Como treinar seu cérebro para ser positivo

GettyImages/Westend61
É possível exercitar o cérebro para procurar pontos positivos mesmo que ele já esteja treinado para buscar os negativos

Resumo:

  • Nosso cérebro não é projetado para criar felicidade como gostaríamos, mas é possível estimular os hormônios responsáveis pela sensação de bem-estar;
  • Para evitar que a negatividade domine os pensamentos, uma solução é gastar um minuto procurando elementos positivos, três vezes por dia, durante 45 dias;
  • Diminuir a negatividade, criar as expectativas realistas e assumir o controle sobre os próprios atos e emoções é uma forma de criar um circuito de positividade.

Nosso cérebro não é projetado para criar felicidade como gostaríamos que fosse. Ele evoluiu para promover a sobrevivência, portanto, economiza as substâncias químicas que despertam a felicidade (dopamina, serotonina e ocitocina) para as oportunidades onde se faz necessário sobreviver, e só as libera em quantidades pequenas, que são rapidamente metabolizadas. Isso nos motiva a continuar tomando medidas que estimulam nossos hormônios responsáveis pela sensação de felicidade.

VEJA MAIS: 3 passos para desenvolver sua inteligência emocional

Especialmente perto do final de um dia de trabalho estressante, na busca de estimular as substâncias que promovem felicidade, seu corpo pode acabar cheio de substâncias químicas que promovem justamente infelicidade. Existem várias razões pelas quais seu cérebro fica negativo.

O sentimento ruim provocado pelo cortisol tem seu próprio propósito de sobrevivência: ele alerta para um obstáculo no caminho, com o objetivo de que você possa se direcionar para bons sentimentos. Contudo, uma vez que você faz isso, seu cérebro encontra o próximo obstáculo. E, se você continuar seguindo seu cérebro quando estiver no modo sobrevivência, acabar se sentindo muito mal. Felizmente, existe uma maneira simples de reconfigurar essa negatividade natural.

Vamos começar com um exemplo que chamo de “Paradoxo do Cocô de Cachorro”. A sujeira dos animais de estimação estava em toda parte quando eu era jovem, porque recolher as necessidades do seu cão na rua não era uma norma. Então, os costumes mudaram, e as ruas ficaram gloriosamente mais limpas. Isso fez alguém feliz? NÃO. As pessoas mal notaram. Elas notam algum descuido, no entanto, e ficam muito bravas com isso.

Nosso cérebro evoluiu para procurar por problemas e é hábil em encontrá-los. Por exemplo, os repórteres previram a queda da sociedade civilizada quando a bicicleta foi inventada. Eles alertaram que as pessoas voariam daqui até lá em vez de terem longas conversas, e que nos deitaríamos cedo por conta da exaustão, em vez de conversar à noite. Nós herdamos o cérebro que ajudou nossos ancestrais a perceber ameaças na hora de agir. Somos habilidosos em encontrar ameaças, mesmo quando buscamos recompensas.

Construa para si um circuito de positividade

A negatividade te dominará a menos que você construa um circuito de positividade. Para fazer isso, gaste um minuto procurando elementos positivos à sua volta, três vezes por dia, durante 45 dias. Isso treina seu cérebro para procurar pontos positivos da mesma forma que já está treinado para buscar os negativos.

VEJA TAMBÉM: 3 passos para usar o poder escondido do seu cérebro

Você pode pensar que não há pontos positivos suficientes no mundo terrível ao seu redor.  Entretanto, não é necessário se apresentar no Carnegie Hall e resgatar órfãos de edifícios em chamas para criar positividade. Qualquer ponto positivo, por menor que seja, construirá o caminho que busca e prevê aspectos positivos. Apenas aprecie a ausência de cocô de cachorro no caminho à sua frente e as conexões neurais se desenvolverão. Pode parecer ilusório buscar pontos positivos quando os negativos são tão aparentes, todavia, sua lente atual é falsa e precisa de correção.

É difícil ser positivo quando todos ao seu redor estão sendo negativos. Seu cérebro mamífero quer correr quando o resto do rebanho corre. Em um ambiente selvagem, você acabaria nas garras de um predador se ignorasse os sinais de perigo de seus companheiros de grupo e esperasse para vê-lo por si próprio. Os mamíferos se unem em torno de ameaças compartilhadas, e combater o inimigo comum aumenta o status de um mamífero dentro de seu grupo. Se você ignorar as ameaças percebidas que agitam seus companheiros de grupo, provavelmente pagará o preço em recompensas sociais. A positividade tem um custo, mas o benefício é maior.

Diminua sua negatividade

Quando você construir seu circuito de positividade, diminuirá a negatividade por meio do controle sobre suas ações e pensamentos e de expectativas realistas.

E AINDA: 7 tipos de medo e como eles afetam sua carreira

Assumir o controle sobre suas ações e pensamentos é ter o prazer de escolher o seu próximo passo. Você nunca pode prever os resultados de seus esforços, mas sempre pode escolher o próximo passo para atender às suas necessidades.

Quando o cortisol aumenta

Expectativas realistas são as alternativas que você cria quando o seu cortisol aumenta. Embora seja natural ter uma sensação de ameaça de sobrevivência quando seus esforços não trazem recompensas visíveis imediatas, você pode se lembrar de que a sua sobrevivência não está sendo realmente coagida. A maior parte das conquistas humanas vieram de esforços que não trouxeram recompensas visíveis imediatas. Quando seus resultados são decepcionantes, você pode ajustar suas expectativas e dar outro passo.

Diminua a negatividade e você colherá os benefícios dessa ação, porque as expectativas realistas nos levam a ter controle sobre nossos próprios atos e emoções. Assim, você estimulará seus hormônios responsáveis pela sensação de felicidade em vez de apenas esperar que o mundo faça isso por você.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).