Egito recupera sarcófago roubado que estava em NY

Amr Abdallah Dalsh/Reuters
Sarcófago de Nedjemankh em frente ao ministro das Antiguidade do Egito, Khaled El-Enany, e do encarregado de negócios dos EUA no Cairo, Thomas Goldberger, em museu do Cairo

O Egito exibiu hoje (1) o sarcófago dourado de um antigo sacerdote egípcio que foi devolvido pelo museu Metropolitan, de Nova York, após a descoberta de que havia sido roubado e vendido ilegalmente.

LEIA MAIS: Os 4 museus mais instagramáveis do mundo

O sarcófago decorado tem inscrito o nome Nedjemankh, um sacerdote do deus de cabeça de carneiro Herishef de Heracleópolis, e data do primeiro século antes de Cristo.

O sarcófago ficou enterrado no Egito durante 2 mil anos até ser roubado da região de Minya na esteira da revolta de 2011 que derrubou o líder veterano Hosni Mubarak.

Autoridades dizem que ele foi contrabandeado por uma rede de tráfico internacional através de vários países até ser comprado pelo Metropolitan dois anos atrás por US$ 4 milhões, sem que a instituição tivesse ciência do crime.

O objeto ficou em exibição durante seis meses, até autoridades judiciais apresentarem indícios de que os documentos de posse eram falsos.

“O lado norte-americano foi cooperativo, realizou uma investigação e provou que a peça… foi retirada do Egito ilegalmente e que sua localidade original é a República Árabe do Egito”, disse o ministro de Antiguidades Egípcias, Khaled El-Enany, em uma coletiva de imprensa no Cairo.

O sarcófago de madeira não é grande, mas seu revestimento de ouro tem inscrições de hieróglifos requintadas e incrustações de cristal negro, marfim e lápis-lázuli, disse Mostafa Waziri, secretário-geral do Supremo Conselho de Antiguidades do Egito.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]bes.com.br).