Mercado Livre chega a US$ 1 bilhão em crédito na América Latina

Pedro de Paula, principal executivo do Mercado Crédito no Brasil,

ReutersConnect/Nacho Doce
Pedro de Paula, principal executivo do Mercado Crédito no Brasil, classificou a estrutura de aprovação e de cobrança do Mercado Livre como mais robusta

O Mercado Livre atingiu US$ 1 bilhão em crédito, à medida que o maior portal de comércio eletrônico da América Latina amplia a aposta em serviços financeiros como carro-chefe da expansão do negócio.

Criado há quatro anos, sob guarda-chuva Mercado Pago, braço financeiro do grupo, o braço Mercado Crédito opera no Brasil, na Argentina e no México, tanto com linhas de capital de giro para microempreendedores que oferecem seu produtos no portal como para consumidores que compram em parcelas.

LEIA MAIS: Bilionário vê ações de sua gigante petroleira saltarem em meio ao colapso do mercado

Segundo o Mercado Livre, os empréstimos chegaram a mais de 500 mil empreendedores com valor médio equivalente US$ 1.150. Na outra ponta, os financiamentos atingiram mais de 1 milhão de consumidores, que fizeram compras em prestações sem a necessidade de cartão de crédito, com operações de valor médio equivalente a US$ 50 cada.

No Brasil, a concessão de crédito superou R$ 2,1 bilhões de reais, sendo R$ 1,6 bilhão em capital de giro para empreendedores e cerca de R$ 510 milhões para financiamento de compras entre 2017 a 2019.

No fim de 2019, a carteira ativa de empréstimos do Mercado Crédito equivalia a R$ 213 milhões.

Segundo Pedro de Paula, principal executivo do Mercado Crédito no Brasil, o negócio tem crescido em rentabilidade, à medida que a progressiva melhora na análise de risco das operações e nos serviços de cobrança tem reduzido os indicadores de inadimplência, embora não tenha revelado números. “Nossa estrutura de aprovação e de cobrança está mais robusta”, disse o executivo.

De Paula disse ainda que o Mercado Crédito avalia fazer novas captações de recursos no mercado, a exemplo da operação de R$ 245 milhões num fundo de direitos creditórios (FDIC) em 2018, com foco em empréstimos a microempreendedores.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro diz que coronavírus “não é o que se propaga” e minimiza turbulência nos mercados

Além disso, a divisão pode deslanchar nos próximos meses novas linhas de crédito para consumidores, junto com o Mercado Pago, que tem feito várias parcerias no país para ampliar seu alcance no varejo físico.

Coronavírus

Segundo De Paula, até agora o impacto da epidemia do coronavírus sobre as operações do Mercado Pago foram irrelevantes. O portal tem parte dos produtos anunciados com origem da China, onde a doença surgiu na virada do ano e cujo governo tomou medidas que afetaram operações logísticas para conter a disseminação do vírus. “Até agora, o impacto é muito pequeno para nós”, disse ele.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).