Alphabet tem resultado abaixo do esperado no trimestre e ações despencam

A companhia teve receita de primeiro trimestre US$ 68,01 bilhões (R$ 337 bilhões), alta de 23% ante mesmo período do ano passado.

Reuters
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


A controladora do Google, Alphabet, teve resultado abaixo do esperado por Wall Street, no primeiro balanço trimestral aquém das expectativas desde o início da pandemia, pressionado por redução de investimentos de anunciantes diante do maior receio de uma desaceleração econômica global.

A companhia teve receita de primeiro trimestre US$ 68,01 bilhões (R$ 337 bilhões), alta de 23% ante mesmo período do ano passado, mas abaixo do faturamento esperado em média por analistas do setor, de U$ 68,10 bilhões (R$ 338 bilhões), segundo dados da Refinitiv.

O lucro do trimestre somou US$ 16,43 bilhões (R$ 81 bilhões) ou US$ 24,62 (R$ 122) por ação. Analistas, em média, esperavam lucro de US$ 25,76 (R$ 127) por papel.

As ações da Alphabet caíram 6,5% no pregão estendido após a publicação do resultado.

Os números mostram que o Google está enfrentando dificuldades na última fase econômica da pandemia, que está trazendo elevação de juros, custos maiores e escassez de uma série de produtos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

VEJA TAMBÉM: Google é a marca mais influente do Brasil, diz estudo; Samsung e YouTube completam top 3

A expectativa é que o Google tenha participação de 29%, a maior fatia, do mercado global de publicidade online em 2022, estimado em US$ 602 bilhões (R$ 2,9 trilhões). Se confirmada, será o 12º ano consecutivo de liderança da empresa no setor, segundo a Insider Intelligence.

As ações da Alphabet acumulam queda de mais de 17% neste ano. Mas nos últimos dois anos os papéis tiveram valorização de quase 90%.

A Alphabet recomprou mais de US$ 81 bilhões (R$ 402 bilhões) em ações nos últimos dois anos. Hoje (26), o conselho de administração da empresa autorizou mais US$ 70 bilhões (R$ 347 bilhões) em recompras.

Compartilhe esta publicação: