Rodada de investimento da Califia Farms arrecada US$ 225 milhões

Divulgação Califia Farms
A Califia Farms pretende expandir seus mercados e oferecer laticínios veganos para cada vez mais consumidores em potencial

O nome Califia vem originalmente da lenda espanhola da rainha Califia, que governava a mítica ilha da Califórnia. De fato, diz-se que a rainha Califia foi a inspiração do nome do estado dourado nos Estados Unidos. Mas, embora ela possa não ser real, a empresa que colocou seu nome e rosto em suas garrafas certamente é, e eles estão começando a governar o mercado de laticínios à base de plantas.

Curiosamente, a Califia Farms começou como uma empresa de sucos, transformando tangerinas feias em refrescantes bebidas. Eles pretendiam fazer bom uso de frutas imperfeitas que não poderiam ser vendidas para refeições frescas, reduzindo assim o desperdício de alimentos, que é um importante contribuinte para as mudanças climáticas.

LEIA MAIS: Quanto as gigantes de tecnologia gastaram com lobby em 2019

Avançando para hoje, a Califia Farms se tornou a marca mais reconhecível no corredor de laticínios à base de plantas. Recentemente, na rodada de financiamento da Série D, no valor de US$ 225 milhões, liderada pela Qatar Investment Authority (QIA), a Califia está de olho no domínio global. E seu plano é simples: dê aos consumidores o que eles querem.

Atualmente, os consumidores (principalmente as novas gerações) procuram marcas autênticas que as representem. Segundo o The Hartman Group (um grupo de antropologistas, cientistas sociais e analistas de negócios que estudam o comportamento da sociedade), as dietas contemporâneas são personalizadas e tratam de equilíbrio, bem-estar e energia. Bem-estar e energia são abreviações de se sentir mais leve, ter melhor digestão, reduzir a inflamação e, finalmente, se sentir bem e ser feliz. A capacidade de selecionar experiências e produtos que demonstrem sua relevância individual para os consumidores é fundamental para uma maior lealdade.

A Califia se encaixa perfeitamente nessa descrição, pois parece ressoar com uma ampla variedade de culturas, algo que foi feito intencionalmente pela equipe fundadora. Como resultado, a marca se tornou um ponto de entrada amigável para muitos consumidores ansiosos para explorar sua nova mentalidade “curiosa pelas plantas”.

Isso está provando ser uma maneira muito importante de levar mais pessoas a comer de maneira mais saudável e sustentável. Em geral, muitos acreditam que os laticínios à base de plantas são “melhores” para eles, eles só precisam de um motivo para experimentá-los com mais frequência.

Segundo a Califia, o consumidor médio de seus produtos consome carne aproximadamente três vezes por semana e laticínios tradicionais cerca de três vezes ao dia. Portanto, embora muita atenção tenha sido dada às opções alternativas de carne, as de laticínios sinalizam uma oportunidade igualmente importante para reduzir nossa pegada de carbono e romper com o sistema alimentar existente de uma maneira que afeta positivamente o planeta.

Isso é algo importante para os varejistas terem em mente. Marcas como a Califia podem ajudar a impulsionar as vendas na categoria, tornando-se efetivamente um produto de passagem para segmentos mais amplos da indústria. Uma maneira de os varejistas ajudarem nisso seria reduzir a quantidade de suco de laranja e leite comum atualmente nas prateleiras e abrir espaço para produtos de origem vegetal como a Califia. Isso indicaria aos consumidores da próxima geração que eles refletem seus valores e pode ajudá-los a manifestar um desejo crescente de expressar “autocuidado”.

Sustentabilidade

A Califia trabalha principalmente com um produtor e processador de amêndoas chefiado por uma operação familiar de terceira geração em sua cadeia de fornecedores. Segundo a marca, eles usam apenas as práticas de irrigação mais tecnologicamente progressivas e gerenciam suas próprias colmeias para garantir que esses importantes polinizadores prosperem.

LEIA TAMBÉM: EDP Renováveis e Engie firmam joint venture em energia eólica offshore

As abelhas são essenciais para a cadeia de suprimentos da Califia (e muitos alimentos): sem as abelhas, as amendoeiras não podem cultivar amêndoas. A empresa trabalha com seus produtores para proteger as abelhas e optou por trabalhar quase exclusivamente com um fornecedor de amêndoas que possui sua própria operação interna de abelhas para proteger e aumentar a população de abelhas.

Fato pouco conhecido: a agricultura de amêndoa é uma indústria essencial para a saúde das abelhas. A flor de amêndoa é a primeira oportunidade para as abelhas encontrarem forragem todos os anos, o que lhes fornece os alimentos de que precisam para aumentar a população e continuar a polinizar as culturas. Todos nós podemos ajudar a proteger as abelhas plantando mais forragem.

Mais de 80% das compras de amêndoas da Califia são produtos cultivados e processados dentro de um raio de 32 km de suas instalações de engarrafamento. Em 2018, todo o Cold Brew Coffee da empresa será adquirido diretamente de parceiros agricultores da América Central e do Sul e da região de Yirgacheffe, na Etiópia.

Divulgação Califia Farms
A empresa está constantemente em busca de aprimorar sua produção para torná-la mais eficiente

Segundo Eli Steltenpohl, chefe de sustentabilidade da Califia, uma avaliação do ciclo de vida dos produtos da marca confirma que seus leites têm uma “foodprint” (marca na natureza) muito mais leve que o leite. Especificamente:

  • 40% a 90% menos água (diferença da amêndoa à aveia)
  • Mais de 90% menos terra
  • 60% a 80% menos C02e (o spread é majoritariamente pelo formato de embalagem)

As comparações mostram que trocar 1,5 litro de leite produzido nos EUA semanalmente por leite de amêndoa da Califia alcançou uma economia anual de 70 kg de CO2 e 1.700 galões de água. Essencialmente, é um quilo de carbono economizado para cada litro que você bebe.

O objetivo da Califia é fazer a transição para 100% de energia renovável até o final de 2020. Para chegar lá, eles estão encontrando maneiras inovadoras de reduzir o uso de energia e, ao mesmo tempo, aumentar a produção de energia renovável. Eles conseguiram reduzir a quantidade de energia necessária para produzir uma garrafa de leite de amêndoa em 23% entre 2016 e 2017. No próximo ano, instalarão uma enorme matriz solar em sua fábrica para aproveitar a energia do sol da Califórnia.

Somente no ano passado, eles reduziram a quantidade de água necessária para produzir cada garrafa de leite de amêndoa em 16% por meio de um planejamento eficiente de produção. Eles já estão removendo 25% do plástico em suas garrafas e tampas e começaram a testar a transição para o RPET (plástico reciclado). Além disso, a Califia está atualmente trabalhando para obter a Zero Waste Certification (certificado de desperdício zero).

Financiamento de US$ 225 milhões

O financiamento da Série D da Califia é um dos maiores de capital privado já realizados no setor de alimentos naturais. Além da QIA, a rodada foi apoiada por Temasek (empresa de investimentos de US$ 231 bilhões em Cingapura), Claridge (família Bronfman), Green Monday Ventures e uma família sediada na América Latina com grande interesse em café e produtos de consumo. O Barclays era o banco exclusivo para o financiamento.

O novo grupo de investidores assumirá uma participação minoritária na Califia Farms, com representantes da QIA, Temasek e Claridge ingressando no Conselho da empresa, ao lado do fundador Greg Steltenpohl e dos investidores existentes Sun Pacific, Stripes e Ambrosia.

E TAMBÉM: Guia do empreendedor: saiba o que é um MVP

A Califia tem como objetivo expandir ainda mais os mercados internacionais para atender às necessidades do consumidor interessado em produtos naturais em todo o mundo. Aparentemente, a demanda por leite à base de plantas está realmente crescendo rapidamente na Ásia, principalmente por amêndoas.

Esse financiamento fornece à Califia o capital de longo prazo e o apoio global necessário para continuar sua rápida expansão e interrupção dos mercados de laticínios de US$ 1 trilhão e de café pronto para beber e, finalmente, ajudá-los a atingir seu objetivo de governar o mercado de laticínio à base de plantas.

“Estamos construindo uma estação espacial, não um foguete”, diz Steltenpohl com entusiasmo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).