Dólar vai a R$ 5,36 com ‘crash’ do petróleo

Reuters
Reuters

Às 10:16, o dólar avançava 0,75%, a R$ 5,3581 na venda

O dólar ampliava a alta hoje (22) pós-feriado, chegando a tocar R$ 5,36 em mais um dia aversão a risco nos mercados globais devido ao ‘crash’ dos preços do petróleo, que evidenciam o forte impacto do coronavírus na atividade econômica, enquanto expectativas de corte da Selic pressionavam a moeda brasileira.

Às 10:16, o dólar avançava 0,75%, a R$ 5,3581 na venda. Na máxima do dia, a cotação tocou a máxima histórica de R$ 5,36 na venda. Na B3, o dólar futuro subia 0,62%, a R$ 5,3545.

LEIA MAIS: Dólar fecha na segunda maior cotação da história

Hoje, os preços do petróleo Brent chegaram a desabar para menos de US$ 16 por barril, tocando o menor nível desde 1999, com o mercado inundado por excesso de oferta à medida que empresas param sua atividade e consumidores ficam em casa para tentar frear a disseminação da pandemia.

Na segunda-feira (20), o contrato de maio do petróleo dos Estados Unidos caiu para território negativo, com os investidores pagando para não terem que receber os barris da commodity.

“Essa queda bastante violenta do preço do barril mostra, para mim,(…) que o nível de atividade global está muito pior do que o inicialmente pensado”, disse André Perfeito, economista-chefe da corretora Necton, em live no Youtube.

No exterior, o dólar apresentava desempenho misto ante moedas arriscadas, estável contra a lira turca e caindo ante peso mexicano e rand sul-africano.

No cenário doméstico, analistas destacavam as expectativas de corte de juros após o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, dizer na segunda-feira que o cenário analisado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) em sua última reunião mudou.

“O que falamos é que entendemos que as condições que tínhamos no Copom mudaram muito de lá para cá, inclusive as expectativas de inflação”, disse Campos Neto. Na ocasião da última reunião do Copom, o colegiado cortou a Selic em 0,50 ponto percentual e avaliou que tanto uma redução maior no juro quanto afrouxamentos monetários adicionais poderiam se tornar “contraproducentes”.

VEJA TAMBÉM: Dólar avança ante real com queda nos preços do petróleo

O corte da taxa básica de juros a mínimas recordes sucessivas tem sido fator de pressão sobre o real, uma vez que reduz rendimentos locais atrelados à Selic, tornando o cenário brasileiro menos atraente para o investidor estrangeiro. Esse contexto é ainda agravado pela pandemia de coronavírus e conflitos políticos recentes entre Executivo e Legislativo.

No último pregão, na segunda-feira, o dólar interbancário fechou em alta 1,40%, a R$ 5,3092 na venda.

O Banco Central realizará hoje leilões de swap tradicional de até 10 mil contratos com vencimento em setembro de 2020 e janeiro de 2021. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).