alertou que, se o país permanecer trancado por três meses, a indústria de restaurantes poderá perder US$ 225 bilhões em vendas e sete milhões de empregos.

Muito antes da pandemia, lojas tradicionais já estavam oscilando sob ataque duplo de gigantes do comércio eletrônico, como a Amazon, e startups ágeis e experientes em mídias sociais. A Covid-19 apenas acelerou o processo. A Macy’s já colocou 125 mil trabalhadores em licença. A Best Buy suspendeu mais de 50 mil funcionários. A Neiman Marcus está em processo de declaração de falência.

As agências de classificação de risco S&P e Fitch rebaixaram a dívida de marcas como Nordstrom, Coach, Gap e Michael Kors. A J.C. Penney recentemente ignorou um pagamento de juros. A Staples disse que não pagaria aluguel em abril. “Simplificando, a maioria dos varejistas tradicionais depende das lojas para cerca de 75% de suas vendas, e todas as lojas estão fechadas”, diz Lorraine Hutchison, analista de varejo do Bank of America. “Eles estão no modo de sobrevivência e estão tentando economizar dinheiro. Eles colocaram funcionários em licença, estão negociando aluguel, cortando todos os custos de sede possíveis. E estão trabalhando com fornecedores para tentar cancelar ou atrasar pedidos recebidos.”

As enormes Amazon e Walmart, com fortes balanços contábeis e poder de entrega onipresente, são as exceções flagrantes. Ambas estão contratando centenas de milhares de trabalhadores, com picos de demanda e ações batendo recordes. E alguns peixes pequenos, como a Porter Road, também estão florescendo durante o ano da praga, graças ao pensamento digital, com modelos de entrega casados, ideais para um país que fica em casa. Embora seu sucesso a longo prazo permaneça incerto, essa nova geração de varejistas oferece um exemplo para o sucesso mesmo após o recuo da pandemia.

LEIA TAMBÉM: Presidente Bolsonaro inicia semana destacando Paulo Guedes

Veja a Ro, por exemplo, uma farmácia online e startup de telemedicina. Em resposta à pandemia, a empresa com base em Nova York ampliou seu foco para além da saúde dos homens. Lançada em 2017 para distribuir discretamente medicamentos genéricos para doenças embaraçosas (disfunção erétil, perda de cabelo, herpes), após o golpe da Covid-19, a marca expandiu rapidamente um programa piloto que vendia mais de 500 prescrições comuns (diabetes, hipertensão, colesterol), conforme os clientes buscam evitar pisar em farmácias convencionais.

No mês passado, a Ro lançou um serviço de triagem online para Covid-19 que fornece às pessoas orientação e aconselhamento sobre sintomas, tratamentos e cursos de ação. “Há uma enorme escassez de profissionais de saúde”, diz Zachariah Reitano, 28 anos, cofundador da empresa e que apareceu na lista Forbes 30 Under 30 de 2020. “Se pudermos reservar capacidade de pessoal para aqueles que mais precisam, é uma propagação mais eficiente de recursos.”

Com sede em Manhattan, Reitano diz que 40% de sua equipe sempre trabalhou remotamente, tornando a transição para o isolamento social relativamente fácil. Outra medida que ajudou: um alerta precoce sobre os perigos da pandemia. “Meu pai é médico aposentado de doenças infecciosas que esteve em Nova York durante a epidemia de Aids e estamos observando o coronavírus desde que começou na China em dezembro passado”, diz Reitano. “Bem antes dos isolamentos, estávamos ajustando as viagens de nossos funcionários ao exterior e estocando remédios essenciais para que pudéssemos fornecê-los aos nossos clientes.”

Reitano diz que a Ro, que levantou mais de US$ 175 milhões em financiamento de empreendimentos e registrou vendas estimadas em US$ 150 milhões pela Forbes em 2019, atualmente está fazendo mais negócios do que nunca. A empresa, que anteriormente alcançava sua base de clientes do sexo masculino em anúncios em jogos da NFL e MLB, mudou o foco do marketing para notícias a cabo e mídias sociais. “Mais pessoas estão em casa, assistindo TV, pesquisando online e passando horas no Facebook. Então, você vê a demanda aumentar”, diz Reitano, que continua anunciando enquanto outros cortam os orçamentos de marketing. “Os tratamentos para tabagismo aumentaram 90% desde o último mês, e os de saúde sexual e sono de algumas mulheres aumentaram mais de 280%.”

Startups de saúde menores também estão recebendo cada vez mais novos pedidos. Carly Stein, fundadora de 28 anos (Forbes Under 30 em 2019) da Beekeeper’s Naturals, com sede em Toronto, faz sprays para garganta e suplementos derivados de própolis, uma substância cerosa que as abelhas usam para construir colmeias. Ela diz que suas vendas online aumentaram 600%, pois as pessoas pesquisam na internet por supostos reforços de imunidade, como o própolis. (Como um suplemento natural, as propriedades do própolis não foram avaliadas pelo FDA.) “É um momento terrível e devastador no mundo, mas vimos um grande aumento nos negócios”, diz Carly Stein. “Minha equipe inteira está trabalhando em diferentes funções e departamentos”. As pesquisas por própolis no Google aumentaram 400% desde o coronavírus. Stein, que faturou mais de US$ 5 milhões no ano passado, diz que 75% dos pedidos recentes vieram de novos clientes.

Como Chris Carter, da Porter Road, Stein tem uma cadeia de suprimentos local que permaneceu praticamente inalterada pela pandemia de coronavírus. Os ingredientes da Beekeeper’s Naturals vêm de seus apiários em áreas rurais do Canadá que estão longe dos pontos críticos do vírus. “Montamos nossos apiários para que eles não fiquem dentro de um raio de oito quilômetros de qualquer agricultura ou poluente. As abelhas estão constantemente se isolando socialmente”, Stein ri: “E nossos apicultores são pessoas maravilhosas que gostam de morar no meio da floresta, por isso, temos sido amplamente isolados.” Os suplementos da marca são feitos por fabricantes médicos de Toronto (considerados essenciais pelo governo canadense) que devem permanecer abertos durante a crise.

E TAMBÉM: Política, decisões de política monetária e dados de PIB sob efeitos do coronavírus marcam semana agitada pela frente

No final de março, a Beekeeper’s Naturals lançou um novo xarope para tosse à base de própolis. Stein diz que o produto estava em desenvolvimento por dois anos, e a data de lançamento foi definida bem antes do surto. “O momento foi irônico e pensamos em adiá-lo porque não queríamos parecer oportunistas”, diz Stein. Com a tosse sendo um sintoma primário da Covid-19, o xarope está vendendo rapidamente. Para atender o maior número de clientes, Stein diz que eles estão limitando o xarope a uma garrafa por pedido. “Para um negócio de comércio eletrônico, essa não é a abordagem comum.” Mas o que é comum nos dias de hoje?

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).