A gentileza no trabalho não é mais uma opção, entenda como praticá-la

GettyImages/ Morsa Images
GettyImages/ Morsa Images

A gentileza no ambiente de trabalho gera frutos no desempenho de funcionários e bom marketing com os clientes

A gentileza não é um assunto amplamente debatido entre a maioria dos empresários. A linguagem corporativa é rica em expressões de luta e fúria. Programas como “O Aprendiz” (um dos poucos programas de TV tradicionais sobre negócios) implicam que o sucesso se deve à vontade e à capacidade de um indivíduo de vencer, independentemente do custo. E muitos líderes permanecem atrelados a um modo padrão de engajamento que é frio, dominador e hipercompetitivo, um arquétipo antiquado de “cara durão” que continua teimosamente difícil de superar. Simplificando: a bondade não está no topo da lista de prioridades do capitalista comum.

No entanto, ao nosso redor, existem exemplos de empresas que sofrem as consequências da má educação com seus funcionários. A British Airways e a Virgin Atlantic foram criticadas pelo recente tratamento dado à equipe. O preço das ações da varejista de moda Boohoo tem sofrido com o peso das alegações de negligência em sua cadeia de suprimentos. E a campanha da Amazon sobre oportunidades de desenvolvimento de carreira oferecida aos colaboradores de depósitos pode parecer falsa para os trabalhadores que protestaram contra as condições de trabalho como inseguras.

LEIA MAIS: Entenda o que é match cultural, tendência de busca profissional entre os mais jovens

O panorama está mudando. De acordo com um artigo recente do jornal “The Guardian”, uma pesquisa realizada para a consultoria de estratégia BritainThinks revelou que apenas uma em cada oito pessoas quer que a vida no Reino Unido volte a ser “exatamente como era antes” quando a pandemia de coronavírus terminar. O artigo afirma que existe uma vontade generalizada de uma sociedade mais amável que “permita aos trabalhadores mais tempo com a família e os amigos, se preocupe com o meio ambiente e garanta altos níveis de emprego”.

A mensagem é clara: no mundo empresarial de hoje, a gentileza não é um luxo, é uma necessidade. Como os exemplos acima provam, as organizações estão cada vez mais sendo julgadas pelo seu comportamento real (e não por propagandas). Aqueles que passarem no teste terão uma lealdade significativa de clientes e funcionários. E aqueles que fracassam, bem, mais cedo ou mais tarde, os boicotes e a má publicidade começarão a atingi-los, mesmo que, a curto prazo, um discurso arrogante de inocência possa prevalecer.

O desafio implícito de tudo isso é que a “gentileza” corporativa pode parecer um assunto destinado ao alto nível das empresas (cadeia de suprimentos ou política de relações com funcionários, por exemplo) e, portanto, fora do alcance de muitos. Mas, embora a estratégia corporativa, evidentemente, tenha um papel significativo a desempenhar na determinação da conduta de uma organização, está longe de ser apenas isso.

A bondade começa (ou termina) com as interações diárias. Independentemente de nosso passado, cada um de nós faz escolhas a todo momento sobre como ser gentil com as pessoas ao nosso redor. E, na plenitude do tempo, são essas escolhas cotidianas que exercem influência sobre o comportamento corporativo, para melhor ou para pior.

O que a gentileza no trabalho envolve na prática? Comece com a definição. Aqui está uma maneira útil de entender o que é bondade no trabalho: a prática de liderança de considerar, equilibrar e satisfazer suas próprias necessidades, as necessidades de seu pessoal e as da companhia em geral, de maneira a promover o bem-estar do grupo, o potencial de inovação e a produtividade.

Essa definição fala do ato de ser atencioso e receptivo às necessidades dos outros. Ao fazê-lo, reflete o altruísmo essencial que sustenta todas as culturas organizacionais de alto funcionamento. Em seguida, vincula esse comportamento à capacitação do potencial e da produtividade da inovação, ingredientes essenciais para o sucesso no mercado atual. Por fim, reflete a verdade da bondade como um valor que é delimitado, prático e apoiador. A bondade nunca deve ser confundida com fraqueza.

