Com captação de US$ 425 milhões, Plaid faz dois novos bilionários

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A nova avaliação da Plaid faz de Zach Perret e William Hockey, fundadores da fintech, novos bilionários

A fintech Plaid, sediada em São Francisco, fez barulho em janeiro de 2020 quando anunciou que estava sendo vendida para a Visa. Agora, após uma nova rodada de financiamento que levou sua avaliação para mais de US$ 13 bilhões, seus fundadores, Zach Perret e William Hockey, comemoram o fracasso do negócio com a gigante de serviços financeiros.

A Plaid, que ajuda aplicativos de fintechs, como o Robinhood, a se conectarem facilmente às contas bancárias dos consumidores, anunciou, na última quarta-feira (31), um aporte de US$ 425 milhões da Altimeter Capital, Silver Lake e Ribbit Capital. A rodada, que incluiu também os investidores mais antigos do negócio –Andreessen Horowitz, Index Ventures, Kleiner Perkins, NEA, Spark Capital e Thrive Capital –, fez com que a empresa passasse a valer US$ 13,4 bilhões, segundo fontes ouvidas pela Forbes.

LEIA MAIS: Visa e Plaid cancelam acordo de US$ 5,3 bilhões

A nova avaliação faz de Perret, que ocupa a posição de CEO da Plaid, e Hockey, que deixou a empresa em 2019 mas permanece em seu conselho de administração, novos bilionários. A Forbes estima que Perret possua cerca de 13% da empresa, enquanto Hockey detém uma parcela de 12%. Com a valorização, a participação de Perret na empresa, que tem apenas oito anos, é de US$ 1,5 bilhão, contra US$ 1,4 bilhão de Hockey. (A Forbes aplica um desconto de 10% nas avaliações de empresas privadas.)

No início de 2020, pouco antes de os casos da Covid-19 começarem a se espalhar rapidamente nos Estados Unidos, a Visa anunciou que pretendia adquirir a Plaid por US$ 5,3 bilhões. Grandes aquisições de fintechs e IPOs têm sido raros, o que fez com que o negócio fosse visto como uma grande vitória para a indústria. “Na época, fazia muito sentido”, diz Perret. “Fiquei inicialmente animado”, comenta Mark Goldberg, investidor da Plaid, integrante do conselho e sócio da Index Ventures. “Achei que havia sinergias e que era uma grande validação.”

Mas, enquanto a Covid varria o país e os norte-americanos ficavam presos em casa, os clientes da Plaid viram um aumento na demanda. Robinhood, Coinbase, o banco digital Chime e o serviço “compre agora, pague depois” Affirm tiveram um crescimento recorde. “Essa é uma das coisas bonitas da Plaid: você não precisa escolher entre Chime, Robinhood ou Current. Se você acredita que a fintech vai explodir como categoria, então o Plaid é a aposta que corrobora toda essa tese”, diz Goldberg.

O boom das fintechs ao longo de 2020 impactou a Plaid. Seus negócios cresceram 60% no ano passado e a receita anualizada atingiu cerca de US$ 170 milhões em dezembro, segundo uma fonte. A empresa confirma o crescimento dos negócios, mas não quis comentar a arrecadação.

“Três quartos dos consumidores revelam que alcançaram uma nova normalidade em sua vida financeira e planejam interagir com seus serviços financeiros digitalmente”, diz Perret. “O grupo demográfico com mais de 50 anos, por exemplo, é um dos que crescem mais rápido entre os nossos clientes.”

Perto do fim de 2020, o preço acordado de US$ 5,3 bilhões já não parecia tão bom, e, em novembro, o Departamento de Justiça anunciou que estava processando a Visa para bloquear o negócio. Segundo a entidade, a Plaid estava “desenvolvendo uma plataforma de pagamentos que desafiaria o monopólio da Visa e que a aquisição eliminaria um concorrente nascente”.

VEJA TAMBÉM: Fintech Klarna capta US$ 31 bilhões e faz dois novos bilionários

As duas empresas, então, cancelaram o negócio alguns meses mais tarde. “Estamos confiantes de que teríamos prevalecido no tribunal, já que as capacidades da Plaid são complementares às da Visa e não concorrentes”, disse a Visa na época. “Esperar por mais um ano ou mais de incerteza regulatória não parecia a decisão certa”, disse Perret à Forbes. Os investidores da Plaid comemoraram seu futuro como uma empresa independente.

Agora, os capitalistas de risco estão pagando muito dinheiro para obter um pedaço da Plaid. Se assumirmos que, com base no crescimento do ano passado e na receita anualizada, a empresa espera uma receita de US$ 225 milhões em 2021, os investidores pagariam 59 vezes as vendas no pré valuation de US$ 13 bilhões. Para efeito de comparação, na gigante de pagamentos Stripe, por exemplo, esse múltiplo de receita comparável é 50, estima Lisa Ellis, sócia e analista sênior da empresa de pesquisa de investimentos MoffettNathanson. A Stripe foi avaliada recentemente em US$ 95 bilhões, e Lisa projeta que a empresa atingirá US$ 1,9 bilhão em receita em 2021.

A Plaid se juntará a alguns de seus clientes, como Coinbase, Robinhood e Chime, nos planos para se tornar uma empresa de capital aberto? Perret não contesta a máxima de que muitas empresas de aquisição de propósito específico ficariam felizes em fazer seus IPOs imediatamente. Contar com a Altimeter, a Silver Lake e a Ribbit Capital, diz ele, certamente ajuda a aproximar essa ideia da Plaid, o que pode indicar que ele está se preparando para um futuro IPO. Mas, quando questionado à queima-roupa se a empresa planeja abrir capital ainda este ano, ele diz: “Não temos planos imediatos de oferta pública no horizonte”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).