Verizon compra BlueJeans, rival do Zoom, por menos de US$ 500 milhões

Acordo fechado hoje (16) visa a competição por parte da operadora de telefonia móvel no setor que se beneficia do número crescente de trabalhadores em home office

Sergei Klebnikov
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

As ações da Verizon subiram com o noticiário, enquanto as ações da Zoom caíram

Acessibilidade


A holding especializada em telecomunicações Verizon chegou a um acordo hoje (16) para comprar a BlueJeans, empresa de videoconferência rival do Zoom, pois pretende competir em um setor que se beneficia de um número sem precedentes de profissionais trabalhando em casa.

A Verizon pagará menos de US$ 500 milhões pela empresa, e o acordo deve fechar no segundo trimestre de 2020, segundo relatado por fontes ao “Wall Street Journal”.

VEJA MAIS: A história do Zoom em meio à pandemia e a ascensão de um novo bilionário

Como os funcionários remotos confiam nas ferramentas da web para se conectar durante a pandemia, serviços como Zoom, Slack e Microsoft têm sido muito procurados: a mais recente aquisição da Verizon mostra que ela também está tentando capitalizar essa tendência.

A operadora de telefonia móvel disse que pretende usar a BlueJeans –que tem mais de 15 mil clientes– para ajudar as empresas a desenvolver serviços como telessaúde, plataformas de educação on-line ou ferramentas de treinamento remoto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A rival do Zoom está mais focada nas empresas do que nos consumidores, de modo a oferecer videoconferência criptografada por um determinado preço. Em contrapartida, serviços rivais como Zoom e Skype são de uso gratuito.

A companhia, com a qual a Verizon entrou em discussões no ano passado, conta com o Facebook, LinkedIn e Zillow entre seus clientes.

A BlueJeans se tornará “profundamente integrada” às ofertas 5G da Verizon e como concorrente do Zoom, também tem apresentado um número crescente de usuários desde o início da pandemia de coronavírus.

“Ao passo que a forma como trabalhamos continua a mudar, é absolutamente essencial que as empresas e os clientes do setor público tenham acesso a um conjunto abrangente de ofertas prontas para organizações, seguras e sem atritos e que se integrem às ferramentas existentes”, afirmou o CEO da Verizon Business, Tami Erwin, em um comunicado à imprensa.

As ações da Verizon aumentaram em 1,3% com as notícias, e as do Zoom caíram mais de 1,2%.

Como o Zoom rapidamente se tornou uma das ferramentas mais populares de videoconferência para funcionários que trabalham em casa, a empresa enfrentou uma reação negativa do público por aparentes problemas de privacidade e segurança em sua plataforma. Algumas organizações, como o Departamento de Educação da cidade de Nova York, proibiram os trabalhadores de usar o serviço em vista dos relatos. “Vemos uma oportunidade em nosso canal de distribuição”, disse o CEO da Verizon, Hans Vestberg, na CNBC, quando questionado sobre a concorrência com plataformas como o Zoom.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: