Como hackers podem usar lâmpadas comuns para espionar conversas a 25 metros de distância

Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Os hackers precisam de uma linha de visão limpa entre o telescópio equipado com sensor eletro-óptico e a lâmpada pendente em questão

Qual é a primeira coisa que vem à mente quando se pensa em como os hackers podem violar sua privacidade? Talvez seja o uso de senhas comuns e fracas ou a reutilização de chaves de acesso fortes em várias contas? Quem sabe vulnerabilidades críticas que afetam os sistemas operacionais Windows 10 e o Android? Você pode até, com razão, se preocupar com o fato de seus dispositivos domésticos inteligentes estarem vulneráveis ​​a ataques de hackers. Mas existe um objeto essencial, encontrado em todos os cômodos, ignorado e desconectado: a lâmpada. Sim, os hackers encontraram uma maneira de escutar conversas a até 25 metros de distância, graças a uma lâmpada pendurada.

Lâmpadas podem abrir portas para hackers?

Pesquisadores de segurança da Universidade Ben-Gurion, do Negev, e do Instituto de Ciência Weizmann, em Israel, estão estudando métodos de interceptar conversas privadas sem precisar comprometer um dispositivo com malware em um primeiro momento. Esse tipo de pesquisa sobre invasores não é única. Apenas no ano passado, foi revelado que a Alexa, o Google Home e a Siri poderiam ser comprometidos com o uso de lasers apontados para os microfones do dispositivo. Mas esse estudo mais recente vai além de apenas ligar ou desligar um dispositivo, como foi o caso dos fachos de laser. De fato, esses recursos brilhantes nem precisam da vítima a ser interceptada para acessar uma ferramenta “inteligente”. Basta uma lâmpada dessas comuns. Bem, mais ou menos.

VEJA TAMBÉM: Thomas Edison, B.C. Forbes e o mistério do telefone espiritual

Como sempre, há exceções à regra. Os hackers precisam de uma linha de visão limpa entre o telescópio equipado com sensor eletro-óptico e a lâmpada pendente em questão. Portanto, se as cortinas ou persianas estiverem fechadas em uma janela ou a lâmpada ficar atrás de um abajur de algum tipo, esse método de interceptação falhará. O mesmo acontece se a lâmpada não atender aos requisitos de hackers em termos de espessura do vidro ou saída de luz. E, finalmente, a qualidade da escuta dependerá da proximidade das pessoas com a lâmpada em questão e da intensidade da conversa.

Como os hackers podem usar uma lâmpada para ouvir suas conversas?

Esse continua sendo um método notavelmente brilhante de espionar conversas particulares de longe. Os pesquisadores foram capazes de monitorar com precisão a fala e a música a uma distância de 25 metros. Segundo os estudiosos, com o uso de um telescópio maior e um conversor analógico-digital de 24/32 bits, o alcance ainda pode ser amplificado.

Então, como isso funciona? Não vou dizer que é simplesmente uma questão de conectar um sensor eletro-óptico a um telescópio e apontá-lo para uma lâmpada, mas esse é o menu básico do hardware, com valor inferior a US$ 1.000. Flutuações de pressão de ar na superfície da lâmpada são criadas pelo som de conversa ou de música. Um conversor analógico/digital faz transcrição de informações elétricas para digitais. Os pesquisadores desenvolveram um algoritmo para o método de ataque, denominado Lamphone, que pode “recuperar o som das medições ópticas obtidas das vibrações de uma lâmpada”. Isso é feito passivamente e sem a necessidade de estar na mesma sala. No que diz respeito à fala humana, os estudiosos usaram o Google Cloud Speech para traduzir um trecho e a música foi corretamente identificada usando Shazam e SoundHound.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).