Livro revela os carros preferidos dos colecionadores: Ferraris, Bugattis e Lamborghinis raros e exóticos estão na lista

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Livro de carros ‘Ultimate Collector Cars’ por Charlotte e Peter Fiell é publicado pela Taschen

Cem dos carros a motor mais raros, criativos, artísticos, esculturais e emocionantes da história estão reunidos nas páginas de um novo livro de volume duplo. De autoria do casal Charlotte e Peter Fiell, “Ultimate Collector Cars” apresenta os veículos clássicos e contemporâneos mais importantes do mundo, quase todos em coleções particulares, fazendo raras aparições no Concours d’Elegance, Villa d’Este e outros eventos luxuosos.

Desde o impressionante Bugatti Type 57SC de 1936 e o Ferrari 250 Testa Rossa de 1957, o espetacular (e meu favorito) Lamborghini Countach de 1973 do brilhante Marcello Gandini de Bertone, até os atuais hipercarros McLaren Speedtail e Aston Martin Valkyrie, o que é evidente é que cada um desses carros é um projeto artístico que desafia a imaginação. À medida que entramos na nova era do automóvel, este livro informativo e muito bem ilustrado é uma nota de amor oportuna para os carros. Conversei com os autores sobre o projeto e como decidiram a coletânea.

LEIA TAMBÉM: BMW começa a vender no Brasil o tecnológico M440i Coupé, por R$ 575 mil

Forbes: O livro é claramente um trabalho de amor. Qual foi o processo de seleção dos 100 melhores carros de colecionador de um arquivo tão rico?

Charlotte Fiell: Sim, foi um trabalho de amor completo e muito trabalho. Foi difícil fazer nossa lista final, pois havia tantos aspectos diferentes para avaliar – da raridade e importância à estética e proveniência. Quanto mais nos aprofundamos no assunto, mais descobrimos, fazendo ajustes de seleção conforme o projeto evoluía. Também sabíamos que queríamos que nossa seleção abrangesse toda a história do automóvel moderno, para que pudéssemos refletir sua evolução, que teve grande influência nos modelos que finalmente escolhemos.

Peter Fiell: A lista original diverge significativamente de nossa seleção final, uma vez que a ajustamos conforme avançávamos. O processo envolveu vasculhar os leilões de carros mais importantes que ocorreram nos Estados Unidos e na Europa nos últimos 15 anos, pesquisar o conteúdo de museus automotivos, investigar várias coleções particulares importantes e participar de vários eventos, desde Pebble Beach Concours d’Elegance ao Goodwood Revival. A seleção final é o que consideramos ser os 100 dos carros mais raros, desejáveis, valiosos e espetaculares de todos os tempos.

F: Acho que a jornada de escrever um livro é a parte mais emocionante do projeto quando você encontra materiais novos e inesperados. Conte-me sobre a aventura de vocês …

CF: Um dos maiores aprendizados é o quão crucial é o espírito de competição para impulsionar a inovação e como corridas importantes como Mille Miglia e 24 Horas de Le Mans inspiram designers e engenheiros a colocarem um esforço extra para ter uma chance de vencer. Quanto aos detalhes, adorei algumas das notáveis histórias de sobrevivência que descobrimos. Por exemplo, o Rolls-Royce Phantom 1 1925/32, com sua extraordinária carroceria aerodinâmica de Jonckheere, acabou sendo pintado de ouro para se tornar uma espécie de atração de parques de exposição. Ou o fato de que o Porsche Type 64 foi escondido pela família Porsche durante a guerra, apenas para ser descoberto pelas tropas aliadas que prontamente arrancaram seu teto e o jogaram no chão – embora um número suficiente de seus componentes-chave tenha sobrevivido para permitir uma posterior restauração completa.

VEJA MAIS: Ferrari nomeia executivo do setor de tecnologia para era de carros elétricos

F: Tendo começado a escrever com base na história do design, e vendo o carro no contexto mais amplo da teoria do design e da história social. Como colegas historiadores do design, você acha que oferece uma nova perspectiva ao falar sobre carros e design de veículos?

CF: O design de um carro nunca surge de um vazio cultural ou socioeconômico. Portanto, é importante entender o contexto a partir do qual qualquer projeto de carro surgiu, pois só assim se poderá realmente avaliar sua importância histórica de forma adequada. Como historiadores do design, temos uma compreensão ampla do contexto histórico, o que nos permite escrever sobre o design automotivo de uma perspectiva muito diferente. Ajuda-nos a juntar os pontos de uma forma que talvez alguém que é apenas um especialista em automóveis não consiga.

