Hedge funds lucram US$ 1 bilhão apostando contra empresas de turismo

Alexandre Meneghini/Reuters
Alexandre Meneghini/Reuters

Fundos têm US$ 2,98 bilhões em posições vendidas no setor de turismo

Hedge funds que apostaram contra ações de empresas de viagens neste ano lucraram US$ 1 bilhão até julho e têm US$ 2,98 bilhões em posições vendidas no setor, mostraram documentos regulatórios e dados de empréstimos de ações de bancos de investimento.

A pandemia do coronavírus infligiu enormes perdas e quedas no preço das ações de companhias aéreas, hotéis e empresas de cruzeiros, conforme medidas de isolamento e restrições de viagens interromperam os planos de férias para milhões de pessoas em todo o mundo.

Leia mais: Azul adia recebimento de 82 aeronaves para 2024 no mínimo

Grandes hedge funds como Citadel, Sandbar Asset Management e Marshall Wace assumiram posições vendidas no setor de turismo, mostraram documentos. Os hedge funds não quiseram comentar.

Cálculos da provedora de dados Ortex Analytics mostraram que os vendedores a descoberto ganharam € 853,6 milhões (US$ 1 bilhão) nos primeiros sete meses do ano com operações vendidas no setor de turismo, ante € 174,1 milhões no mesmo período de 2019.

A companhia aérea Lufthansa foi um dos alvos mais lucrativos das operações, gerando aos vendedores a descoberto mais de € 150,3 milhões de lucro no período.

Alguns hedge funds aumentaram as posições vendidas durante as medidas de isolamento mais rígidas entre março e maio, antes de amenizá-las, já que a Europa obteve algum sucesso na redução de infecções. Mas novos surtos pontuais e novas medidas de isolamento induziram os hedge funds a renovar as posições.

As empresas de viagens e turismo atualmente têm US$ 2,978 bilhões de shorts pendentes contra elas, US$ 200 milhões a mais no mês passado, de acordo com dados da Ortex.

Leia também: C6 aumenta capital em R$ 525 milhões para crescer em crédito

As ações tiveram uma recuperação modesta desde o início de agosto, mas isso atraiu muito mais vendedores a descoberto, disse Peter Hillerberg, cofundador da Ortex.

“Este não é o fim da história; já nos últimos dias vimos novas posições sendo abertas, à medida que os investidores procuram tirar proveito dos preços mais elevados das ações”, disse ele. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).