Sistema de Saúde no Brasil já entrou em colapso, diz Fiocruz

25 das 27 unidades da federação estão com lotação acima de 80% nas UTIs e 19 capitais com comprometimento acima dos 90%.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Diego Vara/Reuters
Diego Vara/Reuters

Pacientes infectados por Covid-19 internados em hospital de Porto Alegre, março de 2021

Acessibilidade


Com 25 das 27 unidades da federação com lotação acima de 80% nas UTIs e 19 capitais com comprometimento acima dos 90% devido à pandemia de Covid-19, o sistema de saúde brasileiro entrou em colapso, o maior da história, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O acompanhamento semanal feito pelos cientistas da Fundação mostra um aumento rápido na ocupação dos hospitais desde janeiro, mas uma aceleração cada vez maior desde o início de fevereiro até chegar na situação atual. Apenas dois Estados, Roraima e Rio de Janeiro, ainda não chegaram aos 80% de ocupação de UTIs –estão com 73% e 79% de ocupação das UTIs, respectivamente–, mas com a velocidade de contaminação ainda altíssima, podem alcançar esse patamar em breve.

LEIA TAMBÉM: Anvisa recomenda continuidade do uso da vacina da AstraZeneca

De acordo com a Fiocruz, apesar dos esforços de prefeitos e governadores para abrir novos leitos, a ocupação alta se mantém estável na maior parte dos Estados e vem aumentando em outros.

“Em termos gerais, os números elevados denotam o colapso do sistema de saúde para o atendimento de pacientes que requerem cuidados complexos para a Covid-19, além de prejuízos imensuráveis no atendimento de pacientes que demandam cuidados em razão de outros problemas de saúde”, diz o boletim.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na maior parte dos locais, cirurgias eletivas e internações que possam ser postergadas foram adiadas por falta de leitos e outras doenças também deixam de ser atendidas, o que piora a situação geral da população.

Os pesquisadores lembram ainda que o crescimento acelerado do número de casos de Covid-19 em todo país levou a uma sincronização da pandemia, o que impede a transferência de doentes de um Estado em situação pior para onde houvesse mais leitos, como aconteceu com o Amazonas no início do ano. Não existe mais situação melhor no país.

O cenário futuro traçado pela Fiocruz também não traz alento, com a taxa de transmissão ainda em crescimento acelerado. Os pesquisadores mostraram que o número de casos cresce a uma taxa de 1,5% ao dia, e o número de óbitos por Covid-19 aumenta em 2,6% ao dia.

“Esse crescimento de casos certamente vai gerar uma grande quantidade de casos graves, que exigem internação, num momento em que os hospitais apresentam sinais de superlotação”, diz o boletim da fundação.

O remédio apontado pelos pesquisadores é o mesmo defendido por especialistas dentro e for a do Brasil e que, até agora, o governo federal se recusa a aceitar: restringir todas as atividades não essenciais, incluindo qualquer tipo de evento, aulas presenciais, fechamento de praias e bares, incentivo ao trabalho remoto, instituição de barreiras sanitárias nacionais e internacionais, ampliação de testagem e acompanhamento dos testados.

VEJA MAIS: Ministério da Saúde assina acordos de 138 milhões de doses com Pfizer e Janssen

O boletim cita como exemplo da efetividade das políticas de lockdown severo a cidade paulista de Araraquara, que teve um rápido crescimento no número de casos e chegou a 100% de UTIs ocupadas no início de fevereiro. Depois de duas semanas de lockdown severo, a média móvel dos casos, de acordo com a Fiocruz, caiu 43%.

O presidente Jair Bolsonaro é crítico das medidas de distanciamento social para restringir a disseminação do vírus e ataca constantemente prefeitos e governadores que as adotam.

Na última terça-feira (16), de acordo com dados do Ministério da Saúde, o Brasil bateu o recorde diário de mortes causadas pela Covid-19, 2.841 em 24 horas. O país registrou até terça 282.127 óbitos por Covid-19, segundo maior número do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: