Entenda o que a psicologia cultural tem a dizer sobre o coronavírus

Clive Rose_Getty Images
No coletivismo, o bem da sociedade como um todo é colocado acima do bem individual

Enquanto algumas pessoas estão comparando o cenário gerado pelo coronavírus ao apocalipse zumbi, a maioria de nós percebe que a vida continuará após a pandemia.

Mas isso não significa que as coisas não serão diferentes. Dada a escala da pandemia, é quase certo que a pandemia produza mudanças sociais significativas e duradouras.

LEIA MAIS: Como saber se você está preparado para o mercado de trabalho pós-coronavírus

Com a ciência como guia, aqui estão duas mudanças que podemos esperar ver no mundo pós-Covid-19.

Mais conformidade, menos individualismo

Uma pesquisa em psicologia cultural sugere que sociedades com maior exposição a doenças têm maior probabilidade de adotar o “coletivismo” social. O que é coletivismo? É um conjunto de crenças e valores que prioriza a conformidade do grupo e coloca uma ênfase maior nas tradições da sociedade. O “individualismo”, ao contrário do coletivismo, reflete o conjunto de crenças que incentivam os desvios do comum.

Em geral, a pesquisa descobriu que as culturas orientais (China, Japão etc.) são mais propensas a apoiar atitudes coletivistas, enquanto as culturas ocidentais (Estados Unidos, Europa etc.) são mais propensas a apoiar atitudes individualistas.

O coronavírus pode mudar tudo isso. De acordo com um artigo de 2008 publicado no jornal científico “Proceedings of the Royal Society”, a expressão de atitudes coletivistas/ individualistas varia em função do risco de doenças. Em outras palavras, os países com maior prevalência de males do tipo tendem a adotar atitudes mais coletivistas.

Por quê? Os autores sugerem que o coletivismo social serve como uma proteção natural contra a transmissão de doenças. Eles escrevem: “Dado que muitas tradições e normas específicas (como a preparação de alimentos) podem servir como amortecedores contra a transmissão de doenças, o desvio do cotidiano pode representar um risco de contágio para si e para outros, enquanto a conformidade ajuda a manter a integridade desses amortecedores que funcionam na prevenção de doenças “.

Muitas pessoas nos Estados Unidos já começaram a sentir as pressões crescentes de conformidade. O distanciamento social rapidamente se tornou o novo normal e as pessoas não têm medo de reprimir comportamentos que não se alinham à norma recomendada. Em outros países, as pressões para se conformar com os esforços de prevenção de doenças são ainda maiores. A França, por exemplo, decretou uma ordem de confinamento em todo o país, com multas e até prisão por violações recorrentes.

Historicamente, foram os países equatoriais que experimentaram o mais alto grau de risco de doenças e, portanto, eram mais propensos a promover atitudes coletivistas. Com o coronavírus se espalhando pelo mundo, é possível que o coletivismo se torne menos limitado do ponto de vista geográfico.

VEJA TAMBÉM: Entenda as diferenças entre Plano Marshall e o New Deal

Mais medo do desconhecido

A psicologia cultural aponta outra consequência do coronavírus: um aumento nas atitudes xenofóbicas. Eles escrevem: “Os coletivistas fazem distinções nítidas entre o seu grupo e o ‘outro’, enquanto entre individualistas a distinção entre grupos é mais fraca. Uma consequência é que os coletivistas têm mais cuidado com o contato com estrangeiros e outros membros do grupo externo. Essa atitude xenófoba pode servir a uma função anti-patógena eficaz, inibindo a exposição a novas doenças.”

Mais uma vez, o vírus está afetando nações no mundo todo. Donald Trump alimentou a crescente corrente de xenofobia ao se referir ao coronavírus como o “vírus chinês”. A China reagiu com seu próprio conjunto de teorias anti-americanas da conspiração. As fronteiras estão se fechando e muitos norte-americanos de cidades pequenas têm dito claramente que aqueles que estão fora da cidade devem ficar longe. É provável que essa mentalidade “nós-contra-eles” se intensifique à medida que a doença continue a se espalhar.

O que esperar?

Embora não haja nada melhor ou pior sobre o individualismo ou o coletivismo – como qualquer sistema de valores, ambos têm seus méritos e deficiências -, o coletivismo pode aumentar sua influência na era do coronavírus. Os autores concluem: “Embora o individualismo possa ter certos tipos de benefícios às pessoas e às sociedades que eles criam, os comportamentos que definem o individualismo também podem aumentar a probabilidade de transmissão de doenças e, portanto, podem ser funcionalmente inadequados em condições nas quais elas são altamente predominantes.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).