CEO de 29 anos é a mulher mais jovem a administrar um unicórnio

April Koh criou uma healthtech de saúde mental que passou por duas rodadas de investimento e vale mais de R$ 9 bilhões

Maggie McGrath
Compartilhe esta publicação:

April Koh, CEO e co-fundadora da Spring Health,  e Alam Chekroud, que estuda soluções para saúde mental com uso de tecnologia

Acessibilidade


Durante seus anos de graduação na Universidade de Yale, April Koh aprendeu em primeira mão como pode ser frustrante e caro encontrar ajuda eficaz para problemas mentais. Sua melhor amiga e colega de quarto passou por vários médicos e medicamentos por causa de um distúrbio alimentar e, finalmente, precisou de uma licença para garantir o tratamento. Koh, enquanto isso, estava lidando com seus próprios problemas de saúde mental e lutando para encontrar o tratamento certo.

“O problema mais caro no espaço da saúde mental é a tentativa e erro”, diz Koh. “Houve essa proliferação louca de todos esses aplicativos e soluções que alegavam ajudar as pessoas com sua saúde mental. E não havia orientação sobre qual recurso, qual aplicativo ou qual terapeuta seria melhor para você.”

Leia mais: Startups lideradas por mulheres querem criar leite materno sintético

Convencida de que deveria haver uma maneira melhor de combinar os pacientes com os melhores tratamentos, Koh se uniu a Adam Chekroud, Ph.D. em Yale que, em 2016, publicou uma pesquisa revisada por pares sobre as maneiras pelas quais o aprendizado de máquina pode ajudar a combinar pacientes com os melhores profissionais de saúde para suas necessidades. Nesse mesmo ano, Koh e Chekroud fundaram a Spring Health, uma plataforma que usaria “saúde mental de precisão” para resolver o problema que Koh e sua melhor amiga enfrentaram.

Avaliação de US$ 9,7 bilhões

Cinco anos depois, Koh (CEO da Spring) e Chekroud (presidente da Spring) guiaram a startup ao status de unicórnio: a empresa anunciou que garantiu uma rodada de financiamento da Série C de US$ 190 milhões (R$ 919 milhões) com uma avaliação de US$ 2 bilhões (R$ 9,7 bilhões). A rodada foi liderada pelo investidor em saúde Kinnevik; a seguradora Guardian Life ingressou como um novo investidor, enquanto os investidores existentes – incluindo Tiger Global, Rethink Impact e Work-Bench – também participaram.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Leia mais: Inscreva-se para a seleção da lista Under 30 2022

O aumento também significa que Koh, 29, agora é a CEO mais jovem de uma startup bilionária. 

“Foi uma rodada incrivelmente competitiva”, disse Koh à Forbes, observando que ela tinha ofertas de avaliação mais altas de alguns dos maiores fundos do mundo, mas recusou porque preferia a experiência em saúde de Kinnevik. “E isso reflete nosso incrível crescimento no ano passado, especialmente, mas também nos últimos anos.”

O crescimento ao qual Koh se refere foi lento e constante durante a maior parte da existência da empresa: depois de incorporar a Spring Health em 2016, Koh e Chekroud passaram dois anos trabalhando na ciência e construindo o plano de negócios. Em 2018, a equipe da Spring havia publicado 15 artigos revisados ​​por pares sobre sua metodologia e estava começando a lançar seus serviços para grandes empregadores. A teoria de Koh era que oferecer os algoritmos e serviços de correspondência da Spring como um benefício para os funcionários seria a melhor maneira de alcançar a maioria das pessoas que precisavam de ajuda com sua saúde mental. Mais tarde naquele ano, Koh, Chekroud e seu terceiro cofundador, Abhishek Chandra, desembarcaram na lista Forbes 30 Under 30. 

Entre 2018 e 2020, a hipótese de Koh de que a Spring seria um benefício atraente para os funcionários se mostrou correta, com empresas como Whole Foods, Equinox e Gap assinando como clientes. Em 2020, a pandemia de coronavírus e a epidemia de saúde mental associada turbinaram os negócios: no início daquele ano, a Spring levantou uma rodada de financiamento da Série A de US$ 22 milhões (R$ 106 milhões), seguida por uma Série B de US$ 76 milhões (R$ 367 milhões) em novembro. E, agora, uma Série C.

