LVMH cancela oferta de compra da Tiffany & Co.

Sam Collection/Gado/Getty Images
Sam Collection/Gado/Getty Images

Em resposta, a Tiffany & Co. está processando a LVMH por violação de suas obrigações

Depois de muito alarde, a LVMH, maior conglomerado de luxo do mundo, anunciou que não vai concluir sua aquisição da famosa joalheria norte-americana Tiffany & Co., citando em parte uma ameaça de tarifas sobre produtos franceses que chegam aos Estados Unidos, enquanto a joalheria está processando a LVMH por violação de suas obrigações.

Após especulações sobre o negócio, o grupo de luxo francês LVMH concordou em comprar a Tiffany por um valor recorde de US$ 16,2 bilhões em novembro do ano passado, aumentando seu portfólio crescente de marcas norte-americanas.

LEIA MAIS: “A transformação digital é o novo normal”, diz Carlos Ferreirinha sobre mercado de luxo

No entanto, em um comunicado divulgado hoje (9), o conselho da LVMH voltou atrás na decisão em parte com base em uma carta do Ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Marc Ayrault, pedindo ao grupo para adiar sua aquisição até 6 de janeiro de 2021, após uma ameaça dos Estados Unidos de impor tarifas sobre produtos franceses.

O grupo, de propriedade do homem mais rico da Europa, Bernard Arnault, acrescentou que a Tiffany solicitou a extensão do acordo de fusão de 24 de novembro a 31 de dezembro de 2020. Como resultado, o conselho disse que manteria o acordo e a data de fusão original, e concluiu que não iria adiante com o negócio.

Enquanto isso, a Tiffany entrou com um processo em Delaware, ordenando que a LVMH conclua a transação e rejeitando as alegações da LVMH de que pode contornar a aquisição acusando a Tiffany de violar os termos do acordo.

A Tiffany acrescentou que decidiu estender a data do acordo de fusão para permitir que a LVMH obtenha a aprovação antitruste, o que ela afirma que o grupo de luxo ainda não fez nas jurisdições necessárias.

Desde o anúncio hoje, as ações da Tiffany caíram 13% nas negociações de pré-mercado, enquanto as ações da LVMH caíram 0,9%.

A LVMH afirmou em comunicado: “O conselho decidiu cumprir o Acordo de Fusão assinado em novembro de 2019 que prevê, em qualquer caso, um prazo de encerramento até 24 de novembro de 2020 e registra oficialmente que, tal como está, o Grupo LVMH não será capaz de concluir a aquisição da Tiffany & Co.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).