Volta aos cinemas: conheça a rede que dobrou de tamanho na pandemia

A rede norte-americana Evo Entertainment juntou filmes com outros serviços de entretenimento, como boliche e fliperama.

Christopher Helman
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Com 25 anos, Mitch Roberts está à frente da rede de cinemas Evo Entertainment

Acessibilidade


Os últimos dois anos foram horríveis para o setor dos cinemas – a menos que você seja Mitch Roberts. Enquanto a maioria dos espaços permaneceu fechada, ele expandiu e transformou um passeio ao cinema na memorável mistura de boliche, jogos de fliperama, comida caseira e bebida na Evo Entertainment.

Quando o governador do Texas, Greg Abbott, permitiu que os cinemas do estado, fechados pela Covid-19, reabrissem com 25% da capacidade em 1º de maio de 2020, a maioria dos operadores aceitou – sem se importar com as chances de se tornar um polo de transmissão. Sem novos lançamentos e poucos clientes, as finanças simplesmente não faziam sentido. Mitch Roberts discordou.

VEJA TAMBÉM: Indicados ao Oscar 2022: as maiores surpresas e os esnobados

Com apenas 25 anos, ele construiu a Evo Entertainment, com sede em Austin, com seis espaços no Texas com um total de 57 telas, 38 pistas de boliche, serviço completo de refeições, 200 jogos de fliperama – e uma dívida de US$ 42 milhões (cerca de R$ 215 milhões, na cotação atual). Sobre quando suas operações tiveram que fechar seis semanas antes, ele diz: “Minha reação inicial foi de medo. Minha segunda reação imediata foi, vamos nos preparar para a reabertura.”

Roberts começou a mostrar clássicos cult como “Grease” e “Os Goonies” e alugou as salas ociosas para jogadores que queriam jogar Fortnite em uma tela de 20 metros. Ele improvisou novos fluxos de receita: pintando o exterior de dois cinemas de branco para servir como telas de drive-in, transformando 3,5 hectares de pastagem em campos de paintball e embalando galões de margaritas e kits de lanches noturnos de cinema em casa para retirada e delivery.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Enquanto muitos concorrentes permaneciam fechados, ele gerou burburinho com um festival de cinema drive-in no verão e um falso canteiro de abóboras com filmes de terror e milk-shakes de Halloween, com e sem álcool. “[Outros] viram a crise e ficaram esperando ela passar”, diz ele. “Nós adotamos a abordagem de lembrar as pessoas que há um lugar para você aqui.”

Apesar disso, as receitas da Evo caíram 60%, para apenas US$ 20 milhões (R$ 102 milhões) em 2020. Roberts permaneceu à tona apenas devido à tolerância temporária de seu banco e, em seguida, US$ 21 milhões (R$ 107 milhões) do governo federal, vindos de um fundo destinado especialmente a locais de entretenimento fechados. “Um milagre absoluto”, diz ele.

Entre a agitação de Roberts e o relaxamento anterior das restrições do Covid no Texas, a Evo se recuperou bem mais rápido do que muitos de seus concorrentes da área. Em 2021, as vendas foram apenas 15% menores do que em 2019 e, no segundo trimestre, a operação voltou a ser lucrativa. Roberts possui 60% da Evo, e suas duas irmãs têm o resto.

VEJA TAMBÉM: “Ainda seguimos no escuro”, diz Marcos Barros, da Cinesystem, sobre os cinemas na pandemia

À medida que a pandemia se arrastava, uma série de redes anunciou fechamentos permanentes, enquanto outras – como a Alamo Drafthouse, com sede em Austin e que foi pioneira em servir bebida aos espectadores há um quarto de século – se reorganizaram em falência.

Mas Roberts entrou em modo de expansão, usando quatro estabelecimentos desocupados do Texas (incluindo a Southlake Town Square, em Dallas), que agora ele está transformando em uma flagship com sete salas de cinema e jantar, poltronas reclináveis ​​aquecidas, laser tag, carrinhos de bate-bate, minigolfe e circuito interno de cordas.

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Roberts em seu multiplex em Schertz, no Texas, onde os garçons entregam comida diretamente em seu assento reclinável confortável

Para financiar US$ 30 milhões (R$ 154 milhões) em reformas nessas quatro propriedades e financiar mais expansões sem aumentar sua dívida bancária de US$ 40 milhões (R$ 205 milhões), Roberts contratou Bryan Sheffield, um milionário de 43 anos. “Achei que ele estava louco no começo”, admite Sheffield, um petroleiro de terceira geração. Mas após meses de discussões, ele concluiu que Roberts estava no caminho certo – o “negócio da multidão” sobreviveria não apenas ao Covid, mas também streaming e a TVs baratas de 65 polegadas.

“Vivemos em uma economia de experiência. As pessoas anseiam por isso. Eles querem ficar juntos”, declara Roberts, membro da Forbes 30 Under 30 dos EUA deste ano. Sob o acordo, Sheffield comprometeu até US$ 125 milhões (cerca de R$ 641 milhões) para reformar e comprar propriedades. A Evo receberá uma taxa de administração de cerca de 2,5% das receitas das propriedades financiadas por Sheffield e, se superarem os obstáculos de lucratividade, também algum patrimônio.

Talvez não seja surpreendente que Sheffield e Roberts se deem bem. Ambos entraram em negócios familiares, mas se desenvolveram por conta própria. Sheffield iniciou a Parsley Energy em 2008, assumindo a gestão de 109 dos antigos poços de petróleo de seu avô e garantindo os direitos de perfuração a partir daí. No ano passado, a Parsley foi adquirida pela rival Pioneer Natural Resources (administrada pelo pai de Sheffield) por US$ 4,5 bilhões (R$ 23 bilhões) em ações.

Roberts, por sua vez, é um empresário de cinema de quarta geração. Mais notavelmente, seu avô materno, Lee Roy Mitchell, fundou o Cinemark e, aos 85 anos, ainda é presidente com uma participação de 9% (agora no valor de US$ 150 milhões, ou cerca de R$ 770 milhões) na cadeia de 524 cinemas e 5.897 telas.

Quando criança, Roberts pegava pipoca e reenchia potes de picles em um cinema de propriedade de seus pais. Essa experiência o levou a odiar picles e ansiar por um pedaço da ação. Aos 13 anos, quando seu avô Lee Roy deu a ele um caro jogo de fliperama de dois atiradores no Natal, ele o mudou (com a aprovação do avô) para o cinema de seus pais e dividiu a receita com eles metade/metade, usando sua parte para comprar outros jogos de fliperama – que também renderiam dinheiro extra.

Aos 17 anos, Roberts pretendia levar complexos de entretenimento como o Dave & Buster’s ao próximo nível. Em uma viagem de pesca, ele pediu apoio financeiro ao avô. Ele recusou, mas concordou em ajudar a aprimorar seu plano de negócios de 50 páginas. As conexões — e os conselhos do avô — ajudaram a abrir portas para Roberts.

VEJA TAMBÉM: Oprah Winfrey é a mulher mais poderosa do entretenimento em 2021

Mesmo assim, oito bancos e escritórios familiares o recusaram antes que o Capital One concordasse em emprestar ao adolescente US$ 15 milhões (R$ 77 milhões) para comprar quatro hectares em Kyle, Texas, 35 quilômetros ao sul de Austin, e construir seu primeiro complexo lá.

Com o financiamento alinhado, em 2014, Roberts desistiu do seu primeiro ano na faculdade Texas State para construir a instalação de 6.500 metros quadrados, incluindo 11 telas, 14 pistas de boliche, um fliperama e uma cozinha completa, que oferecia hambúrgueres, pizza e até mesmo salmão teriyaki. Ele rapidamente gastou “cada centavo” dos US$ 15 milhões (R$ 77 milhões) e em breve atualizará os assentos do cinema para poltronas reclináveis com bandejas​​ de US$ 600.

É luxo com propósito. Assim como os cinemas tradicionais basicamente atingem o ponto de equilíbrio com a venda das bilheterias, mas ganham dinheiro vendendo pipoca e refrigerantes gigantes, a Evo usa seus filmes como isca para vender itens de maior margem aos clientes. Roberts transfere mais de 55% das receitas de bilheteria para os estúdios, mas mantém quase toda a receita de boliche, jogos de arcade, pipoca, cerveja e margaritas, com margens de lucro brutas de até 90%.

Divulgação
Divulgação

A Evo Entertainment investe em uma série de jogos e fliperamas

Para equilibrar sua própria inexperiência, Roberts abasteceu a equipe executiva da Evo com veteranos de cinema e restaurantes, seguindo, diz ele, a advertência do avô: “Se você é a pessoa mais inteligente da sala, está na sala errada”. (Em 2020, ele também contratou o diretor de operações de longa data da Alamo Drafthouse.)

O timing de Roberts estava certo. Sucessos de bilheteria como “Jurassic World”, “Star Wars: Os Últimos Jedi” e “Pantera Negra” ajudaram a bilheteria dos EUA a arrecadar mais de US$ 11 bilhões por ano de 2015 a 2019. Roberts expandiu e pegou emprestado outros US$ 25 milhões (R$ 128 milhões) da Capital One para construir um espaço de dez telas em Schertz, a 35 km de San Antonio. Foi inaugurado em 2019.

Naquele ano, “Vingadores: Ultimato” se tornou o segundo filme de maior bilheteria de todos os tempos e deu a Evo seu melhor fim de semana de receita de todos os tempos. Ao todo, a Evo conseguiu US$ 50 milhões (R$ 256 milhões) com 2,5 milhões de clientes em 2019 – uma média de US$ 20 por entrada. Suas melhores unidades geraram mais de US$ 25 por cabeça com margens operacionais de 20%, acima da média do setor.

VEJA TAMBÉM: Quem são os 25 artistas mais bem pagos dos EUA

Então a Covid-19 chegou. A bilheteria doméstica caiu para US$ 2,1 bilhões (R$ 10,7 bilhões) em 2020, voltando para US$ 4,5 bilhões (R$ 23 bilhões) em 2021. Em dezembro passado, Roberts viu a chegada de um novo grande evento quando a Evo vendeu 62 mil ingressos no fim de semana de lançamento de “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa” – superando até mesmo “Vingadores: Ultimato” em 2019. No Texas, apesar da variante Ômicron, não havia requisitos de vacina, verificações de temperatura ou limites de capacidade.

Na véspera de Natal, a parceria Roberts-Sheffield completou seu primeiro grande negócio, com Sheffield pagando cerca de US$ 70 milhões (R$ 359 milhões) pela rede Showbiz, com nove espaços, construída pelo tio materno de Roberts desde 2015. “Nós gostamos de ‘boomburbs’ (cidades com rápido crescimento). Adoro ver um novo braço sendo construído”, diz Roberts. A dupla está buscando acordos em todo o país, inicialmente apenas no Texas, Flórida e Colorado, com menos restrições em relação à Covid.

“Ninguém está comprando cinemas e casas de shows. Mas eles não vão embora”, diz Sheffield. “Quando os lockdowns terminarem, a demanda reprimida será importante.”

Agora com 16 locais, 148 telas e 108 pistas de boliche, Roberts espera mais de US$ 125 milhões (cerca de R$ 641 milhões) em vendas neste ano. E ele ainda está aprimorando seu modelo da era da pandemia. “Estamos experimentando as cápsulas”, diz ele. As cápsulas são assentos para casais, com distância e privacidade de outros espectadores, seja para proteção contra a Covid ou para outros benefícios.

Compartilhe esta publicação: