Ibovespa abre em queda ao início de temporada de balanços

A temporada de resultados financeiros foi deflagrada hoje pela Usiminas (USIM5), que registrou alta de 5% no lucro líquido.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em queda de 0,24% na abertura do pregão de hoje (20), a 114.776 pontos, às 10h20, horário de Brasília. O índice vai na contramão dos mercados internacionais, em dia marcado pela divulgação de balanços corporativos e de prévias operacionais.

A temporada de resultados financeiros foi deflagrada hoje pela Usiminas (USIM5), que registrou lucro líquido de R$ 1,26 bilhão no primeiro trimestre de 2022, alta de 5% na base anual e em linha com a expectativa do mercado. As suas ações operam em baixa de 2,06%.

Leia mais: Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

O principal destaque da manhã, porém, foi a Vale (VALE3), que registrou uma produção de 63,9 milhões de toneladas de minério de ferro no primeiro trimestre deste ano, baixa de 6% na comparação anual. As suas ações recuam 1,76%, também pressionadas pela queda dos contratos futuros do minério na China.

No cenário das commodities, o petróleo Brent sobe cerca de 1%, sendo negociado a US$ 108 o barril. Os papéis da Petrobras (PETR3 e PETR4) sobem 0,89% e 0,54%, respectivamente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A sessão de hoje também é marcada pela participação de Paulo Guedes, ministro da Economia, e de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, em reuniões do G20 e do Fundo Monetário Internacional, em Washington.

O dólar opera em leve alta de 0,09%, sendo negociado a R$ 4,6721 na venda.

Na Ásia, o mercado acionário chinês fechou em queda, depois que o banco central do país manteve suas taxas de juros de referência inalteradas, apesar das frequentes promessas do governo de apoiar a economia em desaceleração.

A taxa básica de empréstimo (LPR, na sigla em inglês) de um ano foi mantida em 3,70%, enquanto a LPR de cinco anos permaneceu em 4,60%, o que os mercados veem como uma abordagem cautelosa de Pequim na implementação de mais medidas de flexibilização.

“Devido ao espaço limitado no corte de compulsório e juros, Pequim se concentrará cada vez mais na flexibilização do crédito, especialmente no financiamento do governo local e no setor imobiliário, os dois motores convencionais de crescimento”, disse a Nomura em nota.

O Hang Seng, de Hong Kong, recuou 0,40%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em alta de 1,02%. Já no Japão, o índice Nikkei ganhou 0,86%, enquanto o Shangai, na China continental, caiu 1,35%.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Na Europa, os principais índices operam em alta. Segundo dados divulgados hoje, a produção industrial da zona do euro se recuperou em fevereiro, registrando alta de 0,7% na base mensal e 2% na base anual, depois de recuar em janeiro.

As quedas em energia e bens de capital foram compensadas pela fabricação mais forte de bens ao consumidor. Economistas consultados pela Reuters esperavam alta mensal de 0,7% em fevereiro e previam ganho anual de 1,5%.

Porém, os dados foram colhidos principalmente antes do início da invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro, evento que prejudicou seriamente o sentimento empresarial em março.

Por volta das 10h20, o Stoxx 600 ganhava 1%; na Alemanha, o DAX subia 1,24%; na França, o CAC 40 operava em alta de 1,42%; na Itália, o FTSE MIB ganhava 1,17%; enquanto, no Reino Unido, o FTSE 100 avançava 0,17%. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: