Mark Zuckerberg diz que falta de ação do Facebook quanto a Trump prejudica imagem da rede social

GettyImages/ Chip Somodevilla
Zuckerberg disse aos funcionários que a empresa abordará as questões por meio de um plano de sete pontos que inclui melhorar a comunicação interna

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, admitiu que sua decisão de não agir nas postagens de Trump que incitam a violência contra os participantes de manifestos pela morte de George Floyd prejudicou a percepção pública da empresa. Houve diversas tensões durante uma reunião de 85 minutos com funcionários ontem (2).

Zuckerberg se dirigiu à força de trabalho da rede social, em meio à crescente discordância de trabalhadores furiosos com o Facebook por não tomar medidas em um post carregado de questões raciais escrito por Trump na semana passada que dizia: “Quando os saques começam, os disparos começam”.

LEIA MAIS: Fiat testará recurso de mudança automática para modo elétrico em carros híbridos

Ontem, ele disse aos funcionários que a empresa abordará as questões por meio de um plano de sete pontos que inclui: melhor comunicação de como e por que as decisões políticas internas são tomadas, incluindo vozes mais diversas nas equipes de políticas, e considerar novos rótulos para conteúdo desagradável que vão além de violar a política de conteúdo.

Zuckerberg também admitiu que a falta de ação da empresa em relação à publicação de Trump “provavelmente incorreu em um custo prático maciço para a empresa fazer o que achamos ser o passo certo”, relata Casey Newton do portal de notícias “The Verge”.

Ele acrescentou que, se a agitação civil continuar, o Facebook pode tentar atualizar temporariamente suas políticas, da mesma forma que a rede social atualizou suas políticas sobre informações falsas relacionadas à Covid-19 em meio a emergências de saúde pública.

Mas os trabalhadores que falaram com Newton dizem que Zuckerberg teme que seus funcionários se voltem contra ele, com base em suas expressões faciais e tom de voz. “Ninguém acreditou nas respostas que ele deu”, disse um colaborador.

Antes da reunião, o CEO defendeu sua decisão de deixar a publicação no site, dizendo que não viola as políticas da empresa.

Vários funcionários mais antigos condenaram publicamente o Facebook pela decisão, muitos deles recorrendo ao Twitter para expressar sua oposição e dizer “não há uma posição neutra em relação ao racismo”.

LEIA TAMBÉM: Carlos Wizard diz que brasileiros podem ter acesso à vacina contra a Covid-19 no segundo semestre

Zuckerberg disse a seus funcionários: “Eu sabia que precisava deixar minha opinião pessoal de lado. É preciso entender nossa política e os princípios da plataforma que estamos executando, mesmo sabendo que a decisão que tomamos levaria a muitas pessoas insatisfeitas dentro da empresa e muitas críticas da mídia que receberemos.”

Na segunda-feira (1), dezenas de trabalhadores fizeram uma paralisação virtual, mas a revolta aumentou ainda mais ontem quando um engenheiro público deixou seu emprego publicamente em resposta à abordagem do Facebook. Zuckerberg disse que expressou sua decepção com o tom e a retórica de Trump na publicação, durante uma ligação com o presidente na sexta-feira (29) após a decisão de manter o que foi publicado.

A publicação de Trump apresentou o maior desafio para a liderança de Zuckerberg nos 16 anos de história do Facebook. A revolta pública de funcionários e a paralisação de segunda-feira são sem precedentes e mostram a distância entre a equipe do Facebook e o fundador da rede social, que tem uma abordagem muito mais flexível às postagens controversas. O Facebook manteve uma equipe amplamente unida, mesmo com uma tempestade de desinformação em torno da eleição de 2016.

E TAMBÉM: Cargill interrompe divulgação de resultados trimestrais

Zuckerberg tem manifestado sua opinião de que as redes sociais não devem agir como árbitros, dizendo à Fox News na semana passada: “Eu acredito firmemente que o Facebook não deve ser o árbitro da verdade de tudo o que as pessoas dizem online”. Sua posição está em desacordo com o rival Twitter, que sinalizou o post de Trump com um aviso de interesse público, dizendo que as palavras do presidente “glorificam a violência”. A postura do Twitter fez com que os funcionários do Facebook expressassem suas frustrações no site sem medo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).