Petrobras adia pagamento de parte do salário a conselheiros para preservar caixa

Redução de 30% ocorrerá em abril, maio e junho, com pagamento em setembro

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

A petroleira busca enfrentar o cenário de baixos preços de petróleo e a pandemia global de coronavírus

Acessibilidade


A Petrobras informou que seu conselho de administração terá 30% do salário mensal adiado em abril, maio e junho, com pagamento em setembro, em medida que se soma a outras iniciativas anunciadas pela companhia para enfrentar um cenário de baixos preços de petróleo e a pandemia global de coronavírus.

A decisão foi tomada pelo próprio conselho, após a mesma postergação ter sido aprovada para o presidente, diretores, gerentes-executivos e gerentes gerais da companhia, disse a Petrobras em comunicado na noite de ontem (30).

LEIA MAIS: Petrobras reduz gastos para enfrentar tempos “sem precedentes”, diz CEO

“A decisão do conselho de administração está alinhada à série de medidas adotada pela Petrobras para redução de custos e preservação do caixa no atual cenário de incertezas, a fim de reforçar sua solidez financeira e resiliência dos seus negócios”, disse a empresa.

A petroleira estatal anunciou em 26 de março que reduziria investimentos em 2020 para US$ 8,5 bilhões, de US$ 12 bilhões previstos antes, além de acelerar a redução de gastos operacionais, com corte adicional de US$ 2 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As medidas da empresa incluíram ainda redução e postergação de gastos com recursos humanos no valor total de US$ 2,4 bilhões.

As iniciativas da Petrobras vêm em meio a uma forte redução dos preços do petróleo e a impactos da pandemia de coronavírus sobre a economia e o mercado da commodity.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: