Conheça o TraceTogether, app de monitoramento do coronavírus criado por Singapura

Billy H.C. Kwok/Getty Images
Billy H.C. Kwok/Getty Images

Singapura tem um dos menores números de casos de coronavírus na Ásia

Mesmo estando tão perto de um dos epicentros da doença na Ásia, Singapura está conseguindo manter seu número de casos Covid-19 bem baixo. Uma das principais ferramentas do governo para alcançar esse feito é o TraceTogether, um aplicativo que monitora as ações da população.

O download do aplicativo não é obrigatório, mas de acordo com um post oficial da ministra de relações exteriores de Singapura, Vivian Balakrishnan, mais de 620 mil pessoas já baixaram o TraceTogether –Singapura tem cerca de 5,8 milhões de habitantes. O número pode não parecer muito significativo de primeira, mas enquanto Singapura tem menos de 600 casos registrados, países vizinhos apresentam índices bem maiores. A Malásia, por exemplo, tem mais de 1.300 pessoas infectadas.

LEIA MAIS: Bunkers milionários: o novo jeito de escapar da pandemia

O aplicativo funciona da seguinte forma: o usuário permite o uso constante do bluetooth e de sua localização, que vão para a rede central de dados do TraceTogether. Assim, a ferramenta sabe com quem essa pessoa interagiu, por quanto tempo e até mesmo a qual distância elas estavam. Quando alguém é diagnosticado com o vírus, médicos podem olhar o histórico de interações da vítima e notificar todas as pessoas que podem ter sido expostas à doença. Do mesmo jeito, é possível ter uma ideia de quem passou o vírus para essa pessoa.

O aplicativo pode ser um grande fator no baixo número de casos da ilha, mas vem causando controvérsia por sua falta de normas de privacidade com seus usuários. Isso porque a prática de monitoria do Estado pode ser invasiva, e o governo se torna capaz de identificar qualquer indivíduo por meio do app.

Alguns países, no entanto, estão encontrando maneiras menos diretas mas tão invasivas quanto para tentar mapear o vírus. A Coreia do Sul, por exemplo, recorre a dados de GPS de celulares e até mesmo transações de cartão de crédito para tentar identificar o caminho da contaminação do coronavírus.

A secretaria de governo digital de Singapura disse em entrevista à CNBC publicada hoje (25) que outros países se interessaram pela iniciativa e o conceito do TraceTogether, e, embora o porta-voz da secretaria não tenha declarado quais são essas nações, SIngapura está agora desenvolvendo um programa base para que outros governos possam criar sua própria versão do aplicativo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).