Danos sofridos pelo telescópio Webb são piores do que previsto

Desde o lançamento, o equipamento foi atingido por cinco micro meteoroides que causaram danos irreparáveis

Jamie Carter
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

O Telescópio Espacial James Webb (JWST ou Webb), ilustração 3D.

Acessibilidade


Os cientistas estão relatando que os danos sofridos no Telescópio Espacial James Webb (JWST) durante um ataque de micro meteoroides no final de maio de 2022 podem ser piores do que se pensava. Em um novo artigo publicado após as incríveis primeiras imagens de Webb na semana passada, um grupo de cientistas descreveu o desempenho do telescópio espacial durante sua fase de comissionamento. Eles relataram problemas que “não podem ser corrigidos”, bem como um “pequeno efeito no rendimento do telescópio, que ainda não é mensurável”.

Escrevendo sobre a vida útil projetada do telescópio Webb, o relatório disse: “atualmente, a maior fonte de incerteza são os efeitos de longo prazo dos impactos de micro meteoroides que degradam lentamente o espelho primário”. Como relatado anteriormente, o espelho primário de 6,5 metros do Webb compreende 18 segmentos de berílio-ouro. Um deles, chamado C3, foi atingido por pequenas partículas de poeira entre 23 e 25 de maio de 2022. Desde o lançamento, Webb foi atingido por cinco outros micro meteoroides menores. 

“Após as avaliações iniciais, a equipe descobriu que o telescópio ainda está funcionando em um nível que excede todos os requisitos da missão”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Diretoria de Missões Científicas da NASA, em um tweet após o ataque do C3. No entanto, o novo relatório sugere que os danos ao segmento C3 podem ser mais graves do que se pensava inicialmente.

“Dos seis ataques de micro meteoroides detectados até agora através da detecção de frente de onda, cinco tiveram efeitos insignificantes”, diz o relatório. A detecção de frente de onda refere-se às distorções encontradas na ótica do Webb. “Por outro lado, o micro meteorito que atingiu o segmento C3 no período de 22 a 24 de maio de 2022 UT causou uma mudança incorrigível significativa na figura geral desse segmento.”

Leia mais: Brasileira que descobriu asteroide fala sobre a ida à Nasa

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Além disso, o relatório disse que este evento “excedeu as expectativas pré-lançamento de danos para um único micro meteoroide, desencadeando mais investigações e modelagem pelo Projeto JWST”. Embora possa ter propulsor suficiente para durar 20 anos – uma década a mais do que o esperado anteriormente – os engenheiros que projetaram o Webb sabem que seus espelhos e proteção solar inevitavelmente irão se degradar lentamente de impactos de micro meteoroides. Também é esperado que os detectores do Webb sejam gradualmente danificados por partículas carregadas, enquanto sua proteção solar e o inovador isolamento de cinco camadas irão se degradar devido ao intemperismo espacial.

Uma vez que seu espelho está exposto a ataques de micro meteoroides espaciais é difícil para o Webb evitar. “Inevitavelmente, qualquer espaçonave encontrará micrometeoróides”, diz o relatório, que descreve “seis deformações localizadas na superfície do espelho primário que são atribuídas ao impacto de micrometeoróides”. O “impacto C3” foi um acaso? “Ainda não está claro se o impacto de maio de 2022 no segmento C3 foi um evento raro ou se o telescópio pode ser mais suscetível a danos por micro meteoroides do que a modelagem pré-lançamento previa”, disse o relatório.

Espera-se que tenha sido apenas um evento que ocorre uma vez em vários anos, mas a equipe agora investigará a população de micro meteoroides nas proximidades do Webb, como os impactos afetam os espelhos de ouro-berílio e como isso mitiga novos ataques. Uma possível solução poderia ser minimizar o tempo gasto olhando na direção do movimento orbital, que estatisticamente tem taxas e energias de micro meteoroides mais altas, disse o relatório.

Um telescópio espacial de US$ 10 bilhões que vê no infravermelho, o Webb foi lançado no dia de Natal de 2021 e desde fevereiro orbita o ponto L2 a cerca de 1,6 milhão de quilômetros da Terra.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: