Burberry enfrenta reação negativa na China em relação ao algodão de Xinjiang e outras marcas de luxo podem enfrentar boicote

Kevin Lee/Getty Images
Kevin Lee/Getty Images

Uma mulher caminha em frente à loja principal da Burberry em Xangai, na China

A britânica Burberry é a primeira marca de luxo a ser atingida na China em uma reação contra as sanções ocidentais impostas por supostos abusos aos direitos humanos na região de Xinjiang, seguindo varejistas como H&M e Nike que foram boicotadas por compradores chineses esta semana depois que expressaram preocupações sobre o algodão proveniente da região chinesa, um dos maiores produtores mundiais da matéria-prima.

A embaixadora da Burberry e atriz Zhou Dongyu suspendeu seu contrato com a marca ontem (25), dizendo que a fabricante de gabardines não havia “declarado clara e publicamente sua posição sobre o algodão de Xinjiang”, de acordo com um comunicado divulgado pela “Reuters”.

LEIA TAMBÉM: Conheça a trajetória da designer de joias da Tiffany & Co. Elsa Peretti

O xadrez bege, preto e vermelho da marca também foi removido na última quinta-feira de um dos videogames de melhor desempenho da China, o “Honor of Kings”, de propriedade da Tencent, dias após o anúncio da parceria entre a Burberry e o jogo.

Fontes citadas no “South China Morning Post” disseram que a decisão estava ligada à adesão da Burberry a BCI (Better Cotton Initiative, iniciativa por um algodão melhor, em tradução do inglês), um projeto de sustentabilidade do algodão que no ano passado suspendeu seus vínculos com Xinjiang por alegados abusos de direitos humanos e trabalhistas.

Revidando as sanções, a China impôs hoje (26) suas próprias punições contra nove legisladores do Reino Unido que se manifestaram contra Xinjiang, incluindo a parlamentar conservadora Nusrat Ghani, que incitou o governo britânico a agir contra os “campos de escravos” na região.

A pressão aumentou sobre os varejistas nos últimos meses para cortar o uso do algodão de Xinjiang, já que evidências crescentes sugerem que até um milhão de pessoas da maioria da população uigur muçulmana da região foram detidas em campos de ‘reeducação’ e de trabalho, onde foram supostamente forçados a colher algodão e trabalhar para fabricantes de roupas.

A Burberry não respondeu ao pedido de declarações da Forbes, mas a empresa proibiu o uso do algodão de Xinjiang e, em novembro, disse ao comitê empresarial do governo do Reino Unido: “Não temos operações em Xinjiang, nem trabalhamos com fornecedores baseados lá.”

O mercado de luxo da China cresceu 48% em 2020, de acordo com a Bain, consolidando o país como o mercado de crescimento mais rápido do mundo para produtos de luxo e cada vez mais importante para as marcas de luxo. O país tem sido uma tábua de salvação para marcas do setor que foram fechadas em outros mercados globais por causa da pandemia, incluindo a Europa. Enquanto o mercado global de luxo caiu quase um quarto em 2020, a China dobrou sua participação para 20%, de acordo com a Bain. A pressão crescente do país sobre as marcas para derrubar sua proibição ao algodão de Xinjiang significa que as marcas de luxo enfrentam um confronto entre os governos ocidentais e os chineses, por causa de uma das maiores questões de direitos humanos em décadas.

VEJA MAIS: As 10 atrizes mais bem pagas da última década

Outras marcas de luxo que fazem parte do BCI também serão atingidas. O proprietário da Louis Vuitton, LVMH – o maior conglomerado de luxo do mundo de propriedade da terceira pessoa mais rica do mundo, Bernard Arnault – também faz parte do BCI. A empresa já havia dito que não compra diretamente as matérias-primas e não revelou anteriormente quanto do algodão usado por suas marcas vem da China, de acordo com a “Business of Fashion”. A Forbes entrou em contato com a LVMH para comentar.

O crescente mercado de luxo da China é um prêmio para as principais empresas de moda do mundo, mas navegar nas correntes políticas e sociais ditadas pelos governantes comunistas da China e suas redes sociais fortemente monitoradas têm se mostrado um desafio para as marcas. A D&G enfrentou uma reação do consumidor em 2018 por causa de uma campanha publicitária racialmente insensível, enquanto várias marcas, incluindo a Versace, tropeçaram em questões delicadas em torno do status de Hong Kong, Macau e Taiwan. Essas brigas aconteceram em meio a uma guerra comercial que se intensificou entre os Estados Unidos e a China durante a presidência de Donald Trump, enquanto os protestos contra a polêmica lei de segurança nacional de Pequim estavam em andamento em Hong Kong. No entanto, a última disputa ocorre depois que EUA, Reino Unido, Canadá e União Europeia impuseram sanções à China nesta semana, visando altos funcionários em Xinjiang, que eles dizem estar supervisionando o trabalho forçado, abuso sexual e estupro, e detenção em massa de uigures e grupos étnicos minoritários na região. A China negou isso e acusou as nações ocidentais de “desinformação”, enquanto impôs suas próprias sanções às autoridades europeias e britânicas em retaliação.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).