Por que Israel se tornou um porto seguro para os bilionários russos?

Israel é um dos passaportes mais comuns entre os bilionários nascidos na Rússia, e uma repressão aos chamados programas de “passaporte dourado” na Europa significa que o destino vai ficar ainda mais popular.

Jemima McEvoy
Compartilhe esta publicação:
Forbes
Forbes

Igor Bukhman e Mikhail Fridman, bilionários russos que têm cidadania de Israel

Acessibilidade


Igor Bukhman e seu irmão Dmitri nasceram e foram criados em Vologda, na Rússia. Foi lá que eles construíram as bases de sua empresa, a Playrix, uma desenvolvedora de jogos para celular que acabaria se tornando uma das maiores do mundo, cunhando uma fortuna estimada em US$ 16,2 bilhões (R$ 80 bilhões) para a dupla. Embora a guerra na Ucrânia fosse apenas um vislumbre no horizonte, cerca de uma década atrás, os irmãos começaram a se sentir inseguros na Rússia. Um desentendimento com a polícia por causa de algumas terras que eles haviam comprado os deixou no limite e eles decidiram sair logo depois.

Felizmente para os Bukhmans, eles tinham um caminho de saída fácil. Devido a sua ascendência judaica, os irmãos poderiam se qualificar para a cidadania israelense através da “Lei do Retorno” do país. “É bastante simples se você puder provar suas raízes judaicas”, disse Bukhman, que recentemente foi capa da Forbes por sua luta contra a presença dividida da Playrix na Rússia e na Ucrânia em meio à guerra. “Como meus pais são judeus, foi muito fácil no meu caso.” Eles fizeram as malas e se mudaram para Israel em 2016 antes de se mudarem para Londres em 2020.

Leia mais: O que é um oligarca? Tudo o que você precisa saber sobre os bilionários da Rússia

“Não há parágrafo na Lei de Retorno que não permita que oligarcas judeus obtenham a cidadania israelense”.

Eli Gervits

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Assim como Bukhman, alguns bilionários nascidos na Rússia tiraram vantagem da “Lei do Retorno”, também conhecida como “Aliyah”, que concede entrada e passaporte automáticos a qualquer judeu ou qualquer pessoa que possa provar que tem pelo menos um avô judeu. Yuri Milner, que acumulou uma fortuna estimada em US$ 7,3 bilhões (R$ 35,98 bilhões) em investimentos oportunos, incluindo o apoio antecipado do Facebook e do Twitter, obteve a cidadania dessa maneira em 1999, segundo seu porta-voz, Leonid Solovyev. Nascido de pai judeu ucraniano e mãe judia russa, a “principal razão” de Milner para querer o passaporte era sua “herança judaica e forte conexão pessoal com a cultura judaica”, diz Solovyev. Ele se mudou com sua família para Israel em 2005, e suas duas primeiras filhas nasceram lá. Milner vive agora em São Francisco.

De acordo com o ranking da Forbes, mais de 40% dos 111 bilionários nascidos na Rússia têm pelo menos um outro passaporte (6% têm dois ou mais). Quase metade dos 35 bilionários sancionados têm dupla cidadania. Depois de Chipre, onde 15 bilionários têm cidadania graças à já extinta cidadania do país por investimento (um mínimo de dois milhões de euros era necessário) – ou “passaporte dourado” – o passaporte israelense é o segundo passaporte mais comum entre os bilionários nascidos na Rússia. Pelo menos 11 têm um, superando o Reino Unido (5) e Malta (3), que vêm a seguir.

Getty Images/ Paul Gilham
Getty Images/ Paul Gilham

Roman Abramovich é conhecido por ser dono do Chelsea FC, clube de futebol cuja administração ele entregou devido às sanções

A guerra na Ucrânia lançou uma luz dura sobre o programa de cidadania de Israel. Três dos mais importantes bilionários russos sancionados também são cidadãos israelenses: os cofundadores do Alfa Bank, Mikhail Fridman e German Khan, e Roman Abramovich, dono do Chelsea Football Club e o mais conhecido dos três. Ele fez sua fortuna através de uma grande participação na gigante petrolífera Sibneft, que vendeu em 2005 para a estatal russa Gazprom por US$ 13,1 bilhões (R$ 64,77 bilhões). Abramovich, que recebeu um passaporte israelense em 2018, foi visto em uma sala VIP no aeroporto internacional de Israel em março, dias depois de ter sido sancionado pelo governo do Reino Unido (ele também foi sancionado pela UE, Canadá, Austrália e Suíça). Israel permaneceu em grande parte neutro no conflito, embora esteja acomodando milhares de refugiados ucranianos.

Não são apenas os bilionários que estão olhando para Israel. O país parece estar atraindo uma ampla gama de residentes mais ricos da Rússia. O advogado de Israel Eli Gervits, especializado na “Lei do Retorno”, disse à Forbes que seu escritório de advocacia está vendo 25 vezes mais negócios em comparação com antes da guerra. O aumento é ainda maior do que após a anexação da Crimeia pela Rússia, observa ele. “Quase todas as pessoas que nos procuram não são da Ucrânia”, diz Gervits. “Eles não são da Rússia. Eles são de Moscou”, destacando a onda de consultas de empresários da capital do país.

“Sinto que nos próximos dois anos [os russos] terão um momento muito difícil nos negócios”, concordou David Angel, que dirige um escritório de advocacia com sede em Tel Aviv que ajuda pessoas de todo o mundo a imigrar para Israel. “É claro que os judeus vão querer chegar a Israel e se encontrarão em uma posição mais fácil para lidar com isso.” Angel diz que seu número de clientes aumentou 500% desde o início da guerra.

Leia mais: Conheça os imóveis extravagantes dos bilionários russos alvos de sanções

Uma pessoa que aparentemente está buscando esse passaporte é Mikhail Prokhorov, o magnata da mineração de níquel que até 2019 era dono do time de basquete Brooklyn Nets. Prokhorov supostamente chegou a Israel no início deste mês em um jato particular e preencheu a papelada para obter a cidadania israelense por meio da “Lei do Retorno”, de acordo com o Ynet. Prokhorov e o governo israelense não responderam a vários pedidos de comentários da Forbes. (Prokhorov não está na lista de oligarcas sancionados.)

Em parte, a cidadania israelense tornou-se mais atraente desde que recentemente se tornou muito mais difícil obter cidadania em outro lugar. Durante anos, os ricos e bem relacionados podiam efetivamente comprar a cidadania da UE por meio dos chamados esquemas de “passaporte dourado”, que conferiam cidadania a qualquer pessoa disposta a investir uma certa quantia. Desde o início da guerra, pelo menos três nações reprimiram esses passaportes em meio à crescente pressão da Comissão Europeia. O parlamento da Bulgária votou a favor de mudanças legislativas para encerrar seu esquema, que exigia um investimento de pelo menos 500 mil euros (R$ 2,61 milhões). Malta colocou seu esquema de “passaporte dourado” (investimento mínimo de 750 mil euros – R$ 3,91 milhões) em pausa para russos e bielorrussos e está considerando encerrá-lo completamente. Chipre revogou os passaportes de oito oligarcas, bem como de todos os seus dependentes.

Ao contrário de outros passaportes que podem levar anos para serem obtidos, normalmente leva apenas algumas semanas a alguns meses para garantir a cidadania israelense, embora Gervits diga que esse cronograma está flutuando por causa da guerra. Uma vez que uma pessoa tenha provado sua herança judaica para o Ministério de Assuntos Internos de Israel, ela recebe imediatamente um visto. Um passaporte pode ser retirado assim que a pessoa conseguir chegar a Israel (obviamente ajuda se você tiver um jato particular). Notavelmente, o país não rejeitará pedidos com base na sensibilidade política. As únicas razões pelas quais alguém será impedido de entrar em Israel através da “Lei do Retorno” é se tiver antecedentes criminais, uma doença contagiosa ou um histórico de terrorismo.

“Não há nenhum parágrafo na lei do retorno que não permita que os oligarcas judeus obtenham a cidadania israelense”, diz Gervits, destacando que ela foi criada há mais de 70 anos, após o Holocausto. “Ninguém pensava então em oligarcas, na guerra entre a Rússia e a Ucrânia.”

Leia mais: Bilionários russos dão jeitinho profissional para escapar de sanções

Além do passaporte, a cidadania israelense traz outros benefícios para os bilionários. Novos imigrantes em Israel recebem uma isenção de 10 anos de declaração e pagamento de impostos sobre a renda obtida no exterior. Além disso, o país não tem sua própria lei de sanções, o que significa que não há procedimentos legais específicos para decretar as sanções implementadas por outros países. No entanto, os líderes israelenses enfatizaram que o país não será usado como refúgio para os ricos escaparem das sanções e tem uma força-tarefa dedicada para “lidar com as repercussões das sanções”. “A cidadania israelense não é uma forma de fugir das sanções, nem perto disso”, diz Gervits.

“Por causa de Abramovich – e outros – as autoridades israelenses estão chateadas e estão tentando dificultar (a obtenção da cidadania).”

Michael Decker

Outros países, como Espanha e Áustria, têm caminhos semelhantes para pessoas de ascendência judaica. A lei de 2015 de Portugal, que dá aos descendentes de judeus sefarditas que foram expulsos da Península Ibérica no final do século 15 o direito de reivindicar a cidadania, tem estado em destaque ultimamente. Foi assim que Abramovich adicionou um passaporte da UE a sua papelada em abril de 2021. No entanto, questões sobre os laços sefarditas de Abramovich (Abramovich é um sobrenome Ashkenazi comum, mas não sefardita) provocaram um turbilhão de repercussões em Portugal, incluindo um inquérito interno do governo, a prisão do rabino que facilitou a naturalização de Abramovich e uma mudança na lei sob a qual ele obteve sua cidadania. A cidade do Porto, onde o rabino de Abramovich liderava a comunidade judaica, disse que não vai mais colaborar com o Estado português para certificar os pedidos.

“Roman Abramovich arruinou totalmente nosso negócio”, diz Michael Decker, sócio e especialista em direito de imigração israelense da Decker Pex Ofir & Co. “Por causa dele perdemos todos os nossos negócios com cidadania portuguesa. E por causa dele – e de outros – as autoridades israelenses estão chateadas e estão tentando dificultar [a obtenção da cidadania].”

Decker disse que Israel agora está pressionando por provas de que um candidato à “Lei do Retorno” realmente viverá no país, embora ele diga que isso é quase impossível provar.

A capacidade de bilionários russos sancionados de fugir para países como Israel provocou muita oposição. Embora reconheça que há “razões legítimas para querer ter um segundo passaporte”, Eka Rostomashavili, da agência anticorrupção Transparência Internacional, argumenta que alguns desses bilionários sancionados por suas conexões com o Kremlin “têm passaportes da UE porque provavelmente não querem para viver na bagunça que eles ajudaram a criar.”

Mesmo que os oligarcas russos sofram maior pressão, não há risco realista de que eles sejam totalmente excluídos de Israel, diz Decker. O governo de Israel pode tomar algumas medidas para dificultar a obtenção do passaporte, como colocar mais ênfase no requisito de residência, mas não rejeitará pessoas por suas conexões políticas ou antecedentes. “É o oposto. Se você está em uma crise política, Israel deveria ser um porto seguro para os judeus ao redor do mundo”, diz Decker. “Seria inconstitucional para Israel não salvar um refugiado judeu. É nossa obrigação.”

A Forbes conta com 11 bilionários nascidos na Rússia com cidadania israelense, tornando-se o segundo passaporte mais comum depois de Chipre. Veja a lista completa:

  • Roman Abramovich
  • Dmitri Bukhman
  • Igor Bukhman
  • Mikhail Fridman
  • Viatcheslav Kantor
  • Alemão Khan
  • Alexander Mamut
  • Alexander Nesis
  • Yuri Milner
  • Yuri Shefler
  • Gavril Yushvaev

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: