Powell diz que juros nos EUA só serão alterados após "recuperação praticamente completa"

Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmou que os juros não subirão até que os danos da pandemia sejam superados

O Federal Reserve não aumentará os juros até uma recuperação quase completa dos danos econômicos da pandemia, disse o presidente do banco central, Jerome Powell, hoje (25), um processo provavelmente relevante apenas “no longo prazo”.

Powell reiterou o plano do Fed de reduzir os US$ 120 bilhões de dólares em compras mensais de títulos depois que os Estados Unidos fizerem “avanços substanciais em direção às nossas metas” de emprego máximo e inflação ancorada com segurança na meta de 2% do Fed.

LEIA TAMBÉM: Dólar deve subir, mas rali perderá força mais à frente em 2021, diz Fórum

Mas em uma entrevista à “National Public Radio” (NPR), ele projetou um aumento de juros só mais adiante. Seu uso do termo “prazo mais longo” pareceu deixar um aumento na taxa norte-americana fora da janela de aproximadamente três anos, até 2023, usada nas projeções econômicas individuais mais recentes das autoridades do Fed.

Seus comentários de hoje incluíram a promessa de que os juros não subiriam até que os danos da pandemia fossem desfeitos.

“No longo prazo, estabelecemos um teste que nos permitirá aumentar os juros. Portanto, muito, muito gradualmente ao longo do tempo e com grande transparência, quando a economia estiver quase totalmente recuperada, vamos retirar o suporte que fornecemos durante os tempos de emergência”, disse Powell. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).