O que você precisa saber para entrar no mundo da arbitragem de cripto

Getty Images
Getty Images

A arbitragem é uma opção, mas quando se trata de bitcoin, a opção mais segura ainda é o investimento a longo prazo

A prática da arbitragem não é nova no mundo das finanças. No mercado tradicional de ações, muitos profissionais usam a técnica para obter lucros. Arbitragem é basicamente o ato de comprar um bem ou ativo –que pode ser uma ação ou uma criptomoeda, por exemplo, adquiridos em uma exchange ou em uma bolsa de valores– e vendê-lo por um preço maior. No mundo cripto, as moedas digitais normalmente são compradas e vendidas em diferentes exchanges que têm entre si uma variação de valor.

Mas o universo das criptomoedas e do blockchain ainda não tem regulamentação abrangente e é consideravelmente desconhecido por muitos investidores no Brasil. Então, como praticar a arbitragem em um mercado não muito explorado e relativamente novo? Para responder a essa pergunta, a Forbes Brasil conversou com dois profissionais do mercado cripto brasileiro: Samir Kerbage, diretor de engenharia da gestora de ativos cripto Hashdex; e Fernando Barrueco, CEO da Bomesp; a Bolsa de Moedas Virtuais Empresariais de São Paulo.

LEIA MAIS: Conheça a startup de mineração de bitcoin do Texas apoiada por Peter Thiel

Aproveite o que o cripto tem a oferecer

O que diversos profissionais já disseram sobre o bitcoin e outras criptomoedas inúmeras vezes –e um ponto comum entre Kerbage e Barrueco– é: entenda como funciona esse novo tipo de mercado antes de entrar nele. A falta de um mediador pode ser libertadora para quem está nesta área, mas exige estudo e compreensão daqueles que estão chegando. Existem práticas e regras que não estão escritas em nenhuma lei brasileira. Também é preciso tomar cuidado e não acreditar em tudo que lhe é oferecido, golpes e esquemas de pirâmide existem no cripto tanto quanto em outros mercados.

Dito isso, para Kerbage, da Hashdex, explorar as possibilidades que o mercado cripto oferece é o melhor jeito de aprender, e isso inclui experimentar com a arbitragem. “Para entrar no mundo das criptomoedas e realmente aproveitar tudo o que ele tem a oferecer, o melhor é experimentar.” Mas para o diretor de engenharia, é mais seguro iniciar a prática com uma quantidade pequena de bitcoin com a qual o investidor se sinta confortável. Quando estimando tal valor inicial, é crucial levar em conta a volatilidade do bitcoin e das outras criptomoedas. De acordo com Kerbage: “o potencial é grande, mas a volatilidade também”.

Considere o que torna a arbitragem possível

Outro cuidado mencionado por ambos os profissionais foi a paridade do mercado. Como colocado de forma simples por Barrueco, CEO da Bomesp, “se alguém está ganhando, alguém está perdendo.”

Isso significa que é necessário entender de onde vem essa diferença de preços que possibilita a arbitragem. Isso pode vir de diversos motivos. A simples diferença de taxas entre uma exchange e outra já basta, mas Kerbage alerta para os perigos que podem vir com a arbitragem.

“Se existe uma discrepância de preço, pode ser que por trás dela existe um risco conhecido só por parte do mercado”, ele explicou. “Uma exchange mais barata pode não ter o mesmos níveis de governança e segurança. Imagine: você coloca seu dinheiro lá e de repente ela é hackeada, ou vai à falência.”

Esse é um risco real no mundo cripto. Com mais frequência que no mercado tradicional, exchanges e empresas vão à falência repentinamente ou são hackeadas completamente, na maioria das vezes comprometendo seus clientes e seus investimentos. Mesmo que você esteja colocando seu dinheiro em uma exchange temporariamente apenas para realizar a arbitragem, esse risco ainda existe.

VEJA TAMBÉM: É possível hackear a rede do bitcoin? Nós respondemos

Não confie em ninguém além de si mesmo

Mas os preços instáveis das criptomoedas não vêm somente de pessoas mal intencionadas e da falta de regulamentação. De acordo com Barrueco, o fato de que essas moedas digitais são lastreadas somente na tecnologia já causa uma oscilação natural. Esse lastro traz uma preocupação comum à tona, o fim do bitcoin e das criptomoedas. Para Barrueco, a resposta é clara. “Não acho que o cripto vá acabar devido à quantidade de dinheiro que já foi colocada nesse sistema,” ele explicou.

No entanto, o CEO avisa: não confie em ninguém além de si mesmo para realizar a arbitragem. O mercado cripto não é regulado o suficiente como o mercado tradicional para você confiar seus investimentos em um profissional ou uma empresa de gerenciamento de ativos para realizar a arbitragem para você. Muitas pessoas também usam inteligência artificial para isso, mas Barrueco acredita que não se pode confiar 100% em robôs.

No entanto, para ambos Kerbage e Barrueco, uma recomendação é clara. Comprar bitcoins e segurá-los a longo prazo é mais seguro e potencialmente lucrativo do que a arbitragem. Mas se você quer entrar na prática mesmo assim, Barrueco recomenda o uso das stablecoins como o tether ou o BRLS, a stablecoin da Bomesp que é pareada no real.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).