Por que a Apple adquiriu uma fintech 'Open Banking'?

Aquisição da Credit Kudos, por US$ 150 milhões, levantam questionamentos sobre a estratégia baseada no conceito de compartilhamento de dados.

Ron Shevlin
Compartilhe esta publicação:
Reprodução

São várias as teses em torno da nova aquisição da Apple, dentre elas, a ampliação das atuações na área de finanças da empresa

Acessibilidade


Toda vez que a Apple faz uma aquisição, o mundo da tecnologia e também o chamado fintechverse, entra em um modo extremo de especulação. O objetivo é tentar descobrir por que a empresa fez a compra e o que planeja fazer com a startup adquirida. Por um valor de US$ 150 milhões, a fintech britânica Credit Kudos, agora faz parte do ecossistema Apple. E algo chamou a atenção neste contexto, o fato de a startup se descrever como uma fintech “Open Banking”.

De acordo com a descrição em seu próprio site, a Credit Kudos afirma seu propósito: “Nossos produtos inteligentes permitem que as empresas aproveitem o Open Banking para melhorar a acessibilidade e as avaliações de risco. Nossos insights preditivos são construídos combinando dados de transações e resultados de empréstimos. Nossos produtos ajudam os credores a otimizar a subscrição, melhorar a precisão na tomada de decisões e apoiar os clientes após a aquisição por meio de nossas ferramentas de engajamento.”

LEIA TAMBÉM: Apple além do iPhone: o impacto dos serviços no recorde de receitas

Embora a Credit Kudos descreva seus produtos como uma plataforma de ajuda aos credores – cujo objetivo geralmente é fazer com que as pessoas atinjam o máximo de suas dívidas e ganhem dinheiro com a incapacidade dos tomadores de pagá-las imediatamente – tenha certeza de que, como praticamente todas as outras startups de fintech no planeta, a “missão” da empresa é muito mais altruísta, prometendo: “Transformar o sistema de pontuação de crédito para fornecer crédito mais justo para todos; ajudando as pessoas a ter acesso a financiamento responsável que podem pagar, quando precisam.”

Agora que conhecemos o propósito da Credit Kudos, vamos entender, por meio de quatro possibilidades, os objetivos da Apple com esse movimento?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

1) Apple Card no Reino Unido

Por meio de sua parceria com o Goldman Sachs, a Apple lançou seu cartão de crédito Apple Card nos EUA há alguns anos. O Credit Kudos é o caminho para oferecer o Apple Card no Reino Unido? Dada a especialização do Credit Kudos – fornecendo uma alternativa rápida à pontuação de crédito tradicional por meio de métodos bancários abertos – é possível que a Apple queira trazer seus serviços internamente para apoiar o lançamento de seu novo produto no Reino Unido.

2) Oferta de um serviço Compre agora, Pague depois

O Times levantou a hipótese de que a aquisição da Credit Kudos pela Apple “provavelmente acelerará sua mudança para tecnologia de pagamentos e produtos como compre agora, pague depois”. Simon Taylor, da consultoria fintech britânica 11:FS, disse: “O Open Banking é a chave para o BNPL. Em vez de forçar os consumidores a fazer um crédito total apenas para comprar uma jaqueta de US$ 50, porque não verificar rapidamente sua acessibilidade e crédito diretamente de sua conta bancária?”.

3) Ativar pagamentos entre contas via Apple Pay

Outros palpites sobre o que a Apple poderia fazer com Credit Kudos incluem alavancar a tecnologia da fintech para integrar pagamentos de conta a conta no Apple Pay, permitindo que os usuários do Reino Unido pagassem diretamente seus gastos por meio do seu serviço.

LEIA TAMBÉM: Além do trilhão: os momentos cruciais da Apple em 2022

4) Tecnologia ou Talento

Outra possibilidade que se encaixaria nas tendências anteriores da Apple, é que a aquisição foi motivada por uma apropriação especulativa de terras, tanto do nicho de mercado quanto do talento dos funcionários. Sim, claro, isso é uma possibilidade . Mas a Apple vai querer a tecnologia ou talento por algum motivo em algum momento, então postular que a empresa gastou US$ 150 milhões para uma startup sem ideia de como ela colocaria a tecnologia e as pessoas em uso parece irracional.

Compartilhe esta publicação: