Guedes projeta melhora no câmbio e recuperação econômica em dois anos

O ministro da Economia atribui a melhora à vacinação em massa no Brasil e aos estímulo de investimentos privados

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

O real registra o terceiro pior desempenho no ano entre as principais moedas, acumulando queda de 5% em relação ao dólar

Acessibilidade


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em entrevista veiculada hoje (19) que a taxa de câmbio deve voltar a um patamar “melhor” dentro de um intervalo de dois anos, mediante a vacinação em massa no Brasil, estímulo aos investimentos privados e recuperação da economia.

“O que esperamos, dentro dos próximos dois anos, é vacinar maciçamente no Brasil, a recuperação da economia, não se basear em gastos públicos que não se podem manter, mas sim estimular um crescimento com investimentos privados. E a taxa de câmbio deveria então, depois de realizado isso, voltar a um patamar melhor”, disse Guedes em entrevista gravada ontem (18) aos jornais espanhóis El Mundo e Expansión.

LEIA MAIS: Ministério da Economia prevê alta de 3,2% do PIB no ano, com inflação acima da meta

Atualmente, o real registra o terceiro pior desempenho no ano entre as principais moedas, acumulando queda de 5% em relação ao dólar. Em 2020, a moeda desvalorizou-se mais de 20%, afetada pelo baixo diferencial de juros, risco fiscal e pífio crescimento econômico. No ano passado, o dólar bateu máximas recordes, próximo a 6 reais.

Comentando a recente decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central, que aumentou a taxa Selic em 75 pontos-base, a 2,75%, antes de ontem, Guedes afirmou que, no momento, os juros de curto prazo estão subindo para garantir que os juros de longo prazo permaneçam baixos, assim como para permitir que o país possa manter o controle da inflação e a consolidação fiscal.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em suas falas, o ministro pontuou que a aprovação do projeto de autonomia formal do Banco Central, sancionado em fevereiro pelo presidente Jair Bolsonaro, constitui uma medida importante para evitar que o aumento setorial e temporário de preços se transformasse em um aumento generalizado.

De acordo com ele, em razão da concessão do auxílio emergencial aos mais vulneráveis, aumentando o poder aquisitivo dos beneficiários, houve registro de elevação nos preços de alimentos e materiais de construção civil. “A independência do Banco Central foi importante para mostrar nosso compromisso com a estabilidade de preços”, disse.

A inflação oficial do Brasil em 12 meses até fevereiro chegou a 5,20%, de 4,56% no mês anterior, aproximando-se do teto da meta do governo para este ano, que é de 3,75% com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Em outro ponto, ao comentar a trajetória das contas públicas do país, Guedes disse que o atual governo do presidente Jair Bolsonaro foi o primeiro a não conceder reajuste de salário aos servidores públicos “porque os salários estavam muito acima dos do setor privado”.

VEJA TAMBÉM: Pesquisa mostra que 85% dos CEOs brasileiros estão otimistas com recuperação da economia global em 2021

População vacinada

O ministro da Economia pontuou que a reação a ser adotada à nova onda de casos e mortes pela pandemia da Covid-19 registrada no país é a vacinação em massa. Guedes, entretanto, afirmou que o percentual de indivíduos já imunizados no país contra a Covid-19 ainda é “muito pouco”.

“5% da população já foi vacinada, é muito pouco. Temos que melhorar muito, trabalhar muito, estamos renovando e ampliando acordos que temos de vacinas”, detalhou Guedes, que condicionou a imunização em larga escala ao retorno seguro ao trabalho. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: