Russos liquidam cripto nos Emirados Árabes para proteger fortunas

Alguns clientes estão usando criptomoedas para investir em imóveis no país. Outros querem converter seu dinheiro virtual em moeda forte..

Reuters
Compartilhe esta publicação:
VCG/Getty Images
VCG/Getty Images

Dubai tem sido um ímã para ultrarricos. A recusa dos Emirados Árabes em tomar partido entre aliados ocidentais e Moscou sinalizou aos russos que seu dinheiro está seguro lá

Acessibilidade


Empresas de criptomoedas nos Emirados Árabes Unidos estão sendo inundadas com pedidos para liquidar bilhões de dólares em moedas virtuais, com russos buscando refúgio seguro para suas fortunas.

Alguns clientes estão usando criptomoedas para investir em imóveis nos Emirados Árabes. Outros querem usar empresas locais para converter seu dinheiro virtual em moeda forte, a fim de guardá-lo em outro lugar.

Uma empresa de criptomoedas recebeu muitas consultas nos últimos dez dias de corretores suíços pedindo para liquidar bilhões de dólares em bitcoin, porque seus clientes temem que a Suíça congele seus ativos.

Leia mais: Bitcoin sobe após decisão de Biden sobre ativos digitais

“Tivemos cinco ou seis nas últimas duas semanas. Nunca tivemos tanto interesse”, disse o executivo, que não quis se identificar. Ele acrescentou que nenhum dos pedidos foi para menos de US$ 2 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Dubai, centro financeiro e empresarial do Golfo, tem sido um ímã para ultrarricos. Isso, somado à recusa dos Emirados Árabes em tomar partido entre aliados ocidentais e Moscou, sinalizou aos russos que seu dinheiro está seguro lá.

Um corretor de imóveis, cuja empresa fez parceria com um serviço de criptomoeda para ajudar a comprar propriedades, disse: “Temos visto muitos russos e até bielorrussos vindo para Dubai e trazendo o que podem, mesmo em criptomoedas”.

As principais exchanges, como Coinbase e Binance, dizem que estão tomando medidas para garantir que as criptomoedas não sejam usadas como veículo para evitar sanções e que colaborem com as autoridades policiais sobre o assunto.

Ainda assim, como a criptomoeda oferece aos usuários um alto grau de anonimato, países europeus como Alemanha e Estônia pediram esta semana uma supervisão mais rigorosa para eliminar quaisquer brechas que possam permitir o desrespeito das sanções.

Os Emirados Árabes foram colocados em uma “lista cinza” este mês para aumentar o monitoramento pela Força-Tarefa de Ação Financeira (Gafi).

Dubai adotou uma lei de ativos virtuais esta semana e definiu um regulador. O regulador dos Emirados Árabes disse estar perto de emitir regulamentos sobre riscos de lavagem de dinheiro.

Alguns especialistas dizem que a relativa transparência das transações de criptomoedas, que são registradas no blockchain que sustenta o bitcoin e outros tokens, dificulta a evasão de sanções em larga escala.

O Tesouro dos EUA pediu vigilância das empresas do setor na segunda-feira (7).

Duas fontes familiarizadas com o assunto disseram que as empresas dos Emirados Árabes tinham preocupações de reputação sobre fazer negócios com os russos, mas sentiram que a abstenção do Estado no Conselho de Segurança da ONU sobre a condenação da Rússia é um sinal de que não deveriam impor restrições aos russos.

Os Emirados Árabes não participaram de sanções impostas por países ocidentais. Dubai, um destino turístico atraente, há muito é popular entre os russos, que estavam entre os principais visitantes e compradores de imóveis mesmo antes da guerra.

Leia mais: Bitcoin, ethereum e cripto se preparam para novo terremoto na Rússia 

Compartilhe esta publicação: