Pirataria de conteúdo televisivo se torna indústria bilionária nos EUA

 Dennis Fischer Photography/Getty Images
Dennis Fischer Photography/Getty Images

Programação pirata pode incluir canais terroristas e espalhar softwares maléficos pelas casas norte-americanas

A pirataria de programas televisivos agora é uma indústria de bilhões de dólares. Os golpistas descobriram como aproveitar o conteúdo roubado e as tecnologias de streaming disponíveis para oferecer entretenimento com taxas reduzidas aos consumidores.

O maior tipo crescente de empresas de streaming ilegais é chamada de “pirate subscription Internet Protocol Television (PS IPTV) Services” (Serviços de Protocolos de Televisão pela Internet por assinatura pirata). Os IPTVs de PS imitam as práticas de serviços de streaming e cobram dos consumidores geralmente cerca de US$ 10 por mês por milhares de canais de todo o mundo e, geralmente, com grandes bibliotecas de vídeo sob demanda. Esses serviços podem parecer muito legítimos com anúncios, linhas de atendimento ao cliente e outras características de empresas de streaming corretas.

Leia mais: Forbes promove primeiro webinar sobre Saúde Mental nas empresas. Participe

De acordo com um relatório do grupo sem fins lucrativos Digital Citizens Alliance e da Nagra (uma unidade da empresa de consultoria antipirataria do Kudelski Group), no ano passado, ladrões roubaram conteúdo de TV ao vivo e os revenderam por cerca de US$ 1 bilhão em vendas online. Provavelmente, a prática também só cresceu devido às quarentenas relacionadas ao coronavírus, forçando os consumidores a procurar entretenimento pela internet.

O relatório destaca várias conclusões importantes sobre esses golpistas. Ele constatou que, como não pagam pela programação que compõe o núcleo do produto, suas margens de lucro podem chegar a 85%. O relatório estima que 9 milhões de assinantes de banda larga fixa nos EUA usem um serviço PS IPTV e 3.500 sites de lojas, páginas de mídia social e lojas nos mercados online vendem esse tipo de serviços para o mercado norte-americano.

Atualmente, pouco está sendo feito sobre esses serviços piratas. Revender conteúdo de TV roubado é uma contravenção nos EUA que raramente é punida. Para coibir esses serviços, a legislação precisa se desenvolver. Os consumidores também não costumam ser processados, mas assumem riscos. Seus dispositivos podem ser direcionados por malware instalado pelos vendedores. Além disso, esses serviços às vezes possuem canais proibidos, incluindo redes de propaganda terrorista.

Leia também: IPO da Quicken Loans aumenta fortuna de Dan Gilbert em mais de US$ 33 bilhões

“Em última análise, o escopo e o tamanho do ecossistema de pirataria de fluxo contínuo devem disparar alarmes entre os formuladores de políticas, órgãos policiais, grupos de proteção ao consumidor e os setores de tecnologia e serviços financeiros, além de desencadear uma discussão séria sobre quais esforços são necessários para diminuir o crescimento do problema ”, afirma o relatório. “O mais claro disso tudo é: dada sua presença alarmante nas famílias norte-americanas, o assunto merece muito mais atenção.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).