Donata Meirelles: Existe vida depois do look do dia

Divulgação
Divulgação

Luiza Brasil, da plataforma @mequetrefismos: “O momento é outro, tanto de consumo como de conteúdo”

Com lojas físicas fechadas e o comércio virtual como único meio de sobrevivência do negócio em meio à pandemia da Covid-19, muitas marcas contam com as influenciadoras digitais como aliadas na comunicação de seus produtos junto ao público. Uma pesquisa recente da Youpix, consultoria de negócios para influência e entretenimento digital, em parceria com a plataforma de conteúdo Brunch revelou que 78% das marcas pretendem manter sua verba em influência digital e quase o mesmo percentual vê nos influenciadores aliados para este momento.

Mas os tempos são outros: viagens, fotos ultra produzidas, fashion weeks e looks de streetstyle pertencem hoje a um passado que já parece distante. A horizontalização do conteúdo, com temas diversos que vão de causas urgentes e cuidados com a saúde a dicas culinárias e até de artesanato, entrou na pauta dos posts e Stories, revelando uma capacidade de se adaptar à nova realidade dos seguidores.

“O expediente look do dia não funciona quando as pessoas estão com outras necessidades”, aponta Luiza Brasil, da plataforma @mequetrefismos, que sempre trabalhou em seus vídeos e podcasts conteúdos que vão além do mundo da moda. “O momento planetário é outro, tanto de consumo como de conteúdo. Influenciadores, mais do que nunca, precisam agir como analistas e críticos de seu tempo.”

Divulgação
Divulgação

Alice Ferraz, fundadora e CEO do conglomerado digital F*Hits

Para Alice Ferraz, fundadora e CEO do conglomerado digital F*Hits, o distanciamento social tem funcionado como uma janela de oportunidades para um conteúdo mais elaborado. “Ainda existe quem encare influenciadores como uma ‘mídia menor’”, adverte ela. “Mas o meio digital se tornou fundamental para as marcas como canal de vendas. As muitas semanas de moda e viagens forneciam o ambiente para a criação de uma imagem de glamour que, muitas vezes, falava sozinha. Agora, com todo mundo dentro de casa, a conversa precisa mudar.”

“O meio digital se tornou fundamental para as marcas como canal de vendas”, Alice Ferraz, da F*Hits

Atenção e cuidado com o conteúdo apresentado têm sido as principais preocupações de Silvia Braz nestes dias de compasso de espera. Em seus super acessados posts no Instagram, ela procura promover boas iniciativas, chamar a atenção para quem se encontra em situação de vulnerabilidade e fornecer informação de qualidade. “Influenciadores e marcas devem se manter conectados com seu público, criando uma comunicação que realmente toque as pessoas”, diz ela.

Divulgação
Divulgação

Para Silvia Braz, criar uma comunicação que realmente toque as pessoas é essencial para manter a conexão entre o público e os influenciadores

Para Lelê Saddi, outra veterana do universo da influência digital, a solução é dosar assuntos leves, como gastronomia, dicas de como trabalhar em home office e indicações de livros, filmes e séries, com a divulgação de causas humanitárias. “O mais importante é apoiar e divulgar as ações que as marcas estão promovendo, pensando não apenas em seus consumidores, mas nas pessoas em geral”, resume ela. “O momento é sobretudo de compartilhamento. Sinto que entraremos na Década da Colaboração.”

Divulgação
Divulgação

Lelê Saddi, da plataforma WePick: “O momento é sobretudo de compartilhamento”

Alice fala com entusiasmo do desfile online promovido pela F*hits – filmado pelo fotógrafo Jacques Dekequer, com sua mulher como modelo – que resultou, segundo ela, em quatro vezes mais engajamento do público do que em seus eventos físicos. “Estamos estudando incansavelmente novas possibilidades”, informa. Sobre as lições aprendidas durante a crise, Silvia cita a percepção da vulnerabilidade humana diante de um vírus, a força da união familiar e a consciência de que precisamos nos ajudar uns aos outros. “Esse sentimento de coletividade e solidariedade deve continuar, para sermos pessoas melhores e mais conectadas.”

Uma das saídas apontadas por Luiza Brasil é o aprendizado pessoal e profissional, em sintonia com mudanças que já se faziam necessárias antes da pandemia. “Trabalhar narrativas transformadoras com representatividade, diversidade e empatia por questões sociais”, enumera a influenciadora. “Acredito que não irá sobreviver à crise quem ainda não entendeu que existe um local de equilíbrio no mundo. E que ele não pode mais ser uma gangorra.”

Donata Meirelles é consultora de estilo e atua há mais de 30 anos no mundo da moda e do lifestyle

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).