Koh disse à Forbes que suas intenções para a nova rodada de capital são duplas: levar a Spring Health ao nível global e oferecer seus serviços a toda a família de um funcionário. “Temos aconselhamento de relacionamento, temos cuidados de saúde mental pediátrica, temos coaching para pais. Já temos todas essas peças diferentes no lugar, e agora estamos no processo de construir uma plataforma onde as famílias podem experimentar juntos o Spring Health”, explicou ela.

Embora a Spring não divulgue publicamente seu modelo completo de preços, Koh diz que os empregadores geralmente podem esperar pagar de US$ 100 a US$ 150 (R$ 483 a R$ 725) por funcionário por ano. O que os funcionários individuais acabam pagando pelo tratamento depende um pouco do tratamento – os algoritmos da Spring podem combinar as pessoas com qualquer coisa, desde meditação e terapia cognitivo-comportamental autoguiada até terapeutas licenciados e gerenciamento de medicamentos – e a cobertura de seus planos de saúde. A Spring trabalha com os empregadores para entender esses planos de seguro para que, quando um funcionário estiver procurando por um tratamento, as opções que eles vejam sejam em grande parte na rede e não fora do bolso. Este é um passo crucial para expandir o acesso à saúde mental, já que cerca de 112 milhões de americanos vivem em áreas onde a saúde mental já é escassa e apenas 56% dos psiquiatras aceitam seguro comercial.

Stress leva ao afastamento do trabalho

“Tecnologia para os 99% é um grande negócio. E, neste caso, os empregadores se importam porque isso importa para seus resultados”, diz Jenny Abramson, fundadora e sócia-gerente da ReThink Impact, que investiu nas rodadas de financiamento das Séries A, B e C da Spring. “Vimos que 7% dos funcionários foram hospitalizados por causa do estresse no local de trabalho – esse número pode mudar de ano para ano, mas mais ou menos – e 50% dos funcionários estão perdendo tempo no trabalho por causa do estresse. Isso é um problema enorme.”

Chris Brunson, vice-presidente de recompensas totais da General Mills, também viu essas estatísticas e sabe que os programas tradicionais de assistência aos funcionários têm um uso muito baixo em toda a força de trabalho (em alguns casos, apenas 1% a 5%). É por isso que, em janeiro, ele e sua equipe apresentaram a Spring aos 35.000 funcionários da empresa. Brunson disse que o interesse dos funcionários na Spring foi “imediato” e generalizado em todos os tipos de empregos da General Mills.

“Você sabe, é fácil se concentrar em uma sede corporativa, mas somos uma organização de fabricantes. A grande maioria de nossos funcionários está fora dos locais de fabricação. Precisávamos de uma solução que fosse escalável e implantável em nossa rede de funcionários”, disse ele. Brunson disse que a General Mills anunciou a Spring por meio de mala-direta com QR codes, permitindo que os trabalhadores se inscrevessem na Spring por conta própria e sem precisar passar por um gerente ou RH. Uma vez que um trabalhador é combinado com um prestador de cuidados ou tratamento, ele pode ver essa pessoa dentro de dois dias. Koh diz que a Spring nunca excedeu um tempo de espera de dois dias para ver um provedor, o que é uma melhoria significativa em relação à espera de 20 a 30 dias que é típica.

Koh está se permitindo um breve momento de reflexão depois de completar a Série C—“É um privilégio extraordinário, e estou orgulhosa disso”, diz ela sobre sua recém-descoberta distinção como a mais jovem CEO unicórnio feminina—mas ela também está focada no futuro. No curto prazo, ela diz, seu objetivo é um IPO.

“Trata-se menos de IPO”, disse ela, “e mais de estabelecer a Spring Health como uma empresa duradoura de consequências que tem o maior impacto possível na saúde mental”.

 

Inscreva-se para Forbes Under 30 aqui

 

Compartilhe esta publicação: