Ibovespa cai por menor otimismo global e susto com Moro

Adriano-Machado
O giro financeiro da sessão somou R$ 24,7 bilhões.

O Ibovespa fechou hoje (23) no vermelho diante de rumores sobre um pedido de demissão do ministro da Justiça, Sergio Moro, e do esvaziamento da empolgação de ontem (22) com a recuperação esperada após a crise do coronavírus.

O Ibovespa caiu 1,26%, a 79.673,39 pontos, após ter fechado na véspera no maior nível em quase três semanas. O giro financeiro da sessão somou R$ 24,7 bilhões.

Após ter chegado a flertar com os 82 mil pontos no começo da sessão, estendendo o rali da véspera, o Ibovespa foi perdendo força, mirando os mercados externos. O deslize ganhou força com rumores de que Moro ameaçou deixar o cargo se o presidente Jair Bolsonaro trocar o diretor-geral da Polícia Federal.

LEIA TAMBÉM: Reabertura sim, normalização ainda distante…

Participantes do mercado entendem que uma saída de Moro pode gerar mais tensões políticas dentro do governo e piorar a avaliação do próprio presidente. Moro está entre os ministros mais bem avaliados pela população.

“A bolsa perdeu mais de mil pontos em segundos”, disse Henrique Esteter, analista de research e equity sales na Guide Investimentos.

O mercado também observou dados econômicos do exterior. Cerca de 4,4 milhões de pessoas solicitaram auxílio-desemprego nos Estados Unidos, número pouco acima da previsão de pesquisa da Reuters, mas que mostra uma desaceleração no movimento.

Também chamou atenção a queda na atividade industrial dos EUA, com o PMI preliminar despencando a 36,9, nível mais fraco desde março de 2009, ante 48,5 em março. Economistas esperavam recuo para 38 em abril.

Em Wall Street, o S&P 500 recuou 0,05%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).