Indústria do Brasil tem queda inesperada em fevereiro e interrompe 9 meses de ganhos

Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Setor de veículos é afetado pelo desabastecimento de insumos e matérias-prima

A indústria brasileira registrou queda inesperada em fevereiro e interrompeu nove meses de resultados positivos, sob o peso das perdas na produção de veículos automotores e indústrias extrativas, em meio à piora da pandemia de Covid-19 e restrições cada vez mais rigorosas.

A produção da indústria registrou em fevereiro queda de 0,7% na comparação com o mês anterior, contra ganho de 0,4% esperado em pesquisa da Reuters.

VEJA TAMBÉM: Confiança da indústria no Brasil em março é a menor em 7 meses

O resultado divulgado hoje (1) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) interrompe nove meses de ganhos, período em que a produção acumulou alta de 41,9%.

O setor está agora 13,6% abaixo do patamar recorde alcançado em maio de 2011 e 2,8% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020.

Na comparação com fevereiro de 2020, a produção teve alta de 0,4%, sexta taxa positiva consecutiva, mas bem abaixo da expectativa de um ganho de 1,5%.

“Nos últimos meses nós já vínhamos observando uma mudança de comportamento nos índices da indústria, que, embora ainda estivessem positivos, já apresentavam uma curva decrescente, demonstrando um arrefecimento”, disse o gerente da pesquisa, André Macedo.

“Temos um conjunto de fatores para explicar: recrudescimento da pandemia que traz restrições de mobilidade, de produção e turnos de trabalho. E tem desabastecimento ou encarecimento da produção com custos maiores”, completou.

Depois das fortes perdas registradas entre março e abril do ano passado devido às medidas de contenção ao coronavírus, a indústria brasileira entrou em ritmo de recuperação.

LEIA TAMBÉM: Selic teria que subir para 6,5% em 2021 para garantir meta de inflação de 2022, diz BNP Paribas

Entretanto, esse cenário está agora ameaçado devido ao recrudescimento da pandemia no país, com recordes seguidos de mortes e medidas mais duras de isolamento adotadas em muitas localidades.

Em fevereiro, o IBGE indicou que as perdas foram disseminadas. As maiores influências negativas no mês foram as atividades de veículos automotores, reboques e carrocerias (-7,2%) e de indústrias extrativas (-4,7%).

“O ramo de veículos vem sendo muito afetado pelo desabastecimento de insumos e matérias-primas. Mesmo assim, a produção de caminhões vem tendo resultados positivos. Porém, a de automóveis e autopeças vem puxando o índice geral para o campo negativo”, explicou Macedo.

Entre as grandes categorias econômicas, a maior perda foi registrada por bens de consumo duráveis, de 4,6%. A produção de bens de capital caiu 1,5% e a de bens de consumo semiduráveis e não duráveis recuou 0,3%.

O único sinal positivo foi apresentado por bens intermediários, com ganho de 0,6% na produção.

O setor industrial depende agora, também, da melhora do mercado de trabalho, bem como do cenário inflacionário e da retomada do auxílio emergencial, que ajudou na recuperação do setor no ano passado.

“Muitos desempregados e uma inflação mais alta são itens que fazem parte desse cenário que impacta o desempenho da indústria e da economia em geral”, André Macedo.

“O cenário para a frente é de restrições e perdas para o ritmo da produção, só não sabemos quanto isso vai alcançar”, completou.

A pesquisa Focus mais recente do BC realizada com uma centena de economistas mostra que a expectativa é de uma alta de 5,24% da produção industrial em 2021, com a economia crescendo 3,18%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).