Como uma empreendedora começou seu negócio durante uma recessão e teve sucesso

Divulgação - Site Purely Elizabeth
Divulgação - Site Purely Elizabeth

Granola com ingredientes de alto padrão da Purely Elizabeth

Elizabeth Stein iniciou sua empresa, Purely Elizabeth, logo após a recessão econômica de 2007/2008. Ela espera que os empreendedores de hoje superem os altos e baixos financeiros de um mercado volátil.

Nos seus primeiros três anos, a marca Purely Elizabeth, famosa por sua granola, teve um crescimento de 230% a 260% ano a ano, diz ela. Isso tudo oferecendo o que era considerado um produto “premium” em uma categoria cheia de granolas açucaradas, feitas com ingredientes baratos. Especialistas, diz ela, especularam que a empresa não seria capaz de manter esse crescimento rápido. Mas, de 2014 a 2018, a marca continuou a crescer a uma taxa de 65%. Em 2017, o braço de investimento da General Mills, 301 Inc., investiu US$ 3 milhões no negócio.

LEIA MAIS: Cofundador do Instagram lança site com informações sobre Covid-19

“Tenha pessoas encorajadoras e solidárias ao seu lado, que permitem que você mude e entre em um empreendimento. E não se preocupe em ter tudo perfeito antes do lançamento. Muitos empreendedores se prendem ao processo de planejamento”, aconselha Stein.

Por ter auto-financiado a empresa, Stein teve controle total nos primeiros anos, diz ela. Isso a levou a se concentrar nos ingredientes: pagar o preço mais alto por ingredientes como aveia orgânica sem glúten e açúcar de coco. “A diferença de preço foi significativa: nossa aveia orgânica sem glúten custava US$ 4 por quilo, enquanto a aveia comum custava US$ 0,55 por quilo na época.”

Elizabeth Stein criou a Purely Elizabeth por acidente: como conselheira de nutrição, que realmente queria construir um negócio que incluísse consultas individuais e programas de saúde personalizados e integrados para os clientes, Stein entrou em uma carreira empreendedora. Ela havia feito bolos sem glúten para distribuir em uma feira de triatlo em 2008 para promover seu serviço de aconselhamento. Os muffins foram um sucesso, e os atletas do evento perguntaram como fazê-los. Então, ela passou a fazer bolinhos quase da noite para o dia: um negócio em que ela não tinha formação ou experiência.

“Na minha educação nutricional, analisamos ingredientes populares hoje em dia: chia e óleo de coco, por exemplo. Em 2007, nada no mercado sem glúten era realmente saudável para você”, diz ela.

É por isso que as misturas para muffin, embora projetadas para serem uma ferramenta de marketing, serviram como uma plataforma de lançamento exclusiva para Stein, em um nicho de mercado sem glúten da época. O Daily Candy, um blog popular da época, falou sobre o produto e a ajudou a vender US$ 10 mil em poucas horas, diz ela. Foi quando ela percebeu que tinha um modelo de negócio, embora tenha passado das misturas para a granola. Por anos, Stein revigorou o mercado de granola com outros empresários de alimentos que desejavam adicionar mais ingredientes ricos em nutrientes à categoria e se afastar apenas de açúcar e carboidratos. Como o produto deles não se parecia com o que os precedeu, exigia paciência e explicação, lembra ela. “Uma cadeia de supermercados nem sabia onde nos colocar na loja: estávamos no corredor de cereais ou de snacks? Eles nos encaixaram como snack no início.”

Agora, a Purely Elizabeth está adicionando mais produtos ao portfólio: granola sem grãos com óleo MCT, misturas para panqueca com farinhas diferenciadas, como teff e chufa (voltando às suas raízes como uma empreendedora de muffins sem glúten), e até mesmo uma esfoliação corporal inspirada pelos produtores de açúcar de coco na Indonésia, de onde ela compra. Dirigido por mulheres, o fornecedor de açúcar de coco compartilhou que as mulheres indonésias usam o açúcar rotineiramente para manter a pele macia. “Isso colocou a ideia na minha cabeça, mas eu queria ver como poderíamos fazer a conexão com os agricultores que produzem o açúcar”, diz Stein.

Portanto, 5% das vendas do creme retornam às instalações de açúcar de coco pertencentes a mulheres para apoiar o crescimento e as necessidades dos agricultores. Mas esse é apenas um pequeno componente do desejo de Stein de retribuir. Como uma B Corp (que visa como modelo de negócio o desenvolvimento social e ambiental), a empresa doou continuamente a uma variedade de organizações sem fins lucrativos ao longo dos anos: o Instituto Rodale, o Slow Food EUA, o Wellness in Schools e muitas outras.

LEIA TAMBÉM: Tesla supera estimativas de entregas no 2° trimestre

Para ajudar nos esforços de socorro à pandemia, a Purely Elizabeth doou dois paletes de granola, barras e aveia ao Distrito Escolar de Boulder Valley, onde a empresa está localizada, 10% das vendas online foram para o Food Bank da cidade de Nova York em abril, e mais de 15 mil barras de nozes e sementes para a Baby2Baby, uma organização sem fins lucrativos que apoia pais de baixa renda.

A generosidade continuará, ela diz. Atualmente, a marca está investindo 10% de sua receita da nova granola na Soul Fire Farm, uma fazenda comunitária centrada no compromisso de acabar com o racismo e a injustiça no sistema alimentar.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).