Usiminas tem lucro recorde no 2º trimestre com forte desempenho operacional, alta de preços e crédito fiscal

Lucro refletiu resultado operacional forte e preços maiores, além do crédito fiscal e ganhos cambiais.

Redação
Compartilhe esta publicação:

Divulgação/ForbesA Usiminas teve lucro trimestral recorde no segundo trimestre, reflexo de resultado operacional forte e preços maiores, bem como crédito fiscal e ganhos cambiais, segundo dados divulgados pela empresa hoje (30).

Acessibilidade


O lucro no período de abril a junho somou R$ 4,5 bilhões, revertendo o prejuízo de R$ 395 milhões no mesmo intervalo do ano passado, quando vigoravam medidas mais restritivas relacionadas à pandemia de Covid-19. Na comparação com o primeiro trimestre deste ano, houve um salto de 277%.

LEIA TAMBÉM: Minério de ferro despenca diante de perspectivas negativas para demanda chinesa

O volume de vendas de aço atingiu 1,3 milhão de toneladas, maior nível desde o terceiro trimestre de 2014 e mais do que dobrando em relação ao segundo trimestre do ano passado. Frente ao primeiro trimestre de 2021, significou acréscimo de 5%.

A companhia espera que o volume de vendas aço pela unidade de siderurgia fique entre 1,2 milhão e 1,3 milhão de toneladas no terceiro trimestre.

As vendas de minério de ferro cresceram 8% ano a ano e 5% na base trimestral, para 2 milhões de toneladas, maior volume desde o primeiro trimestre de 2014. A empresa estima fechar o ano com volume de vendas de minério de ferro de 9 milhões de toneladas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A receita líquida alcançou R$ 9,6 bilhões, recorde trimestral, com alta de 296% em relação ao mesmo período do ano passado e de 36% frente ao primeiro trimestre, com destaque para siderurgia, reflexo de maiores preços praticados em todas as linhas de produtos.

O Ebitda ajustado também foi recorte, somando R$ 5 bilhões de reais. Um ano antes, a companhia havia registrado Ebitda de apenas R$ 192 milhões. Ante o primeiro trimestre, representou alta de 109%. A margem Ebitda ajustado cresceu 45 pontos percentuais ano a ano e 19 pontos no trimestre, para 53%.

No caso de efeitos não recorrentes, a companhia relatou reconhecimento de crédito fiscal de R$ 1,5 bilhão no período relativo à exclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins.

LEIA TAMBÉM: Lucro da Isa Cteep cai 73% no 2º trimestre para R$ 248 milhões

Os investimentos no segundo trimestre totalizaram R$ 335 milhões, montante 40,5% superior ao primeiro trimestre, sendo 81,4% na unidade de siderurgia e 18,2% na unidade de mineração. Um ano antes, o capex somou R$ 193 milhões. Para 2021, a companhia tem estimativa de capex de R$ 1,5 bilhão.

O indicador dívida líquida/Ebitda encerrou o segundo trimestre negativo em 0,02 vez, de 0,33 vez no primeiro trimestre. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: