Déficit orçamentário dos EUA cai em agosto com recuperação de receitas

O saldo do mês anterior foi de US$ 171 bilhões, valor 15% menor que o de US$ 200 bilhões de um ano atrás.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Yuriko Nakao/Reuters
Yuriko Nakao/Reuters

O saldo do mês anterior foi de US$ 171 bilhões, valor 15% menor que o déficit de US$ 200 bilhões registrado um ano atrás

Acessibilidade


O governo dos Estados Unidos registrou déficit orçamentário de US$ 171 bilhões em agosto, valor 15% menor que o déficit de US$ 200 bilhões de um ano atrás, já que as receitas fiscais impulsionadas pela recuperação cresceram mais rapidamente do que os gastos com programas de alívio aos efeitos da pandemia de Covid-19, informou o Departamento do Tesouro hoje (13).

O saldo de agosto foi US$ 2 bilhões melhor do que a previsão média de analistas consultados pela Reuters. Uma autoridade do Tesouro dos EUA disse que os números não alterariam as estimativas do departamento para o momento em que se esgotarem medidas de financiamento extraordinário para evitar o rompimento do teto da dívida, que está em US$ 28,4 trilhões.

LEIA TAMBÉM: Expectativa de inflação ao consumidor dos EUA vai a máxima em 8 anos, diz Fed de NY

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, pediu na semana passada ao Congresso que aumentasse ou suspendesse o limite da dívida, dizendo que “o dinheiro e as medidas extraordinárias se esgotarão durante o mês de outubro”, deixando o governo incapaz de pagar integralmente suas obrigações.

As receitas em agosto aumentaram 20% em relação ao mesmo período do ano anterior, para US$ 268 bilhões, enquanto as despesas no mês subiram 4%, para US$ 439 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nos primeiros 11 meses do ano fiscal de 2021, o déficit totalizou US$ 2,711 trilhões, queda de 10% frente ao rombo de US$ 3,007 trilhões do mesmo período do ano passado, em meio ao aumento das receitas.

As receitas acumuladas no ano aumentaram 18% em relação ao mesmo intervalo do ano anterior, para US$ 3,586 trilhões, enquanto as despesas cresceram 4%, para US$ 6,297 trilhões. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: