Viagens particulares aumentam, mas fabricantes de jatos continuam demitindo

    GettyImages/ Sophie_JamesO mercado de compras e fretamento de jatos particulares oferece uma saída mais segura para os aeroportos, mas a demanda pelo serviço não é suficiente para justificar a produção de mais máquinas

A atividade de voos em jatos executivos está se recuperando de maneira inteligente. Enquanto os voos regulares das companhias aéreas permanecem parados, viajantes mais ricos buscam alternativas e procuram se distanciar das viagens aéreas comerciais. A FlightAware relata que, na semana de 14 a 21 de junho, o número de voos privados caiu apenas 17% em comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto as companhias aéreas ainda caíam 69%. De fato, em 20 de junho, as viagens em jatos executivos estavam 2,5% acima, na comparação com o mesmo dia do ano passado.

As consultas de voos fretados particulares estão performando muito bem e as vendas de jet cards, essencialmente cartões de débito de horas de fretamento, estão vendendo como nunca antes. A Giddy, de peças de vestuário para funcionários de voos fretados de aeronaves particulares, relata bons números, com mais de 50% das vendas direcionadas a usuários novos.

LEIA MAIS: 5 ideias para diminuir a desigualdade racial e financeira nos negócios

Para começar, os atuais proprietários de aeronaves estão mantendo seus jatos, fazendo com que o número de aeronaves usadas ​​à venda no mercado mal se mova desde o início da pandemia. Isso acontece logo após as entregas de novos jatos executivos terem subido 15% em 2019.

De repente, o voo privado parece ser uma mercadoria quente, e seria apropriado aumentar o ritmo da produção de aviões novos. Em vez disso, e de maneira contra-intuitiva, os fabricantes de jatos executivos demitiram trabalhadores. Não apenas alguns aqui e ali, mas aos milhares.

A unidade Cessna da Textron Aviation cortou recentemente 1.950 funcionários, ou 6% de toda a sua força de trabalho. A Bombardier cortou 2.500, e a divisão Gulfstream da General Dynamics fez 1.145 postos desaparecerem desde outubro. Neste mês, a brasileira Embraer anunciou que reduziria 20% ou cerca de 4.000 funcionários, embora em parte devido à exposição à produção de aviões e ao fim abrupto da lua de mel com a Boeing. Outras empresas também fizeram cortes, mas de uma maneira mais discreta. Há indícios de que poderia haver mais.

Para ajudar a explicar essa série de demissões, apesar da atividade, é importante entender primeiro que o salto em 2019 nas novas entregas de jatos foi algo enganoso. Os fabricantes geralmente constroem e armazenam novos modelos antes mesmo de serem certificados pelas autoridades, resultando em uma grande quantidade de modelos disponíveis a pronta entrega para os primeiros clientes. O ano de 2019 viu um pico na aprovação de vários novos modelos, algo que abriu as comportas de receita. Outro fator foi o de que 2019 foi um ano abundante em entregas de jatos monomotores menores, o que distorceu ainda mais a saúde real do mercado tradicional.

Além disso, comprar e cuidar de uma aeronave pessoal é uma atividade que custa milhões de dólares, o que limita a base de compradores em potencial, e muitos daqueles com possibilidade financeira já possuem um jato. Alguns talvez agora queiram comprar jatos, para escapar das multidões do aeroporto, mas não o suficiente para mudar significativamente o status das vendas. Alguns compradores irão esperar que parte da incerteza econômica diminua antes de arriscar capital.

A oferta de jatos fretados ou planos de voo não deixará de existir no curto prazo para garantir a expansão da frota. Esses ativos são subutilizados há anos e qualquer demanda de curto prazo será facilmente absorvida pela frota existente, sem a necessidade de fazer pedidos de novos jatos.

LEIA TAMBÉM: EXCLUSIVO: crise aumentou em 40% o volume de abordagens amigáveis dos vendedores, diz LinkedIn

Muitas das empresas que fornecem fretamentos de aeronaves nem possuem as próprias aeronaves. Em vez disso, elas emprestam a aeronave dos proprietários reais que desejam disponibilizar seu jato para outras pessoas quando não o estão usando para obter renda extra. Portanto, mesmo um aumento permanente no uso de fretamentos não resultaria em pedidos de aeronaves de fornecedores de fretamentos.

É provável que apenas alguns dos que experimentaram os serviços de fretamento permaneçam depois que a histeria das viagens públicas terminar e, mais uma vez, puderem embarcar na traseira do avião. O feedback dos fornecedores fracionários é que os novatos não estão comprando ações fracionadas de jatos, mas jet cards, ou seja um fretamento pré-pago e é indicativo de um compromisso mais a curto prazo. As empresas não aumentarão o tamanho de sua frota com novos jatos até que seja verificado se novos clientes aderem a viagens particulares depois que uma vacina estiver disponível.

Há também o lado do custo da equação. As linhas de produção foram interrompidas ou fechadas por até três meses, tirando dos construtores de jatos o dinheiro normal recebido ao entregar aviões acabados aos clientes finais. Potenciais novos compradores continuam cautelosos nesse ambiente, resultando em fabricantes de equipamentos originais nem sequer tendo um comprador para toda a produção planejada de jatos para 2020, o que pode resultar em empresas ficando presas a veículos não vendidos e com alto custo de manutenção no final do ano. A remuneração dos executivos com base no preço das ações dificulta ainda mais a motivação de retenção de funcionários.

Os únicos beneficiários de curto prazo serão serviços de fretamento, e isso pode durar pouco –quando a existência de uma vacina der um sinal claro de retorno às viagens comerciais. Esse aumento da atividade não será necessariamente uma bonança financeira, pois o setor de fretamento está saindo de alguns meses de uma parada quase completa como as companhias aéreas e ainda precisa de tempo para se recuperar fiscalmente. Com muita concorrência no setor de fretamentos, historicamente houve uma falta de disciplina de preços, o que poderia prejudicar ainda mais as margens, mesmo em um clima propício.

E TAMBÉM: Após vender uma parte de sua empresa de cosméticos para a Coty, Kim Kardashian está próxima de se tornar bilionária

Inevitavelmente, haverá novas melhorias nas vendas de jatos devido a preocupações duradouras sobre viagens em grandes grupos, mas isso levará um tempo para se materializar. O aumento do fretamento e o uso fracionário devem continuar no próximo ano antes que novos pedidos sejam feitos, e os compradores tradicionais devem primeiro se recuperar de sua própria situação financeira e ter confiança no futuro. O recente aumento na popularidade de viagens aéreas privadas ainda não se traduziu em vendas de jatos executivos para fabricantes, que podem continuar a reduzir a força de trabalho até que as encomendas mostrem um crescimento sustentado por períodos consecutivos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).