IGP-M acelera alta a 2,23% em julho com pressão do atacado e gasolina no varejo, diz FGV

Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

A expectativa em pesquisa da Reuters era de avanço de 2,12% no mês

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) passou a subir 2,23% em julho, contra alta de 1,56% em junho, diante da forte alta nos preços do atacado e da gasolina no varejo, informou hoje (30) a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A expectativa em pesquisa da Reuters era de avanço de 2,12% no mês .

VEJA TAMBÉM: Preços ao consumidor voltam a subir e IGP-M acelera alta a 2,02% na 2ª prévia de julho, diz FGV

Os dados da FGV mostraram que o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, acelerou a alta a 3,0% em julho, de 2,25% no mês anterior.

Um salto de 6,35% nas Matérias-Primas Brutas — que haviam subido 2,57% no mês anterior — foi o destaque para essa leitura, com os itens soja em grão, minério de ferro e bovinos oferecendo a maior pressão nos preços.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), com peso de 30% sobre o índice geral, passou a subir 0,49% no período, ante variação positiva de 0,04% em junho.

E AINDA: Forbes promove webinar sobre saúde mental nas empresas. Participe

Entre os subsetores do IPC, o grupo Transportes deu a maior contribuição para o resultado, acelerando a alta a 1,45% em julho, ante ganho de 0,21% no período anterior. Esse resultado partiu principalmente do comportamento dos preços da gasolina, que passaram a subir 4,45% em julho após avanço de 0,40% na última leitura.

O Índice Nacional de Custo de Construção (INCC), por sua vez, subiu 0,84%, ante alta de 0,32% em junho.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).