Dólar cai a R$ 5,16 após contração do PIB dos Estados Unidos

Resultado do produto interno bruto ficou abaixo da expectativa do mercado e levou a moeda ao quarto pregão consecutivo de quedas

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Ilustração/Reuters

A desvalorização ocorre em meio a cenário externo desafiador

Acessibilidade


O dólar segue em tendência de queda. Na sessão de hoje (28), a moeda norte-americana registrou seu quarto pregão consecutivo de perdas, caindo 1,62%, a R$ 5,1633 — menor valor desde 21 de junho.

Nessas quatro sessões, o dólar perdeu 5,93% ante o real, a maior desvalorização para o período desde novembro de 2020. No mês, a divisa acumula variação negativa de -1,54%.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A desvalorização ocorre em meio a um cenário externo desafiador, com o mercado digerindo a divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados Unidos, que veio abaixo das expectativas, e o aumento dos juros anunciado na véspera pelo Federal Reserve, o banco central norte-americano.

A retração da economia dos EUA no segundo trimestre pesou sobre a cotação da moeda no mercado estrangeiro, já que o resultado reduz as apostas do mercado para um novo aumento da taxa de juros do país.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A desaceleração do aperto monetário – ou seja, reajustes menores dos juros ou manutenção do patamar atual – pode ser um obstáculo para a valorização do dólar. Isso acontece porque a divisa geralmente sobe quando os retornos da dívida soberana dos Estados Unidos aumentam.

Ontem (27), a moeda norte-americana também caiu, registrando desvalorização de 1,89%, a R$ 5,2482 na venda, o que conferiu ao real o segundo melhor desempenho global na sessão.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: