"Viúva Negra" ajudou Disney a arrecadar US$ 125 milhões em receitas online

Scarlett Johansson processou a companhia por violação do contrato ao exibir o filme em streaming e nos cinemas ao mesmo tempo

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Filme “Viúva Negra”, protagonizado pela atriz Scarlett Johansson

Acessibilidade


A Walt Disney argumentou em meio a processo judicial na última sexta-feira (20) que arrecadou US$ 125 milhões em receitas online com o filme de super-herói da Marvel “Viúva Negra”, três semanas depois de ser processada pela estrela do longa-metragem Scarlett Johansson.

A atriz processou a Disney no mês passado, alegando que a empresa violou o contrato ao oferecer o filme em streaming ao mesmo tempo em que passava nos cinemas.

LEIA TAMBÉM: O que o lançamento do iPhone 13 significa para as ações da Apple

A multinacional de entretenimento rebateu o pedido de Johansson por um julgamento civil em Los Angeles, requisitando que o processo fosse enviado para arbitragem em Nova York.

O processo de Johansson, apresentado no Tribunal Superior de Los Angeles, argumentou que a estratégia de liberação dupla de “Viúva Negra” havia reduzido sua remuneração.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Disney rebateu dizendo que “não havia mérito” no processo, acrescentando que o lançamento online do filme “aumentou significativamente a capacidade dela (Johansson) de ganhar uma remuneração adicional além dos US$ 20 milhões que ela recebeu até o momento”.

O resultado do processo pode ter desdobramentos maiores na indústria do entretenimento, à medida que as empresas de mídia tentam construir seus serviços de streaming oferecendo programação premium na atração de assinantes. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: