Dólar cai 1% ante real com apetite por risco global

Reuters
Reuters

Às 10:46, a moeda norte-americana recuava 1,14%, a R$ 5,7578 na venda

O dólar operava em queda de cerca de 1% contra o real na manhã de hoje (12), em meio a maior apetite por risco no exterior após sinais de cortes na produção mundial de petróleo, enquanto no cenário local a ata da última reunião de política monetária do Copom veio dentro das expectativas do mercado.

Às 10:46, a moeda norte-americana recuava 1,14%, a R$ 5,7578 na venda, enquanto o dólar futuro de maior liquidez tinha queda de 1,11%, a R$ 5,7605. Na mínima do dia, a divisa norte-americana à vista foi a R$ 5,7500 na venda, queda de 1,2%.

VEJA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“O dia amanheceu meio tenso, mas o que virou o mercado (global) foi o anúncio da Rússia sobre corte na produção de petróleo, seguindo a linha da Arábia Saudita”, disse à Reuters Jefferson Laatus, sócio fundador do grupo Laatus. “Isso impulsiona o petróleo e tira a pressão (de alta) do dólar no mundo.”

Hoje, uma autoridade sênior da Rússia disse à Reuters que a principal região exploradora de petróleo do país reduzirá a produção em 15% este ano, em linha com um pacto para cortar a oferta global da commodity.

Os preços do petróleo já avançavam hoje antes mesmo da notícia, impulsionados por um inesperado comprometimento da Arábia Saudita com maiores cortes de produção em junho.

Nos mercados internacionais, acompanhando a alta do petróleo, divisas emergentes e ligadas a commodities — como lira turca, rand sul-africano e dólar australiano — subiam contra o dólar.

Enquanto isso, no cenário doméstico, o Banco Central divulgouhoje a ata da última reunião de política monetária do Copom, que, apesar de mostrar perspectivas sombrias para a atividade e possibilidade de mais cortes de juros, teve impacto limitado sobre os movimentos do câmbio.

“Internamente, o mercado olhou para a ata do Copom e não viu nenhuma novidade. Tudo estava precificado, até mesmo sinalização de outro corte de juros”, disse Jefferson Laatus.

Na última reunião de política monetária, o BC cortou a taxa Selic a nova mínima histórica de 3%, medida que elevou a pressão sobre o real, que já sofre em meio a cenário econômico sombrio e política local incerta.

Apesar da queda de hoje — segunda sessão de perda em 8 pregões –, o dólar acumula alta de cerca de 43% contra o real no ano de 2020, e as perspectivas para a moeda brasileira seguem pessimistas.

Em nota, o Itaú BBA afirmou que rebaixou as previsões para o desempenho do real este ano, citando “risco de maior deterioração fiscal, contração mais acentuada na atividade econômica e taxa de juros mais baixa”.

A moeda norte-americana à vista fechou o último pregão em alta de 1,47%, a R$ 5,8242 na venda. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).