F: Seus livros anteriores cobriram principalmente design de interiores e móveis. O que o atraiu a embarcar no automóvel e em tamanha escala?

PF: Somos entusiastas de automóveis e seguidores de competições automotivas e, ao longo dos anos, acumulamos um grande conhecimento. O mesmo vale para aeronaves, trens, motocicletas e bicicletas – todos com design de transporte. Nós também fomos capacitados na Sotheby’s, então temos acompanhado de perto o mercado de carros de colecionador desde o final dos anos 1980, testemunhando sua notável trajetória de montanha-russa, bem como os preços vertiginosos.

F: À medida que lentamente chegamos a um acordo sobre os buracos na história e começamos a tecer a narrativa feminina, seu livro anterior, “Mulheres no Design”, coescrito com sua filha Clementine, parece particularmente oportuno. Gostei, especialmente, do capítulo sobre as mulheres que ajudaram a desenvolver o design de carros.

CF: Queríamos que fosse um livro aspiracional para mulheres jovens que estudassem ou considerassem o design. Eu estava determinada a enfatizar que nenhum campo do design deveria ser fechado para as mulheres e que as designers mulheres podem dar contribuições valiosas em todos os aspectos da profissão. Houve inúmeras histórias inspiradoras de mulheres que, contra todas as probabilidades, conseguiram criar trabalhos significativos.

F: Você tem algum exemplo interessante na esfera automotiva?

CF: Durante a década de 1950 e trabalhando provavelmente na área de design mais dominada por homens, as “Donzelas do Design” da General Motor introduziram inúmeras inovações, incluindo travas à prova de crianças e cintos de segurança retráteis. Ou Mimi Vandermolen que quebrou completamente a barreira do design automotivo ao se tornar a primeira executiva de design do sexo feminino na indústria automotiva e pioneira na “revolução de ponta arredondada” da Ford no início dos anos 1990.

LEIA TAMBÉM: Inspirado na Armada Espanhola, iate Galeão é diferente de tudo o que você já viu

F: Os carros são alguns dos produtos mais complexos e sua história revela muito sobre evoluções e revoluções no design e na tecnologia, nas mudanças sociais e nos hábitos de consumo. O que você mais aprendeu ao criar o livro “Ultimate Collector Car”?

PF: O mais importante que aprendemos foi como, desde o início do automóvel até os dias atuais, o espírito de competição tem impulsionado os avanços mais relevantes em design e tecnologia automotivos. Um de nossos entrevistados, o dr. Fred Simeone, lança uma luz tremenda sobre isso com seu premiado Simeone Foundation Automotive Museum sendo baseado neste tema. Depois da Ferrari, o maior número de referências no livro é para as 24 Horas de Le Mans, porque muitos dos carros que aparecem são carros de corrida ou carros de estrada que foram homologados em carros de corrida. Frequentemente, esses são os carros mais famosos, cobiçados e colecionáveis que existem.

F: À medida que entramos na nova era automotiva, despedindo-nos do motor de combustão interna e abrindo caminho para um transporte mais inteligente e limpo, quais são os desafios e oportunidades para o design de automóveis?

CF: Com certeza, o mundo do design automotivo está passando por uma mudança sísmica e, de muitas maneiras, nosso livro está documentando a história de uma espécie em breve ameaçada de extinção. Dito isso, sou um tecno-otimista completo e acredito que novos materiais e tecnologias continuarão a fornecer um transporte mais seguro e limpo. Isso é uma coisa boa, mesmo que a experiência real de dirigir um carro possa não ser tão empolgante quando se é efetivamente um passageiro sendo conduzido por um robô. Eu posso ver o lado positivo das novas tecnologias de automóveis autônomos, especialmente quando se trata de uma população cada vez maior de idosos.

PF: Quanto à morte do motor de combustão interna, bem, não andamos mais de cavalos e carruagens, mas ainda temos corridas de cavalos. Então, eu não vejo a morte absoluta do motor de combustão por um bom tempo ainda.

Veja, na galeria de fotos abaixo, os principais carros de luxo do livro “Ultimate Collector Cars”:

  • Lamborghini Miura P400 SVJ 1971 apresentado em ‘Ultimate Collector Cars’ da Taschen

    Reprodução/Forbes
  • Ferrari 250 Testa Rossa 1957

    Reprodução/Forbes
  • Cockpit do carro de corrida Mercedes Grand Prix de 1914

  • Hipercarro Aston Martin Valkyrie 2020

    Reprodução/Forbes
  • Bugatti Type 57SC Atlantic 1936

    Reprodução/Forbes

Lamborghini Miura P400 SVJ 1971 apresentado em ‘Ultimate Collector Cars’ da Taschen

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).