Ibovespa abre em queda à espera de ata do Fed

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em queda de 0,51% na abertura do pregão de hoje (6), a 118.282 pontos, às 10h25, horário de Brasília. O índice acompanha os mercados internacionais, em dia marcado pela divulgação da ata do Fomc (Comitê Federal de Mercado Aberto dos EUA) e pela expectativa de imposição de novas sanções à Rússia.

A publicação da ata deve ocorrer às 15h do horário de Brasília. Participantes do mercado esperam que o documento apresente mais informações sobre como o banco central norte-americano vê o atual momento econômico mundial, e quais serão os seus próximos passos.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Ontem (5), a diretora e indicada a vice-chair da autoridade monetária, Lael Brainard, disse que o banco “continuará apertando a política monetária metodicamente por meio de uma série de elevações na taxa de juros, e começará a reduzir o balanço em ritmo acelerado já em nossa reunião de maio.”

No cenário local, investidores continuam analisando as incertezas em relação ao comando da Petrobras. Os papéis da petroleira (PETR3 e PETR4) sobem 1,12% e 0,90%, respectivamente, enquanto o petróleo Brent sobe 0,8%, sendo negociado a US$ 107 o barril.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A commodity é impulsionada pela expectativa de novas sanções à Rússia, após o último pacote anunciado pela União Europeia causar descontentamento por ser mais brando do que o esperado. Hoje, as novas sanções devem partir novamente de Washington.

O dólar opera em alta de 0,73%, sendo negociado a R$ 4,6939 na venda.

Na Ásia, o mercado acionário chinês fechou em queda, pressionado pela onda de Covid-19 na região e por pesquisa que mostrou contração da atividade de serviços em março.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços do Caixin, que foca mais em pequenas empresas em regiões costeiras, foi a 42,0 em março, de 50,2 em fevereiro. A leitura indica o recuo mais intenso da atividade desde o início da pandemia em fevereiro de 2020.

“Os investidores globais devem prestar mais atenção aos lockdowns da China já que o mercado pode estar subestimando o impacto econômico”, disseram analistas do Nomura em nota.

O Hang Seng, de Hong Kong, caiu 1,87%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em baixa de 0,94%. Já no Japão, o índice Nikkei recuou 1,58%, enquanto o Shangai, na China continental, ganhou 0,02%.

Na Europa, os principais índices operam em baixa. “Os investidores ainda digerem as novas sanções, que apesar de causarem um aperto econômico na Rússia, também trazem muitas consequências aos países da União Europeia”, comenta Rafael Germano, especialista em renda variável da Blue3.

Os índices também são pressionados pelas eleições francesas. As chances de sucesso de Marine Le Pen, líder da extrema-direita, aumentaram acentuadamente nos últimos dias, após Emmanuel Macron ver sua vantagem diminuir de 15 pontos percentuais para apenas 3 pontos.

A primeira rodada de votação ocorrerá nesta semana.

Por volta das 10h25, o Stoxx 600 perdia 1,74%; na Alemanha, o DAX recuava 2,06%; na França, o CAC 40 operava em baixa de 2,26%; na Itália, o FTSE MIB caía 2,44%; enquanto, no Reino Unido, o FTSE 100 cedia 0,55%. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: