Caixa deixa IPO do braço de cartões para 2020

Pilar Olivares/Reuters
A Caixa pretendia realizar o IPO das duas unidades ainda neste ano

A Caixa Econômica Federal deixará para 2020 a listagem em bolsa de sua unidade de cartões, enquanto se concentra na abertura de capital da subsidiária de seguros e se prepara para desinvestir do Banco Pan.

LEIA MAIS: Caixa cria crédito imobiliário por IPCA e Bradesco estuda

“Não faz sentido levar duas operações desses portes ao mercado quase simultaneamente”, disse o presidente-executivo da Caixa, Pedro Guimarães, a jornalistas durante apresentação dos resultados do segundo trimestre.

Inicialmente, a Caixa pretendia realizar a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) das duas unidades ainda neste ano, mas de acordo com Guimarães a adequação a normas de reguladores está tomando mais tempo do que o previsto.

Mais adiante, o banco estatal também deve listar na bolsa as unidades de loterias e de gestão de recursos.

Antes da listagem da Caixa Seguros, o banco estatal pretende concluir a formação de 11 joint ventures nos próximos dois meses, disse Guimarães. A Caixa também espera concluir em breve parceria na área de cartões. Entre outros objetivos, o banco quer habilitar lotéricas para aceitar compras pagas com cartões.

Guimarães indicou ainda que a Caixa venderá sua participação no Banco Pan por meio de uma oferta de ações. “A participação da Caixa no Banco Pan não é estratégica”, afirmou ele, ressalvando não ter pressa para fazer o desinvestimento.

RESULTADO

A Caixa anunciou pela manhã que teve lucro líquido de R$ 4,21 bilhões no segundo trimestre, alta de 21,6% ante mesma etapa do ano passado.

VEJA TAMBÉM: Caixa levanta R$ 7,3 bi com venda de fatia na Petrobras

O banco fechou junho com uma carteira de crédito de R$ 682,45 bilhões, queda de 1,9% em 12 meses, movimento pontuado pela redução dos empréstimos para empresas.

A provisão para perdas esperadas com calotes em abril e junho foi de R$ 3,4 bilhões, um aumento de 1,7% em 12 meses. O índice de inadimplência, medido pelo saldo de operações vencidas com mais de 90 dias, ficou em 2,46%, ante 2,5% na mesma etapa de 2018.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).