Remessas para nações em desenvolvimento mostraram resiliência em 2020, diz Banco Mundial

Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

O Banco previu que as remessas, que caíram 4,8% durante a crise financeira de 2009, subirão 2,6% em 2021

As remessas de cidadãos que trabalham no exterior para países de baixa e média renda se sustentaram inesperadamente bem em 2020, superando os investimentos estrangeiros diretos e a ajuda externa ao desenvolvimento, mostrou um relatório do Banco Mundial hoje (12).

Eles caíram apenas 1,6%, para US$ 540 bilhões, disse o relatório, apoiados por estímulos fiscais em países que hospedam trabalhadores migrantes, uma mudança nos fluxos de dinheiro para o digital e – com menos pessoas viajando devido à pandemia de coronavírus – mais dinheiro enviado por via formal em vez de canais presenciais.

LEIA TAMBÉM: Banco Mundial destinará U$2 bilhões para vacinas a países em desenvolvimento até final de abril

Há um ano, o Banco previu uma queda nos salários e empregos dos migrantes no exterior e uma queda de cerca de 20% no que se tornou uma fonte de recursos cada vez mais vital, à medida que governos e famílias em países mais pobres lutam para arcar com o custo financeiro da pandemia.

“A resiliência dos fluxos é notável. As remessas estão ajudando a atender à crescente necessidade de sustento das famílias”, disse Dilip Ratha, principal autor do relatório.

Em contraste, o IED (Investimento Estrangeiro Direto) em países de baixa e média renda, excluindo a China, caiu mais de 30% em 2020, disse o relatório.

O Banco previu que as remessas, que caíram 4,8% durante a crise financeira de 2009, subirão 2,6% em 2021 e 2,2% em 2022, impulsionadas por uma recuperação esperada no crescimento global.

O crescimento dos fluxos de remessas em 2020 foi mais forte na América Latina e Caribe, com alta de 6,5%, enquanto caiu no Leste Asiático e região do Pacífico, Europa e Ásia Central e na África Subsaariana – incluindo uma queda de 28% na Nigéria, dominada por problemas monetários após uma queda nos preços do petróleo.

O Banco Mundial disse acreditar que o verdadeiro tamanho das remessas, incluindo fluxos informais, é maior do que o relatado oficialmente, e pediu uma melhor coleta de dados. (Com Reuters)



Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).