Global 2000: os maiores hotéis, restaurantes e empresas de lazer de capital aberto do mundo

SOPA Images/Getty Images
SOPA Images/Getty Images

A franquia de hotéis Marriott International caiu mais de 400 colocações na Global 2000, ficando com a posição 868

O início da pandemia foi uma catástrofe imprevista para a indústria do turismo global. Portanto, não é de se surpreender que a maioria dos grandes nomes dos setores de hotéis e navios de cruzeiro despencou centenas de posições no ranking anual da Forbes das maiores empresas de capital aberto do mundo.

A Marriott caiu mais de 400 colocações na nova lista Global 2000, caindo para a posição 868. A Hilton caiu mais de 700 para a 1541ª colocação. A Carnival caiu das 500 primeiras posições no ano passado para a posição 1.114 este ano. Royal Caribbean, MGM Resorts e Las Vegas Sands não se saíram melhor, despencando em nossas classificações, que são baseadas em uma pontuação composta de medidas igualmente ponderadas de receita, lucros, ativos e valor de mercado.

LEIA TAMBÉM: Cobertura “mal-assombrada” em Nova York está à venda por US$ 38 milhões

“A Covid-19 impactou nossos negócios de uma forma que nunca imaginamos”, disse a presidente da Marriott, Stephanie Linnartz, na última teleconferência de resultados da empresa. Ela passou a descrever 2020 como “de longe o ano mais desafiador da história da nossa empresa”.

Os últimos relatórios de ganhos de toda a indústria revelam a extensão dos danos. A Marriott reportou um prejuízo líquido de US$ 128 milhões com receita de quase US$ 2,2 bilhões durante os nove meses finais de 2020, muito longe do lucro líquido de US$ 274 milhões e receita de US$ 5,4 bilhões durante o mesmo período em 2019. Os números foram ainda mais severos na indústria dos cruzeiros. A Royal Caribbean teve um prejuízo líquido de US$ 5,8 bilhões em 2020, após gerar uma receita de US$ 1,9 bilhão no ano anterior.

No entanto, o pior ficou no passado. As previsões econômicas na indústria do turismo estão se tornando otimistas, graças ao aumento constante das taxas de vacinação e uma ânsia dos consumidores em retornar a algo próximo da normalidade. A Carnival, por exemplo, informou que seu volume de reservas no primeiro trimestre de 2021 foi 90% maior do que no último trimestre de 2020.

Ao traçar planos para a recuperação, porém, os investidores parecem mais otimistas em relação às empresas hoteleiras do que às de navios de cruzeiro. Marriott, Hilton e MGM Resorts viram os preços de suas ações atingirem o pico de uma década nas últimas semanas. Enquanto isso, as ações da Carnival e da Royal Caribbean ainda estão sendo negociadas com um desconto de, pelo menos, 35% em comparação com suas máximas em janeiro de 2020.

No caso de hotéis, restaurantes e lazer, as principais mudanças trazidas pela pandemia também são a força motriz por trás de três novas chegadas no Global 2000 deste ano.

VEJA MAIS: Global 2000: Nestlé ocupa topo no setor de alimentos e PepsiCo é a maior em bebidas com a ajuda de lanches

As empresas de cassino e jogos Flutter Entertainment, Evolution Gaming e Penn National Gaming se beneficiaram de uma explosão recente na atividade de jogos de azar online, atribuída em parte a um dos mesmos fatores que impulsionam um aumento contínuo no day-trading – ou seja, o surgimento repentino de pessoas entediadas e reprimidas dentro de casa sem nada para fazer.

A Flutter é uma empresa irlandesa, fundada em 2016 por meio da fusão da Paddy Power e da Betfair, que inclui, atualmente, as marcas FanDuel e PokerStars. Depois de mais do que dobrar sua receita entre 2019 e 2020, ela estreia na 1.180ª posição na lista deste ano. A Evolution, especializada em ofertas de cassino online, chega ao número 1.635 depois de aumentar sua receita em 53% e seu lucro em 90%.

“Terminamos 2020 em alta”, disse o CEO da Evolution, Martin Carlesund, quando a empresa divulgou sua atualização financeira de final de ano, apresentando dados muito diferentes da Linnartz da Marriott. “Estou particularmente satisfeito por continuarmos a ver um ímpeto positivo no número de jogadores e nos níveis de envolvimento.”

Enquanto as empresas de turismo caíram no ranking Global 2000 e as de jogos de azar online dispararam na lista, algumas das maiores marcas de fast-food do mundo se contentaram em pequenos progressos A pandemia levou a fechamentos em massa e demissões em grande parte da indústria de restaurantes, mas nomes como McDonald’s, YUM! Brands e Chipotle foram capazes de evitar o pior dos danos direcionando seu foco para pedidos drive-thru e entrega.

O McDonald’s está em 201º lugar na lista deste ano, posição mais alta entre as empresas do setor de hotéis, restaurantes e lazer. A receita anual caiu 14% em 2020, em relação ao ano anterior. Mas isso parece ser só um contratempo: as vendas da companhia no primeiro trimestre de 2021 ultrapassaram as cifras do mesmo período de 2019.

LEIA TAMBÉM: Fortuna de Melinda French Gates vai a US$ 3,3 bilhões após nova transferência de ações em acordo de divórcio

Além de seus recentes investimentos em tecnologia e uma nova abordagem de entrega e pedidos online, o CEO Chris Kempczinski citou o modelo baseado em franquia da empresa como uma razão para sua resiliência em sua última divulgação de lucros.

“É difícil imaginar como teríamos nos adaptado às circunstâncias em constante mudança do ano passado se não fossemos um sistema de propriedade local e administrado localmente, enraizado nas comunidades onde operamos”, disse ele.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).