A gentileza na prática

Você está interessado em ser (mais) gentil no trabalho, e assim fazer uma contribuição para a construção de uma organização mais gentil? Abrace essas cinco dicas, que meu programa usa como base para consultoria, coaching e treinamento de líderes em bondade como um pilar da liderança eficaz.

LEIA TAMBÉM: 6 dicas de como liderar sua equipe virtualmente

Pode ser especialmente valioso considerá-las no contexto do trabalho remoto: onde, como o tipo de dicas energéticas e relacionadas à linguagem corporal que caracterizam a comunicação face a face tendem a faltar, a comunicação consciente é essencial.

Veja na galeria de imagens a seguir:

  • 1. Clareza

    Em muitos locais de trabalho, as pessoas não entendem com clareza o que os líderes precisam delas em termos de responsabilidades, objetivos, metas e assim por diante. Elas acabam sem meios de saber se estão tendo um bom desempenho ou não, e quais podem ser as consequências disso. Isso é cruel com os funcionários, pois cria incerteza e preocupação. Também é desagradável para a organização, pois resulta em ineficiência desnecessária. Portanto, clareza significa explicar os padrões, limites e expectativas que você tem dos outros. Também significa estar disposto a manter uma conta quando ficar aquém.

    GettyImages/ Tom Werner
  • 2. Sinceridade

    Os seres humanos não estão preparados para prosperar em condições de ambiguidade. E somos todos máquinas de fazer sentido: na ausência de uma narrativa clara, as pessoas criam diversas histórias. Então, ser sincero é ser gentil. Isso significa comunicar com abertura, franqueza e honestidade, principalmente durante períodos de mudança. A sinceridade é especialmente necessária quando as notícias são ruins.

    GettyImages/ Maskot
  • 3. Compaixão

    Muitos de nós têm vidas complexas, com inúmeros problemas pessoais e profissionais para gerenciar, grandes e pequenos. Não reconhecer isso não é apenas cruel no nível humano, mas também é ruim para os negócios. As pessoas não se comprometem com locais de trabalho que não fazem nenhum esforço para entender e acomodar suas circunstâncias e necessidades individuais. E a falta de comprometimento tende a inibir o potencial de produtividade e inovação. É gentil tentar se colocar no lugar dos outros e entender os desafios que eles enfrentam.

    GettyImages/ 10'000 Hours
  • 4. Coragem

    Esse é o ponto difícil de oferecer apoio aos outros: dar a eles o que eles precisam, especialmente quando o que eles precisam não é o que eles querem. Na realidade, o que é gentil nem sempre é fácil. Na verdade, às vezes pode ser o curso de ação mais difícil de ser seguido. Nesse sentido, a coragem é frequentemente o núcleo de atos bondosos. Esse também é o atributo mais raro nas organizações menos gentis do mundo.

    O que é uma organização cruel? Inverta a definição: é aquela em que as pessoas têm o hábito diário de priorizar suas próprias necessidades em detrimento de outras, de uma maneira que mina a prosperidade do grupo. Todo sistema e processo desagradável do mundo começou com esse tipo comportamento.

    GettyImages/ 10'000 Hours
  • 5. Consistência

    “Faça como eu digo, não como eu faço” ainda é o mantra implícito de muitos líderes. Agir de maneira consistente com os comportamentos que você espera dos outros (e fazer isso o dia todo, todos os dias) é gentil com você e com eles. Ele demonstra e até aprimora seu próprio senso de integridade. Também ajuda as pessoas a se sentirem seguras e entenderem o comportamento que você espera delas. Por outro lado, a falta de consistência é desagradável, pois (mais uma vez) cria ambiguidade.

    GettyImages/ Thomas Barwick

1. Clareza

Em muitos locais de trabalho, as pessoas não entendem com clareza o que os líderes precisam delas em termos de responsabilidades, objetivos, metas e assim por diante. Elas acabam sem meios de saber se estão tendo um bom desempenho ou não, e quais podem ser as consequências disso. Isso é cruel com os funcionários, pois cria incerteza e preocupação. Também é desagradável para a organização, pois resulta em ineficiência desnecessária. Portanto, clareza significa explicar os padrões, limites e expectativas que você tem dos outros. Também significa estar disposto a manter uma conta quando ficar aquém.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).