Luiz Barsi e Lírio Parisotto, os “gigantes da Bolsa”, dão dicas de investimentos

Os dois bilionários também revelaram suas ações e setores preferidos.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:
Forbes

Parisotto (esq.) e Barsi (dir.) têm fortunas estimadas em R$ 12 bilhões e R$ 2 bilhões, respectivamente

Acessibilidade


Em um evento online realizado pela plataforma Ações Garantem Futuro ontem (28), Luiz Barsi e Lírio Parisotto, os dois maiores investidores da Bolsa de Valores brasileira, revelaram as suas ações favoritas, deram dicas de investimentos e debateram outros temas relevantes sobre o mercado financeiro.

Parisotto não pensou duas vezes antes de nomear a Vale (VALE3) como a sua ação favorita de todos os tempos.

Segundo ele, a empresa tem os fundamentos necessários para entregar bons resultados consistentemente, além de se destacar por ser uma excelente pagadora de dividendos. No ano passado, 60% dos dividendos distribuídos no país vieram da mineradora e da Petrobras (PETR3 e PETR4), afirmou o investidor.

Leia mais: Luiz Barsi, o Rei dos Dividendos, revela suas quatro ações preferidas

Barsi concordou apenas parcialmente com a escolha e colocou como ressalva a dependência da mineradora dos preços das commodities no mercado internacional. Ele acrescentou que sua ação favorita do momento é a transmissora de energia Isa CTEEP (TRPL4), que também está entre as grandes pagadoras de dividendos do mercado brasileiro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As empresas que atuam em setores “perenes” foram os destaques da conversa entre os dois investidores, que seguem a estratégia fundamentalista.

“É preciso investir em patrimônios físicos, e não em intelectuais”, disse Barsi, ressaltando que essa é a melhor forma de não perder a base para avaliar um projeto.

Enquanto existem muitas empresas de tecnologia que crescem e se tornam sólidas, boa parte “vai para o vinagre”, nas palavras de Parisotto. Ele afirmou que não investe em IPOs (ofertas públicas iniciais) do setor e que prefere arcar com preços mais elevados e esperar para ver se essas empresas entregam o que prometem.

Os bilionários também revelaram que não costumam possuir mais do que 12 empresas em suas carteiras. Para quem está começando, eles indicaram ter exposição aos setores de eletricidade, siderurgia, petroquímica, petróleo, mineração e finanças. De fora, ficaram os setores de aviação e varejo, que Parisotto descreve como “pouco protegidos”.

Barsi e Parisotto também reforçaram a importância de atuar no mercado financeiro com objetivos de longo prazo e aconselharam os investidores a “fugir” da especulação e do day trade.

Uma eventual tributação dos dividendos não mudaria a estratégia da dupla, afirmaram eles.

“Os dividendos já foram tributados antes, mas o governo notou que, se o país tem uma estrutura tributária muito perversa, os investidores fogem para outros lugares”, lembrou Barsi. Já Parisotto afirmou que não se oporia a uma nova proposta de tributação, desde que o tributo recaísse sobre as pessoas que “têm capacidade de pagá-los”.

Ao final da conversa, Barsi compartilhou quatro dicas imperdíveis para quem que seguir sua metodologia no mercado de ações. São elas:

  1. Nunca invista o recurso que você tem programado para qualquer outro projeto;
  2. Nunca compre por uma dica;
  3. Nunca venda por necessidade;
  4. Exorcize o patrimônio e contemple o dividendo.
Compartilhe esta publicação: