AMD lança nova geração de chips para servidores

Google e Twitter estão entre os clientes do novo processador de dados.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters

A AMD concorre com a Intel para fornecer chips para centros de dados que alimentam serviços baseados na internet

Acessibilidade


A AMD lançou na última quarta-feira (07) a segunda geração de seu chip processador para centros de dados e informou que havia conseguido o Google, da Alphabet, e o Twitter como clientes.

VEJA TAMBÉM: AMD apresenta novos chips e mira contra Intel e Nvidia

A AMD concorre com a Intel para fornecer chips para centros de dados que alimentam serviços baseados na internet. Ambas as empresas passaram a confiar em chips de centros de dados para seu crescimento, porque as vendas de computadores pessoais estagnaram quando os usuários mudaram para dispositivos móveis.

A mais nova geração de chips para servidores da AMD, chamada EPYC, usa uma nova tecnologia de produção de seus fabricantes contratados, que ajuda os chips a terem melhor desempenho e consumirem menos energia.

A Intel, que produz chips em suas próprias fábricas, em vez de depender de fabricantes terceirizados, está atrasada na entrega de chips feitos com seu próprio processo de fabricação. Ela planeja lançá-los no próximo ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A AMD tentou tirar proveito disso cortejando alguns dos maiores clientes da Intel, como o Google.

A AMD informou hoje (08) que o Google está usando seu chip de servidor EPYC de segunda geração nos centros de dados internos da empresa e que o Google oferecerá a desenvolvedores externos como parte de suas ofertas de computação em nuvem no final deste ano. É a primeira vez que o Google reconhece publicamente o uso dos chips EPYC da AMD.

E AINDA: Ações da AMD sobem após parceira com Samsung

A Intel, que disse que o Google e o Twitter continuam sendo clientes, é o principal fornecedor de chips para centros de dados, com mais de 90% do mercado sob seu controle.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: