Startups da América Latina receberam mais de US$ 36 bilhões em 5 anos

Pesquisa da Sling Hub coloca o Brasil como protagonista do mercado na região.

Gabriela Del Carmen
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Os executivos da Sling Hub: João Ventura, CEO e fundador, Maria Miranda, COO, e Felipe Lipkin, CDO

Acessibilidade


A América Latina vem ganhando destaque no mercado de venture capital. Nos últimos cinco anos, as startups da região receberam mais de US$ 36 bilhões em investimentos, de acordo com o relatório divulgado hoje (29) pela Sling Hub, plataforma brasileira de inteligência de dados. “Foram 175 rodadas de captação. As 10 maiores receberam, juntas, US$ 14,2 bilhões, cerca de 40% do valor total investido”, diz João Ventura, CEO da Sling Hub. O estudo, que contempla 24.409 empresas e 656 investidores, indica que 48% das rodadas captaram valores de até US$ 1 milhão e 52% ocorreram com startups em estágio inicial (seed).

O Brasil tem o protagonismo desde 2018 quando, em um único ano, produziu seus primeiros sete unicórnios (startups avaliadas em pelo menos US$ 1 bilhão): iFood, 99, PagSeguro, Nubank, Arco Educação e Ascenty. “Os unicórnios são uma forma de mensurar como está o mercado no país, pois se refere às maiores startups. O lugar onde há empresas desse tipo chama atenção de investidores internacionalmente”, diz Ventura. Em 2020, o país recebeu mais de 60% dos investimentos da América Latina e hoje concentra 77% das startups e 60% dos unicórnios da região. “A economia e a população brasileiras são muito maiores do que as dos outros países latinoamericanos, o que impulsiona os negócios.” Atrás do Brasil estão o México e o Chile, que hospedam 8% e 5% das startups da América Latina, respectivamente. Em seguida, está a Argentina (5%), Colômbia (4%), Peru (1%) e Uruguai (1%).

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

O país também é o que mais se destaca em relação a fusões e aquisições: 83% de todas as startups compradas na América Latina são brasileiras. Em 2021, a projeção é que o número de aquisições latinoamericanas atinja um novo recorde. No ano passado, 200 startups foram adquiridas por aqui. Em oito meses de 2021, esse número já estava em 195. “A Magalu é hoje a maior compradora de startups na América Latina, pois já comprou 25 empresas”, diz Ventura.

Cerca de 10% das startups da América Latina são fintechs, seguido das edutechs (6%) e healthtechs (6%). “Os grandes bancos brasileiros controlavam todo o setor, desde conta corrente a investimentos e empréstimos. Nos últimos anos, começaram a surgir fintechs especializadas em cada uma dessas vertentes”, diz Ventura. Exemplo disso é a Creditas, de crédito, a Stone, de meios de pagamentos, e o Nubank, com foco em conta corrente. Das 2.194 fintechs da região, 1.389 são brasileiras. Estão aqui também a maior parte das edutechs (1.096 das 1.329) e healthtechs (1.037 das 1.321).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: